14 Horas a Pedalar em Pombal “Pedalar por uma causa”

 

Carlos Vieira ao centro ladeado pno seu lado esquerdo por Armando Vieira, da organização do evento e José Morais, colaborador de Jornal Ciclismo.
Carlos Vieira ao centro ladeado no seu lado esquerdo por Armando Vieira, da organização do evento e José Morais, colaborador de Jornal Ciclismo.

Pombal, recebeu este fim-de-semana a 16ª edição das “14 Horas a Pedalar”, este ano sobe o lema, “Pedalar por uma causa”, um evento solidário, onde os valores apurados serão doados às vítimas de Pedrogão, no trágico incendio, que vitimou muitas pessoas.

Fazendo parte do calendário oficial da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), a organização esteve a cargo do Clube de Cicloturismo de Pombal, contou com o apoio da Câmara Municipal de Pombal, e muitos comércio e empresas locais.

Com um perímetro fechado de 400 metros na Rotunda do Bombeiro, bem cedo começaram a chegar os participantes, que totalizaram 381, as equipas foram montado os seus standes, preparando tudo, para que pelas 22 horas, início das pedaladas tudo estivesse a postos.

Pela hora marcada, todos estavam a postos para iniciar mais uma longa maratona, pela frente havia 14 horas, e o circuito tinha de manter sempre elementos de cada equipa a pedalar, indo-se reversando uns aos outros. Antes de ser dado o sinal de partida foi relembrado a iniciativa deste ano, sendo feito um minuto de silêncio a todos que perderam a vida.

Os participantes deram assim a primeira volta pelo circuito, ao mesmo tempo que quem assistia podia ver uma demostração de ginastas acrobática pela AcroPombal, saído depois do mesmo os ciclistas, percorreram a cidade apresentando assim mais uma edição das 14 horas. De regresso ao circuito, foi tempo de pedalar, pedalar, pedalar, durante 14 horas, e enquanto uns iam pedalando, outros nos standes conviviam, petiscavam, e conviviam, podíamos ver muitas iguarias trazidas pelos participantes que iam consumindo, trocavam entre eles, e compartilhavam com outros participantes.

passeio

Pelas zero horas, iniciava-se a animação com as concertinas animando o evento, e percorrem os standes, com a venda de rifas do tradicional sorteio do presunto, o qual saiu ao Cantinho do Avô, após a visita a todos os espaços das equipas participantes, pelas 2 horas da manhã era servido o tradicional caldo verde.

E as pedaladas lá foram decorrendo noite dentro, e pelas 9 horas da manhã foi tempo de restabelecer forças, com um energético oferecido a todos os participantes pela FullProtein-Derovo.

Pelas 10,30 tudo apostos para o passeio domingueiro, antes disso, desfile de bicicletas antigas para concurso, depois, novamente um passeio pela cidade, mostrando assim a todos o longo pelotão, e com o regresso ao circuito, onde até às 12 horas se pedalou, enquanto se fazia mais um sorteio com oferta de lembranças oferecidas pelos patrocinadores.

Seguiu-se a entrega de lembranças, em primeiro, Carlos Vieira que foi galardoado pela sua dedicação e seus feitos com a bicicletas, o bombeiro ciclista como é conhecido, ele que este ano pedalou pela causa. Carlos Vieira, um grande ciclista, com vários recordes no seu palmarés, e com a entrada no Record Mundial de Resistência em Bicicleta (Guinness Book of Records) 191 horas “Non Stop” no antigo Estádio Dr. Magalhães Pessoa em Leiria – Portugal, de 08 a 16 de Junho de 1983, já fez por três vezes a ligação entre o Vaticano e Fátima, que coincidindo com as visitas dos Papas, a última este ano.

O Clube de Cicloturismo de Pombal convidou para participar, ele aceitou, fez as 14 horas, apenas algumas pequenas paragens para fazer as suas necessidades fisiológicas, e comer algumas coisa, e depois pedalar, pedalar, fazendo 231 quilómetros.

Prémio bicicletas originais.
Prémio bicicletas originais.

Seguiu-se a entrega da pasteleira mais original, ainda a bicicleta mais original, foram entregues lembranças a algumas individualidades, e reminou-se com a entrega das lembranças a todos os participantes, e entrega de rosas a todas as participantes femininas, que juntou cerca de uma centena.

Quase em final de reportagem, o nosso primeiro entrevistado foi Carlos Vieira, o qual no final das 14 horas se sentia feliz por mais um feito par ajuntar aos muito que possui, e dizia; “Foram apenas 14 horas, pedalei sem dúvida por uma causa, quando me convidaram aceitei logo, não podia deixar passar em branco esta iniciativa.

Foi toda a noite a pedalar, apenas tenho a referir o muito frio que se fez ao longo da noite, para mim foi o pior, mas superei, terminei, estou feliz, e apenas quero agradecer a esta magnifica organização pelo seu trabalho, e pelo apoio dado, só tenho de dizer obrigado”.

Outros dos entrevistados e já no final do evento era Armando Vieira, presidentes do Clube Cicloturismo de Pombal que dizia; “Chegamos ao final de mais uma grande maratona, felizmente correu tudo bem, foi uma edição muito positiva, foi a festa da bicicleta.

passeio2

Este é um evento diferente, onde são formadas equipas para virem participar, muitos vão buscar a bicicleta á prateleira que está lá durante o ano, e veem para aqui conviver, vem pedalar, o circuito é bom, e este é um evento único, que agrada a todos.

Esta edição terminou, esperamos em 2018 voltar a fazer mais umas 14 horas, e quero aqui agradecer a todos o apoio, fazendo votos de que todos regressem bem a casa, e cá os esperamos na próxima edição”.

O postal das 14 Horas…

Foram mais umas “14 Horas a Pedalar”, este por uma causa nobre, com os participantes a aderirem à iniciativa. Contamos com uma excelente organização, e queremos deixar aqui os nossos agradecimentos, pela maneira como nos receberam, e pelas condições de trabalho que nos proporcionaram, desde as 19 horas de sábado, até cerca das 16 de domingo, horas que nos despedimos.

O tempo, esteve excelente, apesar da noite fria, o domingo acordou com muito sol, sem vento, da parte dos participantes, esses os heróis das pedaladas resistiram até ao fim, é certo de que muito mostravam muito cansaço, para nas suas caras a expressão era de alegria, satisfação, e mantinham o sorriso nos lábios, o que demostra a satisfação de todos.

Da nossa parte, tentamos também resistir, até cerca das 3 horas da manhã, depois demos um pouco de descanso há máquina, paramos cerca de 3 horas, para bem cedo retomarmos, e podermos apresentar todos os melhores momentos.

Pouco mais para dizer, esperando em 2018 repetir esta iniciativa, até lá ficam os votos de bons passeio, boas pedaladas, com mais um voto de parabéns á organização.

Texto e fotos: José Morais