‘Diário da Volta’ – 1ª Etapa

 

Na terceira edição deste diário vamos ver como se desenrolou a primeira etapa em linha da 79ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta.

A tirada era composta por três Metas Volantes no Cartaxo, em Almeirim e ainda a última em Palmela, e ainda  três contagens de montanha: uma de 4ª Categoria em Santarém e duas de 3ª Categoria a fechar a jornada no Alto das Necessidades e ainda no Alto da Arrábida, e terminou com o triunfo de Raúl Alarcón, ciclista da W52 – F.C. Porto.
A etapa teve várias fases, na primeira fase existiram sete ciclistas escapados (Roy Goldstein, Alexis Cartier, Hélder Ferreira, Tijmen Eising, Patrick Jäger, Gotzon Udondod e Adne van Engelen). Entretanto, o pelotão partiu a meio e a fuga foi alcançada pouco depois da segunda Meta Volante do dia. Pouco depois, dá-se a união do pelotão e rodou-se em pelotão compacto até que Alexis Cartier (repetente da 1ª fuga) e Pello Olaberria saltam do pelotão. Essa fuga viria a ser anulada uns quilómetros mais à frente.

Gotzon Udondo volta a escapar e rapidamente ganha bastante vantagem.  Formou-se um grupo perseguidor atrás de Udondo composto por Pello Olaberria, Roman Villalobos, Rui Rodrigues, Roy Goldstein, Alexis Cartier, Sebastian Baldauf e ainda Jasper Hamelink. Esta iniciativa acabou já na aproximação ao Alto das Necessidades quando o pelotão já rodava a alta rotação. O pelotão foi-se selecionando até ao Alto da Arrábida, onde o camisola amarela descolou mas voltou a reentrar na parte traseira do pelotão. Durante a descida Raúl Alarcón isolou-se  durante a descida, ainda houve uma grande aproximação ao ciclista espanhol, porém não houve coordenação no grupo perseguidor e o espanhol alcançou mais uma vitória neste ano. No grupo perseguidor quem venceu o sprint foi Amaro Antunes da W52 – F.C. Porto e em terceiro ficou David de la Fuente da Louletanto – Hospital de Loulé. Na tirada de hoje houveram as primeiras desistências, três para ser mais preciso: Óscar Hernandez, Gian Friesecke e Timo Schäfer.

Se ontem consideramos a W52 – F.C. Porto como a desilusão da tirada, hoje foram  os grandes vencedores . Além da dobradinha ainda conseguiram meter Gustavo Veloso no top-10. Louletanto – Hospital de Loulé e Sporting – Tavira colocaram ambas dois homens no top-10 da etapa; Efapel e LA Alumínios Metalusa – BlackJack colocaram um ciclista no top-10. A única equipa nacional a não ter nenhum ciclista no top-10 foi a Rádio Popular – Boavista que se quedou com o 11º e o 12º lugares na tirada.

A única equipa estrangeira a conseguir colocar um homem no top-10 da etapa foi a Kuwait – Cartucho.es, a sua grande figura Davide Rebellin.
Na nossa ótica hoje não houve nenhuma desilusão, bem pelo contrário. A etapa foi corrida a uma grande velocidade e produziu um resultado final bastante interessante, visto que chegou um grupo bastante reduzido ao final e onde todos os favoritos à vitória final estiveram bem e demonstraram força nesta que foi a primeira tirada em linha. É este tipo de etapas muito movimentadas que fazem com que seja agradável assistir ao espetáculo que é o ciclismo.

Tiago Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *