J.Agostinho: Oscar Fernandez( Aviludo) deu um tiro no porta aviões da W52-FCP

A segunda etapa do Prémio J. Agostinho mostrou que o novo figurino da prova, com equipas de seis elementos, tornam as coisas muito complicadas, quando os percursos são difíceis e os ataques muitos, que é o mesmo que dizer que não há equipa que resista , quando chega a sua hora de controlar.

Hoje,  a equipa da W52-FCP  competia-lhe controlar a etapa, por força da camisola amarela que estava nos ombros de José Fernandes. Uma fuga desde o início das prova, sem nomes importantes, obrigou a equipa portista a comandar o pelotão desde Serra d’ El rei até Torres Vedras. Até aqui tudo bem, o pior foram as cinco voltas do circuito de Torres , com a famosa subida da Serra da Vilas e do Varatojo a fazerem das suas.  Volta após volta o pelotão ia ficando cada vez mais magro, até que a duas voltas do fim um grupo de 15 ciclistas, onde estavam incluídos entre outros Oscar Fernandez e Alejandro Marque , ambos a 15 segundos do camisola amarela escapou ao pelotão, com o FCP a manter na fuga Ricardo Mestre, que bem falta fez para perseguir cá atrás no pelotão.  A fuga chegou a ter 1’07’ a uma volta do final, altura em que o FC Porto recebeu o reforço da equipa da Euskadi-Murias e juntas as duas equipas conseguiram reduzir para para cerca de 26 segundos a diferença para os primeiros classificados que, entretanto na subida da Serra da Vila, já em direção meta se fragmentou, por força de um ataque de Fernandez e Del Pino ( Efapel). os dois isolaram-se, mas o azar bateu à porta do ciclista da Efapel que caiu já dentro dos três kms. Sozinho na frente, o ciclista do Louletano conseguiu aguentar uma magra vantagem até à meta, ganhando a etapa e de uma assentada ” roubou”  a camisola amarela a José Neves.

Com uma etapa duríssima amanhã, com chegada ao alto do Montejunto e com duas  contagens do PM nos ultimos 25 kms, para animar mais ainda a festa, motivo com toda a certeza, para nova mudança de liderança na corrida, onde homens como Joni Brandão, José Neves, José Mendes, João Benta, e Casimiro Henrique têm hipótese de dar a volta à corrida.