seis portugueses abrem temporada na austrália

Pelo menos seis ciclistas portugueses estarão à partida do Santos Tour Down Under , um numero impensável há meia dúzia de anos atrás.

Com um início de temporada prematuro, buscando as vantagens climáticas de países pouco comuns no ciclismo, como a Austrália, o pelotão internacional aproveita o início de época, nas paragens que melhores condições proporcionam aos seus ciclistas.  Por isso, Austrália, Portugal , Espanha são autênticos paraísos pela bondade dos seus climas, e pela realização de provas com percursos multifacetados e níveis competitivos elevados.

Tiago Machado, José Gonçalves, Nuno Bico, Nelson Oliveira, Rui Costa e Ruben Guerreiro serão os portugueses que iniciarão a temporada com camisolas de manga curta ao lado de nomes sonantes como Peter Sagan, Greipel,  e os “ locais” Richie Porte, Simon Gerrans e Caleb Ewan.

Um pelotão que não contempla os pesos pesados das grandes provas por etapas, que naturalmente se reservam um pouco mais, na sua entrada em cena.

Apresentado como um dos principais eventos desportivos da Austrália, a primeira prova do calendário World Tour, irá atiçar as atenções dos adeptos da modalidade, desejosos de verem na estrada, e… na televisão as primeiras pedaladas a sério de 2018.

Os principais nomes para já confirmados são os seguintes:

AG2R La Mondiale

Ben Gastauer, Mickaël Chérel, Matteo Montaguti, Pierre Latour, Nans Peters, Stijn Vandenbergh, Axel Domont

Astana Pro Team

Riccardo Minali, Luis León Sánchez, Laurens De Vreese, Oscar Gatto, Truls Korsaeth, Michael Valgren, Artyom Zakharov

Bahrain Merida Pro Cycling Team

Ion Izagirre, Gorka Izagirre, Ramunas Navardauskas, Domenico Pozzovivo, Manuele Boaro, Yukiya Arashiro, Valerio Agnoli

BMC Racing Team

Richie Porte, Tom Bohli, Simon Gerrans, Danilo Wyss, Miles Scotson, Patrick Bevin, Rohan Dennis

Sagan será, a par com Richie Porte, o nome mais sonante da prova australiana.

BORA – hansgrohe

Peter Sagan, Daniel Oss, Peter Kennaugh, Sam Bennett, Maciej Bodnar, Rüdiger Selig, Jay McCarthy

Dimension Data

Nickolas Dlamini

EF Education First-Drapac p/b Cannondale

Logan Owen, Brendan Canty, Simon Clarke, William Clarke, Mitchell Docker, Daniel Moreno, Thomas Scully

FDJ

Georg Preidler, Daniel Hoelgaard, Antoine Duchesne, Steve Morabito, Anthony Roux, Matthieu Ladagnous, Davide Cimolai

Lotto Soudal

Thomas De Gendt, Adam Hansen, André Greipel, Bjorg Lambrecht, Marcel Sieberg, Lars Bak, Jens Debusschere

LottoNL-Jumbo

Robert Gesink, George Bennett, Tom Leezer, Daan Olivier, Robert Wagner, Maarten Wynants, Enrico Battaglin

Mitchelton-Scott

Caleb Ewan

Movistar Team

Jasha Sütterlin, Rubén Fernández, Nuno Bico, Carlos Barbero, Marc Soler, Jaime Castrillo, Nelson Oliveira

Quick-Step Floors

Michael Mørkøv, Elia Viviani, Eros Capecchi, Dries Devenyns, Enric Mas, Florian Sénéchal, Fabio Sabatini

A equipa da Katusha já treina na Austrália… junto á praia.

Team Katusha – Alpecin

Nathan Haas, José Gonçalves, Pavel Kochetkov, Jhonatan Restrepo, Maurits Lammertink, Tiago Machado, Mads Würtz Schmidt

Team Sky

Kristoffer Halvorsen, Christopher Lawless, Arley Egan Bernal, Owain Doull, Jonathan Dibben, Salvatore Puccio, ?ukasz Wi?niowski .

Team Sunweb

Nikias Arndt, Phil Bauhaus, Chad Haga, Chris Hamilton, Sam Oomen, Michael Storer, Mike Teunissen

Trek – Segafredo

Ruben Guerreiro, Alex Frame

UAE-Team Emirates

Rui Costa, Diego Ulissi, Matteo Bono, Simone Consonni, Roberto Ferrari, Marco Marcato, Manuele Mori

AS ETAPAS:

Os sprinters terão pelo menos três etapas para discutirem entre si , reservando os trepadores e os principais favoritos ao triunfo final, a penúltima etapa, na chegada a Willunga Hill, já um clássico do ciclismo mundial e onde se discute o triunfo final da prova, que tem como sempre a sua principal caraterística: não tem um C/RI, o que muito contribui a logística que isso obrigaria às equipas, que deixam ficar em casa as cabras.

Uma caraterística sobressai à primeira vista, a reduzida quilometragem das seis  etapas, ou não estivéssemos em presença da primeira prova da temporada, com 150 kms como máximo, o que torna as etapas  mais competitivas e rápidas.

Sem querermos apontar nomes, é muito provável que o triunfo seja discutido pelos melhores australianos em prova, Richie Porte à cabeça, que têm obrigação de estar em forma, pois têm já esta semana os seus Campeonatos Nacionais, o que obriga a um adiantamento da sua preparação.

 

1             Terça-Feira – 16-1            Port Adelaide – Lyndoch             145.0 km             plana

2             4ª Feira –  18-1   Unley – Stirling 148.6 km             – Sinuosa

3             5ª Feira  19-1     Glenelg – Victor Harbor               146.5 km             Plana

4             6ª Feira  20-1     Norwood – Urailda         128.2 km             Sinuosa

5             Sab-  21-1            McLaren Vale – Willunga Hill      151.5 km             Montanhosa

6             Dom.  22-1          Criterium in Adelaide    90.0 km                Circuito

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *