Domingos Gonçalves o melhor na Malveira a Luis Fernandes na Póvoa de Galega

 

 

 

 

 

A época dos circuitos lá vai mantendo a chama viva da modalidade internamente, mas o seu número tem, também, nos últimos anos a perder alguma vitalidade. Há dois anos atrás ganharam interesse suplementar com o denominado Critério Nacional dos Circuitos, que a FPC deixou cair.

Este fim de semana disputaram-se duas provas. O recém criado Circuito da Póvoa da Galega que teve na equipa da Aviludo-Louletano a grande vencedora, com Luis Fernandes a cortar a meta de “braço dado” com Márcio Barbosa. No terceiro lugar surgiu o campeão nacional, Domingos Gonçalves.

Muito público espalhado pelo longo circuito, este ano com o perímetro aumentado, para cerca de sete kms, o que não permite um maior entusiasmo por parte de quem assiste. O tempo de passagem é maior. Mesmo assim, a prova das imediações da Charneca, terra do saudoso Manuel Maduro tem pernas para andar.

Hoje, o pelotão rumou à Malveira, ali paredes meias paredes com a Charneca, para aquele que será o mais tradicional e importante circuito nacional, atendendo ao seu passado e prestígio que teve em anos idos, onde os circuitos marcavam um período importante da temporada.

Circuito mais curto, pouco mais de um km cada volta, com um topo de duzentos metros muito duro, fazem desta prova uma das mais seletivas, a par do Circuito de Nafarros. Um novo par cortou a linha de chegada isolado em relação ao resto do pelotão. Domingos Gonçalves adiantou um pouco a sua roda da frente para vencer de mão dada com o seu colega de equipa, João Benta, que terminada a prova fez nova corrida, desta feita de carro, rumo a Braga para assistir a esposa, quase a dar à luz a filha Matilde.

Os circuitos continuam, amanhã com dois de uma assentada. Na Moita, ali para os lados da Marinha Grande, com partida pelas 17.30 horas e Nafarros no concelho de Sintra, que muitos admitem ser o mais duro dos circuitos nacionais.