pelotão nacional com nove equipas continentais

Sem grandes novidades numa altura da temporada algo morna, a equipa da Efapel iniciou hoje um estágio em Ovar, que se prolonga até quinta feira, e que tem como meta definir objectivos e desenvolver o espírito do grupo são as principais finalidades, do grupo liderado por Américo Silva.

Entretanto, são já conhecidos os planteis das seis equipas com estatuto profissional, salientando-se a extinção da equipa da LA – Metalusa – Albergaria, que acabaria por se dividir em dois blocos. Uma parte da estrutura, fez uma fusão com a nóvel equipa criada em Santa Maria da Feira, com o regresso do Feirense, e a outra deu origem à criação da equipa LA Aluminios, no escalão continental amador,  de sub-25.

Mantém-se pois um pelotão de seis equipas profissionais,  cujo grupo será reforçado com mais três equipas continentais, de estatuto amador, num total de nove formações, o que permite um pelotão nacional máximo em provas de 63 ciclistas.

F.C Porto e Sporting reúnem, à partida os dois blocos mais fortes, são também as formações com maior orçamento, com os portistas a conservarem Alarcon e Veloso, mas perdendo Amaro Antunes e Joaquim Silva, o que torna os portistas um pouco mais vulneráveis.

Já o Sporting parece ter Joni Brandão em força  para 2018, o que pode dar uma ova dimensão à equipa, que conta ainda com Alejandro Marque e Nocentini, duas mais valias , onde a experiência joga em seu favor.

Depois há um novo bloco composto por duas formações, a Radio Popular- Boavista e a Efapel. Os axadrezados contam com João Benta e Domingos Gonçalves como cabeças de cartaz, mas onde uma dupla russa pode fazer diferenças. Trofimov e Silin são dois nomes de World Tour, o que pode dar uma nova dimensão à equipa.

Já a Efapel conta também com a experiência de dois grandes ciclistas, Sérgio Paulinho e David Arroyo, mas de quem Américo Silva espera melhores cometimentos  é para a dupla alentejana Casimiro – Mestre, o que torna a equipa muito versátil.

A equipa do Louletano, este ano com um novo patrocinador, Aviludo, continua a ter em Vicente de Mateo o chefe de fila incontestado dos algarvios, com quem os seus dirigentes pensam vencer a Volta a Portugal. A equipa está mais equilibrada, e beneficiou imenso da redução do numero de ciclistas em prova.

A Vito-Feirense  é uma equipa nova e, apesar da experiência de Joaquim Andrade é um primeiro ano e um recomeço, que pode ser dificil. A equipa não difere muito da LA-Metalusa de 2017, podendo até ser mais forte. Edgar Pinto é o  capitão da equipa, numa equipa com muitos jovens.

Vejamos a constituição destas seis formações:

W52 – FC PORTO

Diretor Desportivo : Nuno Ribeiro

Bicicletas – KTM

Ciclistas Especialidade
Raul Alarcon Ciclista completo. Chefe de fila da equipa.
Gustavo Veloso Rolador. Bom C/relogista e bom finalizador
António Carvalho Trepador e rápido em pequenos grupos
Samuel Caldeira Sprinter e excelente ciclista de equipa
Ricardo Mestre Bom ciclista de equipa e bom trepador
João Rodrigues Ciclista que tem evoluído, bom rolador.
Rui Vinhas Bom ciclista de equipa
Angel Rebollido Algo inconstante em 2017. Necessita confirmar.
Daniel Freitas Bom finalizador, mas limitado face ao valor da equipa
José Neves Ex- Liberty A confirmar o triunfo na Volta do Futuro.
César Fonte Ex-La Aluminios Tem de ganhar espaço na equipa em 2018

Mantendo as traves mestras da equipa, Alarcon e Veloso, o bloco azul e branco, está, contudo mais fraco em relação a 2018, depois das saídas de Amaro Antunes e Joaquim Silva, com as entradas a não colmatarem as saídas. Conseguiu alguma vantagem, com a diminuição do numero de ciclistas na Volta a Portugal para sete elementos.

