Tour: mudam os relógios, mas a hora é a mesma

A Tissot, uma das mais reconhecidas marcas mundiais de relógios, será o novo cronometrador oficial do Tour, tomando de “assalto” o lugar da Festina, que detinha esse estatuto desde 1992.

Ao associar-se à Tissot, a ASO pretendeu uma maior exposição do produto Tour, partindo do principio que a marca de relógios suíça tem representações em 160 países e um volume de negócios superior a um bilião de euros, tudo trunfos que a rival Festina não detinha.

Na base do negócio estará a divulgação do Tour , com a Tissot a lançar dois relógios com a sigla da prova, a ser comercializado no próximo Tour, e naturalmente uma contrapartida bastante satisfatória para a organização.

A Tissot não fará parte do chamado grupo VIP da prova, que aglutina a Credit Lyonnais, Carrefour, Skoda e Nestlé que  desembolsam verbas que vão dos 3,5 milhões de euros, os mais modestos e os sete milhões de euros, como o dono da camisola amarela. Mas o esforço financeiro da Tissot também não está englobado no segundo patamar, os chamadas parceiros oficias ( 1,5 milhões cada), sendo um pouco superior.

A Tissot esteve já ligada ao Tour de 1988 a 1992 e é atualmente o relógio oficial dos Campeonatos do Mundo de ciclismo.