Até onde chegará Remco Evenepoel

 

As prestações do jovem belga Remco Evenepoel, dão que falar há algum tempo na Bélgica. Para nós, os que estão fora da Bélgica, foram os últimos campeonatos da Europa que nos fizeram descobrir este prodígio, como é assinalado na maioria das reportagens que fazem sobre ele por esse mundo fora.

Em boa verdade, mesmo na Bélgica, não dá que falar assim há tanto tempo. Pelo menos pelo ciclismo. Antes das duas rodas a pedais, Evenepoel, jogava futebol, em bons clubes belgas, chegou a representar o PSV, da Holanda, e teve internacionalizações nas selecções belgas de Sub-15 e Sub-16.

Desiludiu-se com o futebol por, em determinada altura da “carreira”, segundo diz, sem justificação, passar o tempo todo no banco de suplentes. Mudou então para o ciclismo.

A mudança, parecia tardia (e pelos livros é!). Mas, às prestações actuais de Evenepoel, nunca poderemos alhear a sua vida desportiva. Era outro desporto, é certo, mas as traves mestras da prática desportiva são comuns a todos os desportos. Mudam apenas os pormenores da prática.
Também parecia vindo do nada, um pára-quedista numa modalidade diferente e desconhecida, com outras táticas e outras “manhas”, aquelas que definem o ciclismo e os ciclistas. Bem, quanto a isto, o nome de Patrick Evenepoel passa-nos ao lado. Mas este senhor é o pai de Remco, e este senhor, embora tenha sido um ciclista discreto, não deixou de fazer uma Vuelta (foi 113º, mas acabou) e até ganhou o Grand Prix de Wallonie em 1993. Ou seja, o ciclismo é um meio que nunca foi estranho ao jovem belga.

Não queremos com isto tirar mérito aos sucessos de Remco Evenepoel que, têm sido notáveis. Apenas significa que também não é nenhum D. Sebastião belga que parece ter surgido no meio do nevoeiro vindo do nada.Isto, embora os belgas o vejam já como o novo Merckx.

Conjunturas que nos habituámos a ver e ouvir ao longo dos anos com outros protagonistas, com uma pressão não raras vezes pouco saudável para qualquer jovem. O talento e as capacidades físicas de Remco são admiráveis. Mas as investidas (bem sucedidas) que faz no pelotão Junior, são pouco toleradas no mais táctico e organizado pelotão profissional. O processo de aprendizagem ainda se adivinha longo. Sem lesões (sempre definidoras do que pode ser o sucesso de um desportista), terá de tudo para ter uma carreira longa e brilhante, mas como em qualquer jovem prodígio só o futuro nos dirá onde chegará Remco Evenepoel.
Luís Gonçalves