2º Passeio Respeite o Ciclista – Uma pedalada de sensibilização na segurança do ciclista

ciclo2

Quem nunca ouviu falar de Manuel Maria de Barbosa “Bocage”, nasceu a 15 de Setembro de 1765, e faleceu em Lisboa a 21 de Dezembro de 1805, foi um poeta português, e possivelmente, o maior representante do arcadismo lusitano, considerado como um dos nossos melhores poetas portugueses, e depois de Camões o mais popular e celebrado de todos.

Natural de Setúbal, uma terra antiga, ocupada humanamente desde a Pré-História, nomeadamente desde o Neolítico, começando a crescer com a entrada dos Romanos, os quais que se apoderaram de um importante entreposto comercial animado pelos povos do Mediterrâneo, a cidade romana foi um importante núcleo urbano e industrial, ligado à salga de peixe, após as invasões bárbaras e durante a ocupação Árabe, Setúbal entrou num processo de decadência porque os árabes optaram por outros locais mais férteis e resguardados, como Palmela, Alcácer e Azeitão, mas a reconquista de Palmela e a presença da Ordem de Santiago, originou o repovoamento de Setúbal, e apesar de ter foral desde 1249, apenas no século XIV, viu o termo limitado por uma cintura de muralhas, banhada pelo rio Sado, elevada a cidade em 1860, com a inauguração da via-férrea Barreiro-Setúbal em 1861, em 1926 foi elevada a capital de Distrito, atualmente um grande polo industrial do nosso país.

ciclo

E foi por este distrito, que este primeiro domingo 3 julho, fomos acompanhar as pedaladas do “2º Passeio Respeite o Ciclista”, numa organização da Goper Sports, um evento do calendário oficial da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB).

A concentração foi marcada para as 8 horas no Largo José Afonso em Setúbal, para uma extensão aproximadamente de 55 quilómetros, percorridos pelo distrito. Ao local bem cedo começaram a chegar os participantes, que confirmaram as inscrições, e faziam os últimos preparativos às suas máquinas, pelas 9,15 era dada a partida ao pelotão, cerca de uma centena de participantes, de destaque para uma participação feminina bastante grande, compostas por mais de 10% do participantes, o que é sem dúvida de louvar.

O postal ilustrado:

Setúbal possui sem dúvida muita história, ao mesmo tempo está rodeada de belas paisagens, e foram por estes locais que pedalamos, num trajeto de dificuldade baixa, acessível a todos, num dia que o sol aqueceu, propício a um bom banho na praia, mas tocada por uma boa peladas, numa iniciativa que se tentou para a sensibilização dos automobilistas, em relação ao ciclista, onde se pedia respeito pelo mesmo.

ciclo1

Durante o passeio que foi muito animado, e onde o pelotão rolou quase sempre compacto, temos de salientar a animação que os elementos femininos deram ao mesmo, num passeio onde as mesmas se destacaram, e demostraram que Setúbal e arredores tem muitas mulheres a andar de bicicletas, são ciclistas assíduas nos passeios, sejam eles de estrada ou de btt, o que vem sem dúvida valorizar o cicloturismo, e demostrar que afinal não é apenas uma modalidade totalmente masculina, mas também feminina, onde cada vez mais a mulher está inserida dando assim nas vistas.

Quase em final de reportagem, ouvimos Mário Pereira, responsável pela Goper Sports, que fazia um balanço do evento ao dizer: “O passeio correu bem, conseguimos manter o grupo sempre unido e em convívio, conseguiu-se o objetivo que era sensibilizar as pessoas para os ciclistas na estrada, e os ciclistas também para o comportamento que tem de ter, e as pessoas divertirem-se”.

Sobre a participação um pouco menos da edição anterior, mas na participação feminina, aumentou, ao qual Mário Pereira dizia; “Nós temos um grupo feminino na Goper Sports atualmente com cerca de 25 elementos, e tem estado a crescer de mês para mês, o que é muito positivo”.

Sobre a procura da bicicleta confessa que atualmente está a estagnar um pouco, mas a crise assim o origina, porem ao contrário de alguns anos, os praticantes de btt estão a diminuir um pouco, e a estrada a aumentar, as pessoas começaram a achar que e mais pratico a estrada, a bicicleta não necessita de ser tantas vezes limpa, menos manutenção e desgaste de material, conseguindo andar mais em grupo em estrada, mais descontraídos e mais convívio na estrada, do que no btt.

A finalizar Mário Pereira deixava a sua mensagem; “ Aos que estiveram aqui presentes, o meu muito obrigado por terem estado connosco nesta iniciativa, e para futuros participantes, que apareçam, vamos tentar sempre evoluir e fazer mais e melhor”.

E foi sem dúvida um belo passeio, por uma zona que recomendamos dar umas boas pedaladas, num evento que contou ainda com a participação do ciclista Paulo Martins, e que teve o acompanhamento da Brigada de Trânsito da PSP e GNR, que fizeram um excelente trabalho, dando assim segurança a todos que pedalaram.

Da nossa parte pouco mais para dizer, apenas desejar os votos de bons passeios, boas pedaladas.

Texto e fotos: José Morais