Mundial de elites: são tantos os favoritos como os ausentes

Terá Rui Costa possibilidades de discutir o primeiro lugar do pódio do Mundial de Estrada de amanhã, em Bergen ?

Uma resposta linear apronta-se como uma tarefa difícil, mas não impossível, talvez mais difícil, agora, do que quando obteve o seu título em 2013. E mais difícil , em especial porque os seus adversários já estão de atalaia, e com um olho bem direcionado, se o poveiro se apresentar , na ultima volta, integrando aquele que será o reduzido grupo que irá discutir o triunfo.

O itinerário até nem é mau para os  “classicomanos”, ou ciclistas com características para provas de um dia, como o caso de Rui Costa que, terá confidenciado aos seus colegas de treino, em Portugal, que iria correr para ganhar.

Mas se Rui Costa parece ser o chefe de fila da equipa nacional, outros ciclistas poderão ter uma palavra a dizer, muito em especial Nelson Oliveira, moralizado com o excelente quarto lugar do C/RI e Tiago  Machado, que se encontra mais folgado, ao não correr o C/R.

Mas para além dos portugueses, outros nomes são, sem duvida bem mais favoritos, a começar por Peter Sagan, que não se encontra no seu melhor, Van Avermaet, Kwiatkowski, Julian Alaphilippe, Boasan Hagen, Tim Wellens, Fernando Gaviria, Michael Mattews serão os nomes de proa de um Mundial que parte orfão de Greipel, Kittel, Cavendish, Froome, Degenkolb, Nibali, Aru, mas tem a presença de Quintana, o que se saúda.

Já falta pouco, para o tri de Sagan, ou para um novo campeão ?