Alarcon reduziu tudo a cinzas, o que não admira com esta …calor

O calor não era menor que em dias anteriores, mas a etapa era bem diferente. Estávamos no primeiro dia da Volta a sério, nesta ligação de 175 kms entre a Sertã e Oliveira do Hospital, com quatro contagens do Prémio da Montanha, duas das quais na parte final da etapa.

O calor que tinha feito das suas nos dias anteriores, amoleceu o espírito de muitos ciclistas, era visível a dificuldade de muitos dos componentes do pelotão. Na primeira hora de corrida foram percorridos 41 kms/h, os ciclistas já não vinham à agua com tanta insistência, e depois de vários grupos terem tentado a sua sorte, um grupo de 19 ciclistas colocou-se na vanguarda do pelotão.

A informação da sua composição tardava, e só quando já levavam mais de um minuto de avanço, foi anunciada a sua composição. Cá atrás a W52-FCPorto puxou e dos 19 da frente o grupo ficou reduzido a meia duzia de ciclistas, com os nomes mais sonantes da fuga a ficarem para trás: Daniel Silva e Domingos ( RP-Boavista), Xuban Errasquin ( Vito/Feirense) e Rui Vinhas ( W52-FCP).

Os seis homens da frente da corrida entenderam-se o melhor que podiam, mas o FC Porto ia diminuindo a diferença, até que a cerca de 15 kms da meta, foi a Efapel que foi para a frente acabando de vez com a escapada. Um pelotão muito reduzido entrou na primeira subida e formou-se na frente um grupo supremo: Raul Alarcon, Vicente Mateo, Henrique Casimiro, Edgar Pinto e Joni Brandão.

Num grupo de notáveis, o mais notável foi sem duvida Alarcon, que teve tempo para tudo. Caiu, pediu desculpa a Casimiro, montou em cima da bicicleta e arrancou sem dar cavaco às tropas, cortando a meta isolado, o que lhe deu direito a ser o novo camisola amarela da prova. Rafael Reis despedia-se do jersey amarela.

Classificação: