Finalmente… Alaphilippe cedeu e Pinot aproveitou

A imagem pode conter: 1 pessoa, a sorrir, ar livre e texto

Com o cansaço a apoderar-se de uma grande franja dos ciclistas, a etapa de hoje acabou por revelar um Julian Alaphilippe mais acessível, cedendo onde era previsível ceder, e com alguns dos seus principais oponentes a atacarem. Hoje, foi um dia bem diferente do de ontem, já houveram ataques e, talvez por isso mesmo, as diferenças foram bem maiores.

Sem equipa na alta montanha, sem colegas de equipa nem para trazerem um simples bidon de água, Alaphilippe também não precisará muito deles. Os outros fazem o seu trabalho. Faz lembrar um pouco o Tour que Greg Lemond ganhou, sem um único ciclista da sua equipa ao seu lado, tinham desistido todos. Hoje, resguardando-se no meio do pelotão, não reagiu aos ataques.

Uma das notas altas da jornada acabaria por ser o ataque da Movistar e em especial de Mikel Landa, que acabaria por proporcionar uma primeira reação da Jumbo-Visma, que colocou os seus homens na frente do grupo do camisola amarela, fazendo com que a equipa holandesa ficasse reduzida a cinzas subida acima, até mesmo a Bora passou pela frente, a defender não se sabe muito bem o quê. Quem fez o trabalho de casa foi Gaudu, ao colocar um andamento muito forte, preparando o caminho para a saída de Pinot.

Thibaut Pinot mira al Tour y Mikel Landa, a un imposible

O francês da FDJ-Groupama que já deu mostras que é o homem, neste momento, mais forte do Tour, fez lembrar o ciclismo explosivo, proporcionando o melhor espetáculo do Tour até este momento, fazendo prender o espetador, criando emoções. Enquanto tudo isto se passava cá atrás, indiferente, Simon Yates, na frente da corrida, mantinha a sua confortável vantagem, num andamento sempre constante, vencendo a sua segunda etapa, quase sem dar nas vistas. Nas covas, ficou definitivamente Nairo Quintana. O colombiano não aproveitou o handicap da fuga onde estava incluído e, pior que isso, não deu uma ajuda a Landa, provando que para além de ser, neste momento um ciclista vulgar, é também um péssimo companheiro. Na Ineos, Thomas é o único trunfo da equipa do Reino Unido, com Bernal também a não aproveitar o dia de hoje, para subir na geral. Colou-se a Pinot mas não conseguiu colaborar com o francês, fazendo-lhe sinal que não podia mais, um sinal que Pinot aproveitou para acelerar e o deixar para trás.

Julian Alaphilippe endured his worst day yet in yellow

Lentamente a Deceuninck vai perdendo algum fulgor. Hoje também a ” pérola”espanhola, Enric Mas estoirou por completo, o que pode ter causado algum embaraço no seio da Movistar, que vê nele um futuro líder para o Tour.

E voltemos a Alaphilippe, e o seu pundonor , a sua panache , o seu sofrimento poderão não ser suficientes para ganhar o Tour. Hoje mostrou o seu real valor e quando vierem os Alpes, as coisas irão complicar-se ainda mais. Pode ser que os três dias que antecedem as duras escaladas alpinas, lhe permitam alguma recuperação, mas quando o ” motor” entra no vermelho, as coisas complicam-se. Para vencer o Tour, apostamos numa dupla: Pinot ou Thomas. A terceira semana é terrível, não só pelas dificuldades montanhosas, mas também porque a capacidade de recuperação de muitos ciclistas não vai ser a melhor.

2 comentários a “Finalmente… Alaphilippe cedeu e Pinot aproveitou”

  1. A correção está correta, só que o que se pretendeu simbolizar é que Greg Lemond não teve apoio de nenhum colega ao longo do Tour, porque de facto a equipa era fraca demais.

  2. Boas
    Como refere no arigo que Greg Lemond venceu uma Volta a França sem colegas de equipa pois tinham desistido todos, isso nao e verdade, no tour de 1989 a equipa era fraca mas acabou com 4 ciclistas era a ADR – Agrigel – Bottecchia.

    Abraço

Os comentários estão fechados.