Curiosidades

Uma etapa de C/RI curta e difícil como a de hoje pode provocar uma grande desilusão para os ciclistas menos preparados, e por vezes para uma descontração a mais. Não é fácil encaixar uma eliminação por cortar a meta fora controlo, numa prova como Giro, mas isso aconteceu hoje, com o japonês da Vino Fantini , Hiroki Nishimura que gastou mais 4′ e 36” que Roglic. Amanhã já não alinha.

Landa desiludiu.

No capítulo das desilusões, a que deu mais nas vistas foi Mikel Landa. O basco perdeu 1.05 , muito para um potencial candidato, deixando para Carapaz a proeza de ser o melhor homem da Movistar, na 14ª posição a 47 segundos. Pelo contrário, Tao Geoghegan foi a nota positiva com o seu sétimo lugar a 35 segundos, percorrendo os 1.600 metros da subida com uma potência média de 470 watts

Bauke Mullema foi um dos poucos e o único dos dez primeiros que trocou de bicicleta, passando da cabra, na fase a rolar para a bicicleta normal na fase da subida . Foi nono no final e não desiludiu.

Giuliu Ciccone ( Trek- Segafredo) é o primeiro camisola azul da prova. Obteve o melhor tempo na fase da montanha ( 1600 metros), mas foi 64º no final a 1.24, apostando forte num objetivo.

Simon Yates


O britânico Simon Yates não teve papas na língua, na conferência de imprensa, nas vésperas da prova, afirmando que há muito favoritos, mas ” venho ao Giro para ganhar. Dediquei os últimos 20 meses para cumprir esse objetivo.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *