RESULTADO ANALÍTICO ATÍPICO…

Quando se diz que Christopher Froome acusou positivo na Volta a Espanha, em bom rigor, falta-se à verdade. Falta-se a uma verdade que lesa a imagem da modalidade.

Na realidade, o ponto regulamentar em que estamos, é o do resultado analítico atípico. Um palavrão que, por falta de capacidade, não sei explicar na ciência médica ou analística.
Mas de acordo com as normas, o Salbutamol é, das muitas que existem, uma substância proibida. Tem no entanto, a par de poucas, uma especificidade. O facto de se encontrar esta substância num controlo à urina não implica, logo, um controlo positivo, como implica a utilização de outras substâncias. O Salbutamol, pode ser utilizado, por via inalatória (importante), conforme determinada posologia (prevista e um ponto fundamental) e até determinados valores, sem recurso a autorização de utilização terapêutica.

Ultrapassando os valores, de análise, permitidos surge o tal resultado analítico atípico, e não, um resultado positivo, substancialmente diferente porque, desde logo, implicaria a suspensão preventiva do atleta o que não deve acontecer num resultado atípico.

A análise atípica indica a necessidade de realização de estudos complementares, rigorosos, que nos vão dizer se o procedimento foi ou não cumprido. Ou seja, o facto de se ultrapassar em muito, ou pouco, os limites desejáveis apenas faz existir uma presunção de que pode existir ali uma análise positiva por utilização de substâncias proibidas, mas não é um caso positivo.

Os estudos complementares, obrigatórios, servem para contrariar (por parte do atleta obviamente) essa presunção. De forma crua, pode ser normal um atleta conseguir afastar essa presunção, mesmo que ultrapasse muito os valores permitidos, e outro não conseguir, mesmo que ultrapasse bem menos os tais valores.

Claro, se no fim de tudo se provar que os procedimentos não foram cumpridos, aí, teremos então o positivo e a consequente sanção. Esperemos celeridade.
Não é este texto uma defesa de Froome, ou da Sky. A defesa é do Ciclismo.
Luís Gonçalves

1 comentário a “RESULTADO ANALÍTICO ATÍPICO…”

  1. Tendo ele ultrapassado os 1000 ng/ml max. permitidos, narealidade acusou perto do dobro!!!!! Quando um doente normal é medicado com 100ng/ml, porque razão tomou ele 20 vezes esse valor?!!! Se ele está fragilizado fisicamente ao ponto de ter de ser medicado com dose tão elevada, então não está apto a competir. E sim este artigo é uma defesa da Sky e dos seus ganhos “marginais”

Os comentários estão fechados.