Será que Froome estará defendido nas etapas de montanha ?

Na apresentação das equipas para o Tour, Froome e a sua equipa foram assobiados pelo público presente, numa demonstração do que poderão ser as etapas da prova, em que o público se mistura com os participantes, colocando em perigo a sua integridade física.

Froome não está livre de ser agredido, e mesmo deitado abaixo da sua bicicleta, em especial nas etapas alpinas ou pirenaicas, em que a mistura do público com os participantes se confunde numa só mancha.

A história é já longa, e mesmo que para se defender Froome tenha despendido cerca de 10 milhões de euros, não será de colocar em causa, um facto importante que deu origem a toda esta animosidade contra o ciclista e, porque não, também, contra o ciclismo: a fuga de informação que permitiu a dois jornais, o Le Monde e o Guardian tornar público um dossier que tinha de ser de conhecimento único das partes interessadas, pelo menos até o assunto ficar decidido.

Pelo meio, ficaram as declarações infelizes, grotescas até de Bernard Hinault, que incitaram ao ódio contra o inglês, e que agora cobardemente desapareceu de cena. Mas são estas pessoas que deveriam ser banidas do ciclismo, porque no seu tempo de ciclista, Hinault não era nem foi diferente dos outros, e daqui de Portugal, foram muitas ” encomendas ” para França. Pessoas que falam, passados anos, como se fossem uns santinhos.

O ciclismo é um pouco assim. É um desporto de paixões, mas também de pessoas que sempre dele viveram, mas que pouco lhe deram . Mas voltando ao Tour e a Froome, não vai ser fácil a sua tarefa, e terá de estar preparado para tudo, e para a falta de fair play do público francês, chauvinista , que procura um triunfo que tarda a aparecer, qual D. Sebastião que regressa no meio do nevoeiro. Não acreditamos que este ano, seja um francês a vencer, apesar de Bardet estar muito mais fresco que dois dos grandes favoritos, Froome e Dumoulin, para quem o Giro trouxe grandes problemas físicos.

Para contrariar os vatícinios, arriscamos em outros nomes no lote dos favoritos, Vincenzo Nibali que aparece forte, depois do seu triunfo no Milão-S.Remo teve tempo para se preparar exclusivamente para o Tour.

Da Movistar poderá estar um bloco muito forte, sob o comando de Quintana, mas onde sobressaiem também Valverde e Landa. Quando ao resto e se formos a ver bem as coisas, resta Richie Porte e… Geraint Thomas. São poucos os nossos favoritos, porque não consideramos que ciclistas como Dani Martin, Rigoberto Uran, Adan Yates e Zakarin possam ser considerados favoritos de pleno direito.

Já falta pouco para o início do maior espetáculo desportivo do mundo. Entretanto um vídeo do que se passou na aoresentação da equipa da Sky, hoje em França.