‘Diário da Volta’ – 3ª Etapa

Na 5ª edição do ‘Diário da Volta’ vamos analisar a 3ª etapa em linha da 79ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta. Hoje tínhamos uma tirada entre Figueira de Castelo Rodrigo e Bragança numa extensão de 162,7km. Como já tinha sido referido na antevisão da etapa, a etapa contava com duas Metas Volante e ainda três Contagens de Montanha, a última delas a uns longínquos 74km da meta. O vencedor do dia foi o francês da Armée de Terre, Bryan Alaphilippe, irmão mais novo do sobejamente conhecido ciclista francês Julian Alaphilippe. O francês bateu ao sprint o campeão letão da Israel Cycling Team, Krists Neilands. Em terceiro lugar ficou Daniel Mestre da Efapel.

A etapa desenrolou-se a um elevado ritmo o que levou a que todas as tentativas de fuga fossem sempre alcançadas, até chegar a uma fuga definitiva que só foi formada já numa fase bastante adiantada da etapa.

A primeira tentativa de fuga continha 16 ciclistas, entre eles Rui Vinhas, o vencedor do ano passado; Domingos Gonçalves, que aproveitou para ganhar uns segundinhos na classificação geral ganhando um sprint intermédio; João Matias que se iria tornar o novo camisola azul, depois de passar em primeiro nas duas primeiras contagens de montanha; o anterior líder da montanha que se está a mostrar muito combativo, Roy Goldstein; o ciclista que se tornaria o mais combativo da jornada, Mikel Bizkarra e ainda Damien Gaudin, primeiro camisola amarela e o seu companheiro Stéphane Poulhiès que havia sido terceiro na etapa de ontem.

Esta fuga na sua composição inicial não durou muito, visto que na aproximação da primeira contagem de montanha, já haviam sido absorvidos pelo pelotão 5 ciclistas, acabando por ser anulada já numa altura em  que se subia a Serra de Bornes, um alto de 2ª categoria.

Na Serra de Bornes existiram vários ataques e durante esses ataques acabou por se formar a fuga do dia onde pontificavam: Guy Sagiv (Israel Cycling Team), Antonio Di Sante (GM Europa Ovini) e ainda Mikel Bizkarra (Euskadi Basque Country – Murias). A fuga nunca conseguiu ganhar mais de dois minutos de vantagem e a 11km da frente já tinham sido absorvidos dois ciclistas, mantendo-se só Bizkarra na frente, ele que só seria alcançado à entrada dos últimos 3km para a meta. Na preparação para o sprint e já no último quilómetro, João Benta tentou surpreender tudo e todos, no entanto a sua intenção não foi conseguida e a etapa acabou mesmo ao sprint. Bryan Alaphilippe mostrou a sua superioridade e ganhou a etapa com uma certa autoridade, depois de um excelente trabalho efetuado por Damien Gaudin no seu lançamento.

Hoje tivemos bastantes surpresas no top-10 da etapa. A começar pelo vencedor, Bryan Alaphilippe, que parece querer seguir as passadas do seu irmão, surpreendeu o pelotão e levou de vencida a tirada. Krists Neilands, outra enorme surpresa, também mostrou que a equipa muito combativa da Israel Cycling Team consegue fazer bons resultados nas etapas ao sprint. Como já tínhamos avançado ontem, Marco Tizza e Fabian Lienhard também se imiscuíram na luta pela vitória nesta tirada. A equipa da W52 – F.C. Porto conseguiu mais uma vez meter três ciclistas no top-10 da etapa. Daniel Mestre e Vicente García de Mateos continuam a bater na trave e ainda não se conseguiram estrear a vencer nesta 79ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta. Quem continua a desiludir é o sprinter holandês Johim Ariesen que não tem conseguido mostrar a sua boa ponta final nesta Volta a Portugal. Raúl Alarcón conseguiu facilmente conservar por uma dia mais a sua liderança na corrida.

Tiago Ferreira

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *