funvic fora do circuito internacional

Reveladas as equipas com licença nos dois principais escalões da UCI, uma ausência de topo, foi a equipa brasileira da Soul-Funvic, o que pode ter conduzido a uma machadada quase final, nas veleidades dos brasileiros competirem ao mais alto nível.

Depois do boom dos Jogos Olímpicos, o Brasil estagnou, deixou destruir o seu velódromo e o calendário competitivo é de baixo nível. A nível internacional apenas um ciclista tem lugar no ciclismo internacional, Nicolas Sessler, na espanhola do Burgos e nada mais.

De afundanço em afundanço  ficou para a história os inúmeros casos de doping da equipa Funvic, que parecia ter pernas para andar, mas acabou por encalhar, deixando o Brasil orfão de uma equipa internacional.

No circuito da América do Sul o ciclismo profissional está apenas confinado, agora, à equipa colombiana da Manzana-Postobon.