Duas centenas a pedalar em Marinhais

 

 

mar1

Foi na vila de Marinhais que estivemos este último domingo de maio dia 31, e acompanhamos o 10º Passeio do Núcleo de Cicloturismo, “Os Cansados de Marinhais”, um evento que fazia parte do calendário oficial da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicletas (FPCUB), um evento especial, já que tinha este ano também objectivo de homenagear, um antigo ciclista da terra, juntamento com dois elementos no Núcleo, todos já falecidos.

Marinhais bem cedo começou a receber os participantes, oriundos de vários locais, o Largo da Comissão de Festas foi o ponto de encontro, confirmadas as inscrições, uns momentos de conversas, pelas 9 horas tudo estava a postos, sendo dada a partida ao pelotão composto por cerca de 200 participantes, pela frente tinham os mesmos um trajecto de 70 quilómetros percorridos pelo concelho, com os participantes a iniciarem as pedaladas pela vila de Marinhais, estrada nacional 114, foros de Salvaterra, Nacional 118, Salvaterra de Magos, Nacional 367, Marinhais, Glória do Ribatejo, Granho, Muge, Nacional 118, e Marinhais, onde no local da partida terminaram as pedaladas, cerca das 12,30, com um percurso de baixa dificuldade, excelente para rolar.

Um passeio especial:  

O 10º passeio de Marinhais foi sem dúvida diferente e especial, já que um dos objetivos foi a de homenagear três pessoas da terra, a homenagem ocorreu logo início do passeio passado uns quilómetros, depois de se terem percorrido algumas ruas da vila, a primeira paragem foi feita junto ao cemitério, aqui foi feita a homenagem a três personalidades da terra, o primeiro o antigo ciclista Manuel Militão Leal e, ainda dois elementos do Clube, João Matateu, e João António, a cerimónia ocorreu na entrada do cemitério de Marinhais, contando com a presença do Paraco local, que celebrou uma pequena cerimonia religiosa, enfocando as três personalidades, seguindo depois a entrega de flores, a neta de Manuel Militão Leal, á mãe de João Matateu, e á viúva de João António.

mar2

Após este momento, a caravana voltou á estrada, para percorreu o trajecto propício a rolar, com uma manhã solarenga, que deu cor e luz ao pelotão, que serpenteou pelas estradas do concelho. No final, após um belo banho, foi tempo de um excelente almoço, o tradicional porco no espeto, seguindo a entrega de lembranças alusivas ao evento.

Em quase final de reportagem, ouvimos João Robim, responsável pelo Núcleo “Os Cansados de Marinhais”, que nos dizia: “O evento foi muito positivo, a aderência foi imensa, e com as atuais dificuldades, podemos considerar muito bom, numa altura que as dificuldades aumentam, o desemprego está em força, as pessoas tentam escolher os passeios mais perto, nós tivemos aqui cicloturistas de longe, o que demostra o interesse por este passeio”.

A finalizar, João Robim dizia: “Quero aqui agradecer a participação de todos, tentaram fazer o nosso melhor, proporcionar um excelente passeio, e tivemos uma massa humana na estrada digna de ver, e acima de tudo com todas as dificuldades atuais, a iniciativa foi sem dúvida muito positiva, e esperamos que em 2016 possamos ter aqui mais participantes”.

E foi sem dúvida um passeio muito bom, uma serpente colorida na estrada que animou as mesmas por onde passaram, um passeio percorrido a uma velocidade boa para o tipo de percurso, e no final um grande convívio tarde dentro, com a organização a dar o seu melhor, podemos considerar este passeio sem dúvida, um grande passeio do calendário nacional, ficando assim os parabéns á organização, apesar de serem “os Cansados de Marinhais” isso não se viu, pela sua energia que deram ao evento, e por um bom domingo que proporcionaram a todos os que estiveram presentes.

mar3

Despedimo-nos assim até ao próximo evento, desta vez em Vila Nova de Cernache, Coimbra, um evento que se recomenda, e promete muita adrenalina, a realizar já no próximo domingo dia 7 de junho, até lá ficam os votos de bons passeios, boas pedaladas.

Mas como não só de bicicleta, e convívio gastronómico o cicloturismo é feito, também a parte turística e a história fazem partes destes eventos, deixamos aqui um pouco da história desta zona:

Andava El Rei D. Manuel nas suas caçadas reais, montado no seu corcel entre densos matagais Salvaterra de Magos era o destino Da comitiva real e um fruto miúdo e fino surgia do matagal Saboroso e miudinho El Rei nele reparou inda branco e rosadinho Camarinhas lhe chamou E como era abundante aquela planta entre as mais logo este lugar distante se chama Camarinhais E vieram outras gentes para a terra arrotear laboriosas, diligentes povoaram o lugar Foi crescendo a população com trabalho e com suor fizeram deste rincão uma terra de valor O progresso assim chegou com vias de comunicação o comboio então passou foi feita a sua estação O nome Camarinhais era um pouco complicado então ficou marinhais para mais simplificado E assim este lugar foi aldeia, é freguesia tem uma história de encantar para nossa grande alegria E dentro do Ribatejo que este lugar se perfila bem perto do rio Tejo hoje é uma bonita vila São estas as famosas camarinhas que deram o nome a Marinhais.

Texto: José Morais

Fotos: José e Helena Morais