Histórias de sprinters – Ewan perto da Lotto-Soudal

 

As tensões no seio das equipas do World Tour são enormes, em especial quando se aproxima a realização do Tour. primeiro porque é a prova mais mediática do mundo, segundo porque é nesta altura que as diversas equipas começam a rpojetar as suas formações para o ano seguinte.

Causou estranheza, no meandros internacionais, a ausência de Caleb  Ewan no Tour, com a Michelton a invocar uma aposta cerrada em Adam Yates. Mas Yates é um bom ciclista, mas nunca será, por mais que se queira um potencial candidato ao Tour, nem sequer a um lugar no pódio, pelo menos em teoria, face ao seu curriculum.

À medida que o tempo vai passando, vai-se desvendando o véu, com o conhecimento das negociações que existem entre Ewan e a Lotto -Soudal que, pelos vistos se iniciaram em junho, o que poderá explicar o seu desaparecimento de cena, na equipa australiana. Foi também notório, desta feita na equipa belga, um certo desconforto de Andre Greipel com a situação. Tradicionalmente uma equipa de roladores, vocacionada apenas para ganhar etapas, a Lotto-Soudal necessita urgentemente de um revigoramento nas chegadas, pois Greipel, bom finalizador, começou a perder algum fulgor, como aconteceu com Kristoff e, porque não admiti-lo também com Kittel.

Muito sarcásticos com o passado, acérrimos detratores de Armstrong, o certo é que a dupla alemã, Tony Martin e Marcel Kittel nunca mais deram uma para a caixa, desde que se mudaram da QuickStep para a Katusha…