Chantal Blaak deu força à supremacia holandesa

cantal

A Holanda é forte no ciclismo feminino e, hoje, mais uma vez isso ficou provado, quando Chantal Blaak juntou o título de campeão nacional ao de campeã do mundo.

Competitivo, com um percurso longo de 155 kms, o mais longo na história do ciclismo feminino, e uma Holanda muito forte, surgindo, num grupo de sete ciclistas, com três ciclistas em condições de poder ganhar a prova arco íris. Não foram as mais fortes, Anna Van Der Breggen ou d’Annemiek Van Vleuten a beneficiar do factor surpresa. Chantal antecipou-se e teve luz verde para avançar dos seus adversários, que pensaram que eram capazes de neutralizar a , na teoria, mais fraca das três holandesas.

Niewiadoma foi a mais forte na parte final do Mundial.
Niewiadoma foi a mais forte na parte final do Mundial.

Mas, nem o facto da polaca , Katarzyna Niewiadoma ter tentado tudo por tudo para neutralizar, foi suficiente para neutralizar , aquela que é, agora a nova campeão do mundo. No resto, a polaca demonstrou ter sido a mais valente e, talvez a mais forte do grupo, mas sem colaboração era impossível fazer melhor.

Classificação:

1 4h06’30”
2 à 0’28”
3 m.t.
4 m.t.
5 m.t.
6 m.t.
7 m.t.
8 m.t.
9 m.t.
10 m.t.