a paixão e o conhecimento, dos repórteres da RTP estão muitos furos acima do que que a TVI24 nos mostrou

A Volta ao Algarve deu, este ano, um salto qualitativo, quer em termos mediáticos, em meios estruturais, quer ainda pela qualidade e quantidade das equipas presentes.

A organização da prova é cara, aproximar-se-á dos 400 mil euros, 150 mil dos quais destinados à transmissão televisiva, com os custos policiais a ” comerem” uma parte significativa dos custos da prova.

Em termos mediáticos, o salto qualitativo foi dado pela transmissão televisiva, que suplanta, muito naturalmente as deficientes reportagens dos outros meios de comunicação social, para quem o ciclismo, não é encarado com respeito, nem com o espaço que o publico justifica no terreno. Poucos eventos desportivos, em Portugal, tem tanto publico como o ciclismo. Pinto da Costa, o presidente do FC Porto já se apercebeu , e por via disso aparece com regularidade. Mesmo assim, a Imprensa escrita não traduz, no espaço que dedica à modalidade, a sua real importância.

A resposta, porém, é dada na estrada, com banhos de multidão, que a televisão ajudou a aumentar. Uma televisão que esteve presente mas que, na hora da verdade, está longe das transmissões da RTP, não das transmissões, as imagens não falam. Na verdade, a paixão e o conhecimento, dos repórteres da televisão pública estão muitos furos acima do que que a TVI24 nos mostrou.

Mas se a quantidade e qualidade das equipas presentes não merece contestação, já os chamados pesos pesados internacionais, este ano decidiram-se por outras paragens. Nomes grandes nem um, daqueles que estamos habituados a ver no Giro ou no Tour, nas altas montanhas. Os sprinters estiveram cá todos, é verdade, mas os grandes duelos são mais intensos, nos percursos montanhosos.

Uma Volta ao Algarve que teve o condão, de proporcionar uma aproximação do ciclismo nacional ao internacional, demonstrando que, afinal, em Portugal, também haverá espaço para que alguns ciclistas possam sonhar em representar a seleção nacional, não por favor, mas por direito próprio.

Uma Volta ao Algarve que vai de encontro aos desejos das grandes equipas, que soube programar com tempo o seu percurso e que sempre soube motivar a presença das grandes equipas, não sendo por acaso,  que nunca se ouviu nenhum grande nome, nenhuma equipa dizer mal da prova algarvia.

Ano após ano, a prova tem melhorado, e isso é sempre bem visto por quem nos visita . Segue-se a Volta ao Alentejo, cuja fisionamia estaria mais de acordo para este pelotão, ou pelo menos para os grandes sprinters que cá estiveram, pois todas as etapas serão decididas ao sprint.

 

4 comentários a “a paixão e o conhecimento, dos repórteres da RTP estão muitos furos acima do que que a TVI24 nos mostrou”

  1. Mais vale dois comentadores sérios com pouco conhecimento do que duas raposas velhas sempre com segundas intenções.

  2. Eu percebo este artigo, os repórteres, os do terreno tinham um conhecimento muito básico da modalidade, sendo que houve uma pergunta em especial que me fez soltar um grande gargalhada, quando o entrevistador da TVI perguntou ao Greipel, e agora amanha que tenciona fazer?…esse amanha era a subida ao malhao….De todas as formas gostei do entusiasmo dos dois comentadores, até podem não ser os mais cultos do ciclismo, mas notou-se que o estavam a fazer com grande entusiasmo..daí só concordar parcialmente com o seu artigo. Bom trabalho!

  3. “A PAIXÃO E O CONHECIMENTO, DOS REPÓRTERES DA RTP ESTÃO MUITOS FUROS ACIMA DO QUE QUE A TVI24 NOS MOSTROU” sei que este meu comentário vai ser ignorado mesmo assim … Caro senhor “Jornalista” julgo que será importante escolher melhor as palavras antes de as publicar neste jornal. São comentários como estes “…REPÓRTERES DA RTP ESTÃO MUITOS FUROS ACIMA DO QUE QUE A TVI24 NOS MOSTROU” que não favorecem em nada a captação dos media para “nossa” modalidade. Todos os comentários são válidos e todos os comentadores são bem vindos a partir do momento que mostram interesse pela modalidade que estão a comentar. Estamos aqui todos para aprender e não para afastar aqueles que podem vir a ter uma posição importante na “nossa” modalidade. Apenas uma opinião .
    Obrigado

Os comentários estão fechados.