SPORTING – TAVIRA

Diretor Desportivo : VIDAL FITAS

Bicicletas – JORBI

Ciclistas Proveniência Especialidade
Joni Brandão Ciclista completo. Chefe de fila da equipa.
Rinaldo Nocentini Ciclista completo e  bom finalizador
Frederico Figueiredo Trepador , consegue ir com os melhores.
Alejandro Marque Excelente rolador, e bom ciclista de equipa.
Fábio Silvestre Uma época em branco e uma incógnita em 2018
David Livramento Ciclista de equipa.
Valter Pereira Ciclista de equipa
Mario Gonzalez Algo inconstante em 2017. Necessita confirmar.
Alvaro Trueba Efapel A melhor contratação da equipa. Excelente équipier.
Nicola Toffali Itália
Alexander Grigoriev MutualLevante Vem rotulado como bom trepador.

Uma equipa forte, mas muito condicionada pelo valor de Joni Brandão. Equipa semelhante à de 2017, mantendo os homens fortes da equipa. Nocentini e Marque são nomes a ter em conta, nos momentos decisivos, e uma alternativa em muitas provas a Joni Brandão, que deverá ser o homem forte para a Volta.

 

Vito-Feirense – BlackJack

Diretor Desportivo : Joaquim Andrade

Bicicletas – ainda não é conhecida a marca oficial.

Ciclistas Proveniência Especialidade
Edgar Pinto Ciclista completo. Chefe de fila da equipa. Bom finalizador em chegadas em alto.
Luis Afonso Ciclista de equipa, para entrar em fugas.
João Matias Bom finalizador, um dos ciclistas que mais tem evoluído na estrada.
Leonel Coutinho Passou um ano como amador na Froiz, mas precisa de motivação.
Ricardo Vale Ciclista de equipa .
Soufiane Haddi Razoável trepador, e ciclista de equipa.
Ciclista de equipa
Hugo Sancho Um dos homens fortes da equipa, em especial na alta montanha.
João Santos Moreira/Feira Primeiro ano como profissional.
Gonçalo Santos  “                  “ Primeiro ano como profissional.
Bernardo Saavedra  “                  “ Primeiro ano como profissional.

Dois regressos que se saudam, o do Feirense e  do ciclismo profissional às Terras de Santa Maria. Uma equipa que alterna a experiência, Pinto, Sancho, Haddi  e Matias com jovens neo-pro, a quem se deve dar tempo para uma adaptação a uma nova experiência na sua carreira.

EFAPEL

Diretor Desportivo : Américo Silva

Bicicletas – Cipollini

Ciclistas Especialidade
Henrique Casimiro O homem forte da equipa trepar .
Daniel Mestre Um dos melhores sprinters do pelotão.
Sérgio Paulinho Acompanha os melhores, mas já não faz a diferença.
Rafael Silva Necessita confirmar como sprinter.
Bruno Silva Bom ciclista de equipa e bom trepador
Jesus del Pino Trepador, foi algo irregular em 2017.
David Arroyo Caja Rural Bom trepador, chega tarde ao ciclismo luso.
Marcos Jurado Burgos-BH Ciclista de equipa
Pedro Paulinho Louletano Algo inconstante em 2017. Bom rolador

Equipa experiente, com Casimiro como o homem mais forte na alta montanha, tem em Sérgio Paulinho sempre uma referência. Daniel Mestre é o grande pendulo da formação de Américo Silva. Alguns ciclistas tardam em confirmar, como Rafael Silva e Del Pino, vencedor nas Beiras, mas depois pouco competitivo. David Arroyo poderá ser uma peça muito importante.

AVILUDO – LOULETANO

Diretor Desportivo : Jorge Piedade

Bicicletas – Jorbi

Ciclistas Especialidade
Vicente de Mateo Ciclista completo e sprinter. Chefe de fila da equipa.
Luis Mendonça Evoluiu em 2017. Bom finalizador.
David de La Fuente Bom trepador. Experiente e ciclista de equipa.
André Evangelista Tem vindo a evoluir. Rolador.
Óscar Hernandez Ciclista de equipa.
Rui Rodrigues Ciclista de equipa
Márcio Barbosa Trofa Trepador. Regresso a profissional, depois de alguns anos de interregno.
Luis Fernandes Sporting Ciclista de equipa.
Nacho Martin FC Porto Pode ter mais oportunidades que em 2017.

