belgas e britânicos dominam no alentejo – w52 : agora só resta ricardo mestre

Depois da tempestade de ontem,o dia de hoje pode ter sido  considerado uma bonança, mau grado algumas saraivadas, mas nada de importante. Mas se em termos de condições climatéricas houve melhoria, já em termos competitivos, as mexidas classificativas continuaram hoje, com a W52 -FCP a ficar praticamente arredada dos seus melhores ciclistas. Para se aventurar à discussão da corrida, na geral, resta-lhe agora Ricardo Mestre.

Os estrangeiros são donos da Volta ao Alentejo, nada de novo em relação ao que se tem passado nas ultimas edições. A equipa da Wiggins e os belgas da WB Acqua Protector são exímios roladores, sabem lutar contra o vento e, pela aragem da carruagem arriscam-se a dominarem a geral individual.

Quem tem dado luta, já o tinha demonstrado na Clássica da Arrábida é Oscar Hernandez, do Louletano, segundo da geral em igualdade de tempo com o novo guia Mark Downey., da Wiggins.

Uma etapa longa, daquelas que quase já não se usam, com 205 kms, e cinco horas de pedalada, deu para adormecer. As fugas sucederam-se, e a Efapel deu nas vistas na frente do pelotão. Sem homens da equipa a integrarem as fugas, os comandados de Américo Silva fizeram trabalho extra.

Nas fugas, os homens do W52 procuravam integrar os seus homens, primeiro para acabarem com as escapadas, segundo para obrigarem os seus adversários a expôr-se ao vento. Samuel caldeira esteve de serviço na primeira tentativa, que englobou 21 unidades e depois, foi a vez de Raul Alarcon. O vencedor da Volta isolou-se com um grupo de sete ciclustas, que fez grande parte da etapa na vanguarda, mas quem deu mais nas vistas foi Alejandro Marque, um dos melhores roladores do pelotão, e que por várias vezes tentou a sua sorte sozinho. Mas a Wiggins, nos últimos 25 kms pegou na corrida, aumentou o ritmo e as quedas sucederam-se, envolvendo numa delas, Gustavo Veloso que ficou para trás, sem capacidade de reação. Primeiro caíu o seu colega de Angel Rebollido, que bateu com a sua roda na bicicleta de Veloso, que obrigou o antigo vencedor da Volta a parar. Ambos perderam o contacto com o pelotão , com Veloso a não reagir e a ficar para trás.

A faltarem três kms nova queda, envolveu um grupo de ciclistas, que poderia ter consequências bastante graves. Felizmente nenhum ciclista caíu para o lado de uns separadores em ferro, com bicos, que delimitava os passeios.

Nos ultimos dez kms sucederam-se várias tentativas, mas seria o vencedor da Clássica da Arrábida a dar nas vistas, ao vencer a etapa com relativa facilidade. Dmitri Strakhov sabia ao que vinha, ele que foi 11º na última Volta à França do Futuro.

Curiosamente sem bonificações, o desempate é feito por pontos, e Downey é o guia, que seria também se houvessem bonificações.

A Alentejana continua interessada, muito por culpa do tempo que tem ajudado à missa.

Classificações:

1. STRAKHOV Dmitrii *    LOKOSPHINX        5:01:30
2. DOWNEY Mark *    TEAM WIGGINS
3. HERNANDEZ MARTINEZ Oscar    AVILUDO / LOULETANO / ULI
4. GRIGOREV Aleksandr    SPORTING / TAVIRA
5. JULES Justin    WB AQUA PROTECT VERANCLASSIC
6. ARISTI GARDOKI Mikel    EUSKADI BASQUE COUNTRY / MURIAS
7. ABERASTURI IZAGA Jon    EUSKADI BASQUE COUNTRY / MURIAS
8. PINTO Edgar    VITO / FEIRENSE / BLACKJACK
9. CALDEIRA Samuel    W52 / FC PORTO
10. LOPEZ PARADA Daniel    BURGOS / BH
11. CULLAIGH Gabriel *    TEAM WIGGINS
12. MARTINGIL César *    LIBERTY SEGUROS / CARGLASS
13. MENDONÇA Luís    AVILUDO / LOULETANO / ULI
14. TOFFALI Nicola    SPORTING / TAVIRA
15. SOKOLOV Dmitrii    LOKOSPHINX