Cássio Freitas na Volta a Portugal

Foi o unico brasileiro que conseguiu vencer uma Volta a Portugal, a 54ª, em 1992, ao serviço da Recer – Boavista, equipa onde conquistou os seus mais importantes triunfos.

Com 47 anos de idade, Cássio Freitas é o diretor desportivo adjunto da equipa brasileira Funvic/Pinamonhangaba, e o seu encanto por regressar a Portugal foi bem evidente:

” Estou muito contente por regressar a Portugal , ver velhos amigos e recordar tempos idos. Não esqueço que foi aqui que passei os melhores momentos da minha carreira desportiva, quer ao serviço da Sicasal, mas em especial ao serviço da Recer-Boavista, onde venci, na altura quase tudo que havia para vencer.”

Sem dar folga Cássio admitiu que foram momentos bons de ciclismo, os vividos naqueles anos loucos da década de 90:

” Haviam muitas provas e as provas JN eram demais, mas não esqueço o engano no C/RI que quase me ia tirando o triunfo na Volta.As etapas eram muito duras, e quando íamos para Trás os Montes era mesmo duro. Foram momentos que nunca mais esqueci e espero nestes dias de Volta estar com amigos que não vejo há anos, para reviver estes momentos.”

Cássio Freitas e José Santos, seu diretor desportivo. Faz 20 anos que Cássio venceu as Volta para o Boavista.

Cássio Freitas desempenha no Brasil cargo de selecionador, ligado ao setor feminino, lamentando contudo que faltam provas:
” Creio que no Brasil está acontecendo o mesmo que em Portugal. Há falta de provas e ciclistas, agora com os Jogos Olímpicos esperamos que as coisas melhorem e possamos afirmar internacionalmente a qualidade dos nossos ciclistas.”

1 comentário a “Cássio Freitas na Volta a Portugal”

  1. Realmente Cassio Paiva é um ícone aqui no Brasil pena que está esquecido pela mídia, agora ver a sua fama em Portugal isso é ótimo para nós Brasileiros.
    Foi ele junto com Mauro Ribeiro que abriu as portas do nosso ciclismo para a Europa mostrando que temos bons ciclistas o que falta é o apoio.
    Parabéns ao Cassio e que a equipe Funvic faça uma boa volta.
    VIRSÃO.

Os comentários estão fechados.