J.Agostinho: dia de loucos e de sprinters – Daniel mestre o melhor em torres vedras

Duas etapas dois vencedores, ambos com as mesmas características, ou seja dois homens rápidos triunfaram hoje, no Prémio Joaquim Agostinho. De manhã foi Yannis Yssaad, que bisou e de tarde foi Daniel Mestre a levar a melhor sobre outro ciclista francês.

manhã

De manhã, na ligação da Atouguia da Baleia, já um clássica neste Grande Prémio, e a chegada ao Vimeiro distavam 75 kms, sem dificuldades, apesar da chuva miudinha que tornava o piso escorregadio e perigoso. Uma fuga de dois homens, Bravo ( Euskadi) e Igor Merino ( Burgos) parecia que ia dar frutos. Os fugitivos tiveram mais de dois minutos de avanço, mas a dez km da meta a diferença reduziu para metade. De Lourinhã à meta, o pelotão voou, com os homens da Efapel a notabilizarem-se na frente do pelotão. Mas seriam os homens da Armée  de Terre a assumir a liderança e a entrada para os últimos 500 metros, pomposamente premiados com uma contagem do PM. Melhor seria que os tempos fossem contados nos últimos três ou mil metros finais, primeiro para evitar possibilidades de quedas, segundo para acabar com as espertezas de alguns ciclistas pouco éticos. José Neves perdia cerca de 10 segundos, por um corte matreiro de um ciclista useiro e vezeiro a cavar fossos no pelotão.

Yannis Yssaad venceria totalmente à vontade, sem oposição direta de nenhum adversário, tal foi a sua supremacia.

De tarde, o circuito de Torres Vedras (111 kms) prometia. Cinco voltas a um percurso duro, com 30 kms de aquecimento, percorridos em torno de algumas freguesias de Torres Vedras.  Ataques foram muitos, e os mais vistosos foram proporcionados pelos homens da RP-Boavista, primeiro foi João Benta e David Rodrigues acompanhados por mais alguns ciclistas, entre eles Frederico Figueiredo que não passou pela frente,  a protagonizarem uma apertada perseguição da W52-FCP, e já na entrada das duas ultimas voltas foi Egor Silin ( RP-Boavista)a resistir até dois kms da linha de chegada, depois de ter sido acompanhado na fuga por António Barbio ( Efapel) e um homem da Caja Rural.

Na entrada para a ultima subida do circuito, na Serra da Vila, Silin ainda seguia na frente, sendo alcançado a meio da subida, com os homens da W52 a imporem um forte ritmo, que acabaria com as veleidades de José Neves que perdeu o contato com o pelotão e assim terminou, na chegada à meta. No sprint, só foi possível descartar o vencedor através da photo finish, com o triunfo a pender para Daniel Mestre em compita direta com Jimmi Ribaud ( Armée de Terre). No final, Amaro Antunes pegava na amarela enquanto José Neves baixava ao quinto lugar.

Classificação:

3ª etapa – 2º setor :[embeddoc url=”http://jornalciclismo.com/wp-content/uploads/2017/07/etapa-tarde.pdf”]