ALVES BARBOSA, O PRIMEIRO A CHEGAR A ROUBAIX

Nuno Bico e Nelson Oliveira, ambos em representação da Movistar, são os portugueses que defendem as cores nacionais na próxima edição do Paris-Roubaix.

Ao longo da história desta dura corrida, não são muitos os portugueses que percorreram as estradas e sectores de pavê que compõem a prova, e são ainda menos os que a conseguiram terminar.

Sabemos que nos pelotões que há mais de cem anos enfrentam o Inferno do Norte, inevitavelmente, há os que podem sonhar com um lugar honroso ou até com a vitória mas, desde sempre, para a maioria a grande vitória será chegar (inteiro) a Roubaix.

Se atirássemos à sorte o nome do primeiro português que participou e terminou o Paris-Roubaix, a probabilidade de acertar seria imensa. Alves Barbosa, um incontornável nome do ciclismo português foi, para além do Tour, também o primeiro português a participar e terminar o Paris-Roubaix. Não teve o mesmo brilho que na sua estreia no Tour, onde foi 10º classificado. Em Roubaix, integrou o último grupo de ciclistas classificados (quatro), a 25 minutos do vencedor, Alfred de Bruyne, colocando-se na 98ª posição.

Foram precisos bem mais de vinte anos para ver outro português chegar ao velódromo de Roubaix. Em 1983, num ano de razia no pelotão, outra grande figura do ciclismo nacional, completou a prova precisando de mais 32 minutos do que o vencedor, o holandês Hennie Kuiper. Detentor daquela que é ainda a melhor classificação de um português no Paris Roubaix, com o 27º lugar, Acácio da Silva, então na equipa Eurotex, foi um dos únicos 32 corredores que conseguiram terminar essa edição.

Outra vez bem mais de vinte anos são precisos para ver Rui Costa chegar a Roubaix em 2009, numa das quatro vitórias do belga Tom Boonnen. Menos tempo separa a chegada de Nelson Oliveira, em 2015, na 61ª posição.

São apenas pormenores que, contudo, retratam que a vida dos portugueses não tem sido fácil no Inferno do Norte. Obviamente que estas coisas da estatística e da história, são indicadores, mas acabam por contar pouco no Paris-Roubaix. O australiano Mathew Hayman, já foi último, mas também já chegou em primeiro…
Luís Gonçalves