As equipas portuguesas e os lugares de pódio

Numa análise sumária a esta primeira parte da Volta, em relação às formações portuguesas, poder-se-á dizer que pouco foge aos vatícinios iniciais. Isto é, a equipa da W52-FCP, pelo menos por enquanto a dominar, com Alarcon a assumir a liderança de uma equipa que, porém, não se está a mostrar tão potente como em anos anteriores.

Deste primeiro parágrafo pode-se entender que a oposição, também nos parece mais fraca que, em anos anteriores. Principais opositores do FC Porto, os sportinguistas não têm proporcionado momentos de ataque. Apenas na etapa das Penhas da Saúde Joni Brandão ousou atacar, mas a pedalada era bem diferente em relação à de Raul Alarcon. Sporting que ficou logo amputado no primeiro dia com a perda um ciclista e com Trueba a passar momentos muito dificeis.

Voltando ao FC Porto, um nome nos parece a ter em linha de conta para o futuro. João Rodrigues que tem sido uma das principais figuras da equipa, não só na Volta mas em toda a época, revelando-se um excelente ciclista de equipa.

Das restantes formações,  a Efapel ainda não atingiu o que o seu diretor desportivo anseia, e foi precisamente uma das equipas mais interventivas. Na terceira etapa assumiu a parte final da etapa, pretendendo controlar. Na quarta etapa, na entrada para as Penhas da Saúde foi a equipa que apareceu na frente e, ontem, foi a equipa que mais controlou. Nem tudo tem corrido bem, mas mantém Casimiro Henrique num lugar de acesso ao pódio.

Depois o Louletano tem três homens a dar nas vistas. Vicente Mateo, vencedor da etapa de Portalegre, festejado com um sinal muito infeliz, Luis Fernandes e Luis Mendonça. Mateo sempre se considerou favorito ao triunfo final, esteve com os melhores até agora, e vai estar certamente até final. Uma equipa sempre a ter em linha de conta.

A Radio Popular-Boavista tem em João Benta a grande aposta para as etapas finais, é também um candidato a um lugar no pódio , tendo ainda Domingos Gonçalves, que não sendo um trepador nato se tem defendido bem até ao momento e Daniel Silva .

A Vito-Feirense tem dois homens nos dez primeiros, Edgar Pinto um clássico e Xuban Errazquin um neófito, portador da camisola da Juventude e são os cabeças de cartaz da formação de Santa Maria da Feira. Dois nomes duas gerações que mostraram até ao momento que podem , em especial Pinto, naturalmente discutir um lugar no pódio.

Das três equipas continentais ditas de sub-25, mantém uma certa homogeneidade entre si . A equipa do Mortágua-Miranda tem em  Gonçalo Carvalho ( 23º) o melhor classificado na geral individual e Francisco campos, como um homem que se tem intrometido nas chegadas, com resultados positivos. Já a Liberty Seguros teve azar, na desistência de Cesar Martingil que, enquanto esteve em prova teve uma participação muito positiva,obrigado a abandonar com lesão no pulso esquerdo. e tem agora em André Carvalho ( 27º), o seu melhor homem. A LA Alumínios tem procurado não passar despercebida, procurando aparecer com as suas camisolas na frente da corrida, pouco mais.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *