De novo a Seleção e a ausência de Edgar Pinto e César Fonte

Edgar Pinto, o melhor ciclista do ranking  nacional em 2014.
Edgar Pinto, o melhor ciclista do ranking nacional em 2014.

Tem causado alguma polémica a formação da seleção nacional para a Mundial de Ponferrada, curiosamente apenas no setor dito profissional ou de elite, apontando-se como alguma resistência à inclusão de ciclistas das equipa nacionais, a pretensa falta de ritmo,e até de falta de quilometragem das provas em que participam. Curiosamente, no setor de sub-23, onde as provas são mais escassas e limitadas, a mesma permissa não se coloca. Isto é, os sub-23 estão aptos a representar o país, mesmo sem provas e  sem ritmo competitivo que os circuitos na opinião de muitos, não proporcionam.

O problema destas opiniões, que aceitamos, não estão de acordo com o atual momento de preparação de uma prova de ciclismo, pela parte de um ciclista, seja em que parte do mundo for. Atualmente a preparação para uma competição é feita, maioritariamente, fora das competições, com treinos, estágios, reconhecimento de percurso e preparações especificas que, a participação em provas , muitas vezes não se coaduna.

Poderiamos buscar exemplos ,vários mas basta ver o nível competitivo de Contador, que não correu em nenhuma competição depois do Tour, para nos apercebermos a forma como o ciclista da Saxo Bank se preparou para a Vuelta.

Não vamos cair na tentação de discordar dos nomes que foram indicados pela FPC, o que repetimos, é que os ciclistas nacionais que correm em Portugal e tirando Tiago Machado e, Rui Costa  têm tanto ou mais valor que muitos que correm no estrangeiro. Aliás, convém recordar, afinal, que foi de Portugal, das equipas nacionais, que eles sairam para as equipas internacionais.

Afirmar que César Fonte, Ricardo Vilela e Edgar Pinto não tinham lugar numa seleção nacional, porque não têm ritmo nem quilometragem nas provas nacionais, é o mesmo que dizer que não são profissionais dignos, ou o mesmo que dizer que não têm mais valor que, muitos dos que foram chamados à seleção.

Por isso, é estranho o critério de quem seleciona, porque a ter em linha de conta estes pressupostos, nunca deveriam ser chamados a trabalhos de seleção os ciclistas sub-23, porque não têm provas em Portugal que justifiquem a presença numa Volta á França do Futuro, ou mesmo num Campeonato do Mundo. Mas, vá-se lá saber, mesmo sem estágios que a FPC deveria proporcionar, ou preparações específicas por parte da mesma seleção, apenas com uma nota aos clubes e ciclistas de que estão selecionados, estes mesmos ciclistas prepararam-se e, mesmo sem competições, Portugal teve um comportamento muito positivo por parte dos ciclistas que foram chamados á Volta á França do Futuro, o que quer dizer que, afinal, o trabalho feito nos clubes e orientado pelos seus treinadores, afinal não é tão mau como isso.

Por isso e, em ultima análise, se a chamada a uma seleção não deve ser uma recompensa por este ou aquela atributo, o que estamos inteiramente de acordo, não é menos verdade que, em ultima instancia competia, à FPC organizar e planificar um plano de preparação aos selecionados que incluísse participação em provas de preparação, estágios  e treinos de conjunto, para colmatar a falta de ritmo e de competições que muitos apontam como causa para a sua não convocação.

JS

 

 

8 thoughts on “De novo a Seleção e a ausência de Edgar Pinto e César Fonte”

  1. Deixar de fora um ciclista como Edgar Pinto com a desculpa da tal falta de ritmo das provas nacionais é no mínimo chamar parvos a todos os que andam minimamente atentos a estas coisas do ciclismo… De resto, e deixando de fora outras evidências sobre o valor do ciclista, até parece que Edgar Pinto não foi o 1º classificado no ranking anual da FPC e que não ficou nos dez primeiros na última Volta ao Algarve onde estava grande parte da nata do ciclismo mundial… Não querendo particularizar qualquer nome dos que foram seleccionados, não convocar aquele ciclista é simplesmente uma vergonha injustificável!!! E que devia ser justificada com argumentos sérios…

  2. peço desculpa mas no mundial so temos um objetivo tentar revalidar o titulo de campeão do mundo não que o edgar pinto não tenha valor porque o tem mas não comparem a experiencia do Paulinho ou do nelson ou do tiago em provas deste calibre não se esqueçam que infelizmente o nível do nosso ciclismo nada tem a ver com o world tour e o que o rui precisa e de colegas que o protejam e isso so o valor não chega tem que haver experiencia

  3. Boa noite
    É lamentável a não convocatória tanto do Edgar como do César fala se aqui da qualidade dos ciclistas temos um exemplo a caixa rural esta líder da montanha com um ciclista que na volta nem para aquecer deu…
    Se analisarmos o percurso vemos alguns ciclistas na convocatória que não se enquadram no mesmo
    Mais grave é um funcionário da fpc no seu Facebook dizer que o Edgar queria ir fazer turismo para os campeonatos do mundo. .. muito grave essas declarações e de uma irresponsabilidade …até porque se alguém faz turismo nesse tipo de provas é esse sr José Carlos Gomes. ..

  4. Ironias da vida.

    Há alguns anos atrás ninguém queria ir à seleção no final da época e alegava-se as mais variadas razões, desde as mais válidas, até a razões pouco consentâneas com o estatuto profissional que se deseja numa representação nacional.

    Hoje, porque já se torna uma “montra” apetitosa é só ver indignados pelas escolhas do selecionador.

    Como diria o saudoso Fernando Pessa: “E esta hein?”

  5. em relação aos sub 23. viu-se que uma preparação anterior para o joaquim silva lhe deu um resultado melhor do que ao Ruben Guerreiro que não fez a volta a Portugal, mas bateu o joaquim antes na volta a portugal do futuro. tb o ricardo vale que tb fez a volta a portugal estava num nivel superior ao ruben antes de adoecer

    O Andre cardoso tb deveria estar nos indiscutiveis, pois tem feito uma boa epoca, e nos ultimos mundiais tirando o ultimo fez sempre resultados dignos de registo.

    a selecção é uma equipa, e não uma escolha dos melhores individualmente. os 3 citados podem ser superior individualmente a alguns dos que estão convocados, mas em termos de equipa talvez o que está pre convocado pode oferecer alguma coisa

    os sub 23 vão ganhar ritmo a participar na volta a galiza

  6. Peço desculpa, mas, apesar de considerar que a preparação de uma prova é efetivamente centrada nos estágios, nos reconhecimentos de etapas e preparações específicas, considero que a qualidade da maior parte dos ciclistas a atuar em Portugal é indubitavelmente mais fraca do que aquela dos ciclistas que representam equipas internacionais. Basta ver que, se os ciclistas que representam equipas nacionais não foram contratados por equipas de gabarito superior, é porque não têm qualidade para alinhar em provas de maior grau de competitividade, ou não oferecem as mesmas garantias que aqueles as mesmas equipas possuem. Os ciclistas portugueses que se encontram agregados a equipas estrangeiras são, fora um caso ou outro, os melhores ciclistas portugueses da atualidade.

  7. Por acaso os sub 23 que mais exploraram as suas capacidades na volta a França do futuro foram os que correram a Volta a Portugal. Quantos corredores que vão discutir o mundial não estão presentes na vuelta ou nas clássicas de Setembro? Nos 200 participantes no mundial quantos são de equipas continentais?

Os comentários estão fechados.