Calendário para 2016 mais pobre que o deste ano

O pré calendário elaborado pela FPC para a época de 2016 já está praticamente delineado, notando-se, uma quebra em relação ao número de provas e dias de corrida, da temporada agora finda.

O problema poderá agudizar-se, caso as provas nele previstas não se venham a realizar.

Uma das principais novidades poderá ser a realização do Prémio Cova da Beira, numa duração de três dias que surge no pré calendário em duas datas possíveis ( 22 a 24 de abril ou 13 a 15 de maio), prova incluída como 2.1, do calendário UCI. Uma outra novidade poderá passar pela promoção do Prémio Joaquim Agostinho a 2.1, segundo intenções do seu organizador.

Como provas internacionais já confirmadas surge a Volta ao Algarve ( 2.1) de 17 a 21 de fevereiro, e a Volta ao Alentejo ( 2.2 ) de 22 a 26 de março.

As provas internacionais nacionais, inscritas no calendário da UCI, poderão ser o primeiro teste, à depauperada inferioridade com que as equipas portuguesas irão defrontar as suas congéneres internacionais. A pergunta coloca-se de forma pertinente: sendo Portugal um país que se pretende percussor , em termos de eliminação progressiva dos ciclistas com mais de 28 anos de idade, será que as equipas que vêm competir no nosso país, terão quotas de idade, como as nacionais irão ter em 2016 ?
A pergunta coloca-se, pois se já era difícil às formações nacionais rivalizarem com as grandes equipas do World Tour, será que o Algarve e as restantes provas nacionais terão as mesmas quotas da Volta a Portugal, no que se refere à idades dos ciclistas? Esta é uma pergunta que se lança aos responsáveis da FPC, numa altura em que alinham medidas inovadoras para 2016.

O calendário abre com a Volta ao Algarve a 17 de fevereiro, tendo desaparecido de vez a prova de Abertura, o que faz com que as equipas portuguesas entrem em competição direta, logo com uma prova 2.1.

Segue-se ainda em março ( dia 6 )a clássica da Primavera, que o município poveiro e Manuel Zeferino teimam em pôr de pé, o que se aplaude e incentiva, e que tinha todas as possibilidades para se transformar numa prova de dois dias, dadas as sinergias da região com a modalidade.
No fim de semana a seguir, 12 e 13 realiza-se o Prémio Liberty Seguros – Restaurante Alpendre, que poderá ter mais um dia de corrida do que o previsto. De 22 a 26 realiza-se a Volta ao Alentejo, promovido pela Podium. E o mês de março está terminado, curiosamente como um dos meses com mais dias de corrida do calendário.

Em abril nada está definido, poderá ser possível a realização do Prémio Cova da Beira ( 22 a 24) ou a Volta á Bairrada nas mesmas datas. Isto quer dizer que em abril apenas estão previstos três dias de corrida, a que não á alheio à possível participação de algumas equipas nacionais em provas do calendário espanhol.

O mês de maio poderá abrir com o Prémio Cova da Beira ( 13 a 15 ), caso não se realize em abril, ou a Volta à Bairrada. A prova bairradina, como não pertence ao calendário internacional, é um pouco polivalente quanto a datas. De 20 a 22 segue-se o Prémio Alto Tâmega única prova levada a efeito em 2015, que parece que veio para durar e no dia 29 a clássica de Albergaria.

O mês de junho  incia-se com o Prémio JN, de 3 a 5 , seguindo-se de 10 a 12 o Prémio Abimota, que mais uma vez aparece com três dias de duração, o que não se afigura real. As clássicas de Oliveira de Azeméis ( Troféu Bruno Neves e Volta ao concelho) disputam-se nos dias 18 e 19, seguindo-se no fim de semana imediato os Nacionais ( dia 26, a prova de estrada ) mais uma vez realizados em Braga.

Julho é o mês do tudo ou nada : 7 a 10 o Prémio Joaquim Agostinho e 27 a 7 de agosto a Volta a Portugal, que parte cada vez mais cedo, o que é bastante penalizante para o ciclismo nacional, que não vamos aqui escalpelizar.

O resto da época, bom o resto da época já era. Seguem-se os circuitos, depois das provas de Mortágua a 13 e Prémio Anicolor no dia seguinte. As competições poderão terminar como este ano, com a realização do Prémio do Dão 10 e 11 de setembro.

Pela primeira vez, porém, e depois de sugerido pelo nosso jornal há alguns anos, surge a intenção de organizar o Nacional de Rampa no dia 25 de Setembro, o que até poderá ser uma boa forma de prolongar um pouco mais o elan competitivo.

No que diz respeito aos sub-23 a época arranca a 28 de fevereiro, com a 1ª prova da Taça de Portugal, depois em abril no dia 10 a 2ª prova da Taça e de 15 a 17 a Volta às Terras de Santa Maria.

A 3ª prova da Taça está prevista para o dia 1 de maio e de 14 a 17 de julho a Volta a Portugal do Futuro, como prova internacional.