Uma equipa que vive à custa de Vicente de Mateo, e que procurou reforçar-se com ciclistas de equipa, capazes de o ampararem nos momentos decisivos da Volta. Não sofreu grandes modificações em relação a 2017.

RADIO POPULAR – BOAVISTA

Diretor Desportivo : José Santos

Bicicletas – Focus

Ciclistas Especialidade
João Benta Trepador um dos chefes de fila da equipa.
Egor Silin Trepador. Necessita confirmar valor em 2018.
Filipe Cardoso Rolador e rápido em pequenos grupos
David Rodrigues Trepador e ciclista de equipa
Luis Gomes Revelou-se em 2017, precisa confirmar em 2018.
Domingos Gonçalves Pode ser chefe de fila se evoluir mais na montanha. Melhor c/relogista nacional, o que pode ser decisivo em algumas provas.
Iuri Trofimov Trepador. Um talento que pode preparar em Portugal, o regresso a nível internacional.
Oscar Pelegri Bom finalizador em pequenos grupos. Rolador

Equipa semelhante em valores à de 2017. Trofimov pode ser uma mais valia,  Domingos Gonçalves a grande alavanca dos axadrezados, e Benta um dos homens fortes do pelotão 2018. A equipa ainda não está completa, falta a entrada de pelo menos mais um ou dois ciclistas.

As equipas sub-25 vêm dar um toque renovador ao ciclismo nacional. Uma aposta que pensamos não foi suficientemente estudada e fundamentada, mas ao cabo e ao resto pode ser uma mais valia, em especial para os grandes organizadores, como a Volta a Portugal, com o condão de ter mais ciclistas portugueses em prova, o que aguça o interesse do público.

Nestas três formações estarão sediados alguns dos mais jovens promissores ciclistas nacionais, e são, portanto equipas a seguir.

Vejamos os seus plantéis:

Mortágua – Miranda

Diretor Desportivo : Pedro Silva

Bicicletas:

Hugo Nunes
Francisco Campos
Jorge Magalhães
Gonçalo Carvalho
António Barbio Efapel
Nuno Meireles Bolívia
Artur Chaves Adrap
Damien Cordeiro Castet (França)
José Sousa Adrap
Pedro Teixeira Maia

É talvez, a equipa mais forte do escalão sub-25, com valores certos, como Francisco Campos, Hugo Nunes, mas sobretudo Jorge Magalhães, numa equipa reforçada com os profissionais Nuno Meireles e António Barbio, dando uma maior força à equipa comandada por Pedro Silva, que conseguiu levar o ciclismo para o interior do país, o que poderemos considerar um feito assinalável.

LA Alumínios

Diretor Desportivo : José Barros

Bicicletas – Scott

Ciclistas Proveniência Especialidade
Nuno Almeida Louletano É o nome mais sonante da equipa. Bom rolador.
Fábio Mansilhas Mortágua
Paulo Silva Sicasal
Pierre Tartié Maia
Paulo Silva Sicasal
Fabio Oliveira Moreira-SJ.Ver
David Ribeiro Liberty Seguros
Rafael Apolinário Sicasal
Gonçalo Leaça Sicasal
João Fernandes Maia

Ter como meta uma equipa 100% portuguesa, por vezes tem esta dificuldade de encontrar ciclistas competitivos, para correr ao mais alto nível em Portugal. Nuno Almeida é o chefe de fila de uma equipa com demasiada juventude e pouca experiência.

Liberty Seguros – Carglass

Diretor Desportivo : Manuel Correia

Bicicletas

Ciclistas Proveniência Especialidade
André Crispim
César Martingil
Gaspar Gonçalves
Rafael Lourenco
Venceslau Fernandes
Filipe Rocha
André Carvalho Cipollini
João Dinis RP-Boavista
João Carvalho RP-Boavista

Faltam ainda mais quatro ciclistas para juntar à lista já existente. É considerada uma das  melhores equipas de formação do escalão sub-23, elogio que divide com a equipa do Mortágua, e de onde têm saído alguns jovens promissores. André Carvalho afigura-se como a maior referência da equipa, onde avulta César Martingil, um dos homens mais rápidos do pelotão nacional. Uma equipa 100% sub-23, e a que mais se enquadra nos objetivos norteadores da FPC .

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *