‘Diário da Volta’ – 6ª Etapa

jooo

 

 

Na 8ª edição do ‘Diário da Volta’ trazemos a análise à 6ª etapa da Volta. A tirada do dia ligou Braga a Fafe numa extensão de 182,7km. Como já tínhamos referido ontem na antevisão a etapa foi bastante dura e que contou com três Metas Volante e quatro Contagens de Montanha. O vencedor do dia foi Rui Sousa da Rádio Popular – Boavista, ele que teve uma vitória bastante emotiva nesta tirada. Atrás dele quedaram-se Vicente García de Mateos em 2º lugar e Rinaldo Nocentini na terceira posição.
Hoje tivemos a melhor etapa desta 79ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta. Cedo a corrida se tornou bastante atrativa, visto que desde o quilómetro 25 uma fuga numerosa esteve na frente. O W52 – F.C. Porto tinha na frente Ricardo Mestre e ainda o 9º classificado da geral, António Carvalho; a Rádio Popular – Boavista tinha também Rui Sousa na fuga e ainda pontificava na fuga o extremamente combativo Mikel Bizkarra da Euskadi Basque Country – Murias, além de outros nomes que ao todo eram 13 na frente.

Na subida para o Bom Jesus, o grupo partia-se em dois, no entanto os ciclistas mais cotados ficaram na frente. Após a Meta Volante de Póvoa de Lanhoso o grupo volta a juntar-se mas agora são já 16 na frente. A fuga foi perdendo a vantagem até à aproximação do Alto do Viso, onde já só se encontravam seis ciclistas escapados na frente.

Entretanto o camisola amarela no Alto do Viso decide atacar e com isso conseguiu deixar alguns favoritos à vitória para trás, Alejandro Marque cedeu , bem como o camisola da juventude Krists Neilands; Gustavo Veloso, Henrique Casimiro e Sérgio Paulinho ficaram para trás mas conseguiram colar no grupo da frente outra vez.

Na frente ficava então um grupo com doze unidades para atacar a contagem de montanha no Salto da Pedra Sentada, onde Rui Sousa atacou , ataque  esse que o guiou à vitória. Rui Sousa foi-se mantendo na frente, com a W52 – F.C. Porto atrás na perseguição e também com a intenção de deixar Alejandro Marque o mais atrasado possível nas contas da classificação geral. Mikel Bizkarra, já na entrada dos 2km finais, atacou no grupo dos favoritos e quase que alcançava Rui Sousa e isso levou ao resto dos favoritos irem no seu encalço, visto que já estávamos no final da tirada e todos queriam ganhar a etapa. No entanto, só o vasco foi apanhado, Rui Sousa ganhara com quatro segundos de vantagem em relação aos outros favoritos.

Como já foi referido, a etapa foi bastante agradável e que contou com uma nova equipa a ganhar na 79ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta. A Rádio Popular – Boavista e Rui Sousa fizeram de tudo para levar de vencida esta tirada e desde cedo mostraram para o que vinham no dia de hoje. Filipe Cardoso foi uma peça fundamental na sensacional vitória de Rui Sousa, ele que o ajudou até onde pode na fuga do dia. Rui Sousa quando foi alcançado pelo grupo dos favoritos não se conformou e mostrou que a idade é só um número e deu uma belíssima demonstração de querer e força. Outro ponto que convém referir foi que na chegada todos os ciclistas que vinham no grupo dos favoritos mostraram o carinho que nutrem por Rui Sousa ao calorosamente felicitarem-no por esta vitória.

Convém também referir que amanhã Rui Sousa dará uma conferência de imprensa onde falará sobre o seu futuro. Hoje a equipa da W52 – F.C. Porto mostrou também que é a equipa mais forte da Volta. Conseguiu ter, mais uma vez, ciclistas na frente e a puxar no grupo e ainda manter a liderança com o espanhol Raúl Alarcón. O único dos favoritos a perder tempo foi mesmo Alejandro Marque, ele que perdeu mais de um minuto na tirada de hoje e que a partir de agora poderá ser o braço direito de Rinaldo Nocentini na sua demanda. Hoje as equipas estrangeiras tiveram um dia bastante difícil, Mikel Bizkarra foi o primeiro das equipas estrangeiras em 11º lugar; Simone Ravanelli, que vinha na fuga do dia, da Unieuro Trevigiani – Hemus 1896 quedou-se em 17º; a fechar o top-20 quedou-se Krists Neilands, o líder da camisola branca.

Para já, esta foi a melhor etapa da Volta. Uma etapa bastante movimentada, com situações de corrida bastante diferentes das que se haviam dado até agora e com uma vitória final de etapa bastante emotiva. Amanhã temos o dia de descanso, um dia que os ciclistas bem necessitam, visto que os últimos dias têm sido bastante duros, mas os dias que aí vêm serão igualmente difíceis ou ainda mais difíceis. Aguardamos também com expectativa o que dirá amanhã Rui Sousa na sua conferência de imprensa, visto que será algo bastante importante em relação ao seu futuro.

Tiago Ferreira