Escalão sub-23 com poucas equipas em 2019 ?

A Federação Portuguesa de Ciclismo com o seu excesso de rigor vetou, no ano passado, a possibilidade de algumas equipas profissionais formarem equipas de sub-23, mesmo com patrocinadores e denominações diferentes .

Esperava-se que, no cerne da decisão federativa, estivesse na base, que outras equipas surgiriam para aglutinarem uma série de jovens de futuro, oriundos do escalão junior. Volvido um ano, o escalão de sub-23 ficou confinado às equipas do Fortunna-Maia, Bombarralense e Sicasal – Constantinos, a base deste escalão, bem como as modestas formações da Trofa e Jorbi-Nicolau.

Para 2019 o panorama parece não vir a ser melhor, depois de na ultimo prova da temporada, um dos responsáveis da equipa de Bombarral nos anunciar o fim da equipa.  A confirmar-se esta decisão, que pode ainda ser reversível, o ciclismo sub-23 poderá ultrapassar um mau momento, que se refletirá, como é óbvio, no desenvolvimento do ciclismo nacional.

Como afirmou, e bem, Luís Gonçalves num artigo ontem publicado, o ciclismo intra-muros tem de percorrer um caminho que defenda os interesses do nosso ciclismo, muito em especial dos jovens ciclistas oriundos do escalão junior. Competirá, agora,  à FPC encontrar uma solução, depois de ter proibido  em final de 2017 a possibilidade de existirem mais algumas equipas de formação no escalão sub-23.