OS CAMPEÕES DO FUTURO…

Castelo de Vide acolhe de novo os Campeonatos nacionais dedicados aos escalões de Cadetes e Juniores. Num percurso ao estilo do norte alentejano, com algumas passagens estreitas e subidas curtas mas inclinadas, no final do próximo Domingo saberemos quem são os novos campeões nacionais. Em bom rigor, no Sábado, já temos campeões de CRI, aqui também com a participação das ciclistas femininas.

Os campeonatos nacionais são a prova que provoca mais esperanças em qualquer ciclista, sobretudo nestas idades, onde as provas ainda são bastante abertas. Diz-nos a história que nem sempre os campeões destes escalões são os campeões do futuro. Não deixam contudo de ser um bom indicador e, se recuar-mos uns dez anos, encontramos nos primeiros lugares ou até com o título de campeão alguns dos melhores profissionais da actualidade.

Apesar do sucesso alcançado por alguns (poucos), os nomes que vemos nas listas de participação, até de alguns campeões, são-nos muito pouco familiares. Se entre 2007 e 2009 juntar-mos as listas, serão pouco mais de uma dúzia os nomes que, com sustentabilidade, chegaram ao profissionalismo. Note-se bem que, alguns deles tiveram participações discretas nos nacionais, o que não é impeditivo de hoje terem uma boa carreira na modalidade.

O ciclismo é um desporto em que ser virtuoso, ou treinar muito, e demais, em determinada fase da vida, não chega para dar sustentabilidade ao sucesso. É preciso muito mais do que isso. Ganhar em determinadas idades, às vezes enche-nos o ego tão depressa que nos falta o oxigénio. O ciclista é um trabalhador de sacrifício e de sacrifícios, uma boa parte deles, cumpridos fora da bicicleta e para além das corridas. Ganhar é difícil, mas, continuar a ganhar, cada qual com as suas metas e vitórias próprias, é ainda bem mais difícil.
Luís Gonçalves