Um olhar sobre a Volta do Futuro

Entre cinco e nove de Setembro, seis etapas percorridas em cinco dias perfazem a 26ª Volta a Portugal do Futuro, competição res

Dez equipas, três das quais espanholas, com um máximo de sete ciclistas compõem um pelotão curto. Provavelmente tal justifica a generosidade atribuída nos controlos de tempo de chegada em cada etapa, bem mais favoráveis do que os da Volta a Portugal de Cadetes, por exemplo. É apenas a força dos números, contra a inferioridade dos números. Isso e a diferença que se adivinha entre equipas e ciclistas, onde, neste contexto, duas das portuguesas, partem claramente à frente das outras nacionais, porventura, até num regime de alguma injustiça. Aqui é a força dos regulamentos.

Primeira etapa em Águeda no dia cinco, num circuito de cerca de trinta Km a percorrer por quatro vezes, aparentemente sem grandes dificuldades, mas, andar em circuito é sempre um pouco imprevisível.

Ao segundo dia adivinham-se bem mais dificuldades. Desde Oliveira do Hospital, até à contagem de montanha de primeira categoria em Colcurinho (Nª Sra das Necessidades) com a meta instalada a 1235 metros de altitude.

Arganil recebe o início da etapa mais longa que ao fim de 151,5 Km, termina em Abrantes. Pelo caminho, um traçado sinuoso com quatro contagens de montanha e, em Abrantes, um perfil de chegada que pode surpreender os mais desatentos.

Para o quarto dia, estão reservadas duas etapas. A ligação entre Abrantes e Castelo de Vide, com cerca de 80 Km, mas sempre em trajectória, embora de forma gradual, ascendente e, ao final da tarde um contrarrelógio em Castelo de Vide, de 8,4 Km, cópia do da Volta ao Alentejo, com a dura subida à Penha e a técnica descida da Penha, tendencialmente favorecendo quem já o conhece.

No dia 9 de Setembro, aproveitando o FestivalBike, etapa de 118,3 Km, com partida e chegada em Santarém, parecendo acessível no papel, contudo, se existirem algumas contas a acertar a nível das classificações finais poderá ser tudo menos fácil.

Neste dia 9 ficaremos a saber quem sucederá a José Neves, como vencedor da Volta a Portugal do Futuro.
Luís Gonçalves