jornal o jogo mentiu, logo, deveria desmentir

A equipa da Sky passa um momento difícil, muito por culpa própria, porque já lá diz o ditado, ” pela boca morre o peixe”.  A tolerância zero, que a equipa fez transparecer para o exterior, não era tão zero quanto isso, e as montanhas de criticas de Wiggins, Froome e Cª a ciclistas de outras gerações, caiem agora em saco roto.

Mas a equipa britânica, pelo menos até ao momento, não cometeu nenhuma falta grave do ponto de vista do uso de produtos proibidos, que possam vir a redundar num caso de doping, ou até mesmo um esquema de uso de produtos dopantes. O que está a acontecer, no mínimo, é um caso de ética,  ou falta dela melhor dizendo, pela ministração de medicamentos que podem ser  utilizados, mediante uma prescrição médica,  bem patente nas AUT que foram utilizadas pela equipa, para a resolução de problemas de saúde de alguns ciclistas, e que o próprio regulamento  antidopagem admite. Problemas que foram buscar ao ano de 2012 e que demonstram que o ciclismo continua a ser a modalidade a abater, seja a que preço for.

Um jornal com o prestígio que o Jogo tem não pode, de forma alguma, induzir os leitores num erro e colocar uma peça jornalística de mau gosto  dizendo que Wiggins e a Sky ganharam um Tour dopados. Não pode, pela simples razão de que a notícia é falsa, mentirosa, e mais grave, serve os interesses de um lobby poderoso, cujos praticantes, se fossemos a comparar com este tipo de casos, daria muito que escrever, com as famosas infiltrações e quejandos.

Não queremos voltar ao mesmo, mas esta falta de ética jornalista, não assume os mesmos títulos noutra modalidade, em que os casos de utilização de AUT são aos montes, pela simples razão de poderem sentir fortes retaliações, por parte dos seus dirigentes.

Ficaria bem ao jornal O Jogo, emendar o título, dada a falsidade em que assenta o teor da notícia.