Corridas do Mundo

Settimana Internazionale de Coppi e Bartali
É uma corrida por etapas que se realiza, anualmente, na região italiana de Emília Romana. Em 2008, a competição vai desenrolar-se de 25 a 29 de Março, contemplando cinco etapas, cuja variadade de percursos costuma atrair grandes nomes da modalidade. A prova, como o nome indica, homenageia dois grandes corredores italianos, Gino Bartali, ciclista brilhante da década de 1930, e Fausto Coppi, campeoníssimo das décadas de 1940 e 1950. A primeira edição decorreu em 1984 e teve como vencedor Moreno Argentin. A Semana Internacional já teve outras designações, sobressaindo aquela que lhe foi atribuída nas edições de 1999 e 2000: Memorial Cecchi Gori.

Critério Internacional
Durante dois dias, a região francesa das Ardenas acolhe a nata do pelotão internacional para uma competição com uma longa história. Remonta a 1932 a génese do Critério Internacional. Aquela que é, na actualidade, uma corrida aberta a ciclistas de todo o Mundo, só permitia a inscrição de gauleses até há 20 anos, numa reminiscência dos primórdios, quando o Critério Internacional era considerado uma espécie de campeonato nacional francês. Na configuração actual, o Critério consta de três etapas. No sábado, disputa-se uma tirada em linha, sem grandes dificuldades. No domingo de manhã, os ciclistas são chamados a correr outra etapa em linha, desta feita com vários desafios montanhosos pelo caminho. Na tarde de domingo, a competição encerra com um contra-relógio individual. Dos ciclistas em actividade, o germânico Jens Voigts é aquele que mais vezes ganhou o Critério Internacional, tendo-o feito em três ocasiões. Em 2008, a prova disputa-se nos dias 29 e 30 de Março.

Cholet-Pays de Loire
Corrida de um dia que começou a disputar-se em 1978. Nessa altura designava-se GP de Mauléon-Moulins, nome que manteve até que, em 1988, passou a ser conhecida por GP Cholet-Mauléon-Moulins. Desde 1990, mantém a designação actual, Cholet-Pays de Loire. Integra o calendário UCI Continental Europeu na categoria 1.1. Tem muitas semelhanças com as clássicas belgas, pois disputa-se numa região em que é comum o pelotão ser “atacado” pelo vento e pela chuva enquanto percorre caminhos onde abundam os pequenos topos. Este ano corre-se a 23 de Março.