Editorial: Btt os JO e o selecionador

Alguns comentários fizeram despoletar um tema candente, no actual contexto do ciclismo nacional, que determinou o afastamento de Portugal dos Jogos Olímpicos de Londres, na variante de XCO.

Confesso que não sou um “expert” na matéria, mas temos assistido, nos últimos anos, a uma crescente organização da disciplina, na hierarquia oficial da modalidade. As competições proliferam pelo país fora, de uma forma cada vez mais organizada e disciplinada.

Num tão elevado número de atletas e clubes, federados e uma quota ainda elevada de não federados, naturalmente que a qualidade tenderá sempre , mais ano menos ano, a aparecer, apesar de considerar o excelente nível técnico e físico de muitos praticantes, nos mais diversos escalões, com obtenção de resultados já de nível internacional, conforme temos já referido em alguns artigos.

Federação, associações e uma data de organizadores promovem provas, para um leque alargado de participantes, divididos entre a competição e o lazer, com provas incluídas no calendário internacional, sinal evidente da estruturação existente.

A modalidade caminha de forma positiva, ainda numa fase que se pode considerar expansionista.

Criticas veladas ao relativo fracasso do apuramento para os JO foram lançadas, nos comentários publicados. Procuramos estar atentos, e no caso em apreço, e depois de veladamente ter presenciado o labor desenvolvido pelo seleccionador nacional de BTT, e a sua acção na montagem, preparação e acompanhamento de várias provas que presenciamos, achamos que a sua missão tem sido positiva.

Por aquilo que vimos, pelo seu empenhamento, pelo seu envolvimento, pela sua colaboração, faltará, noutros domínios do ciclismo, elementos que aliem o profissionalismo, à carolice, como é o caso do actual selecionador de BTT.

José Santos

6 comentários a “Editorial: Btt os JO e o selecionador”

  1. Bom ate a dias só se falava de BTT Presidentes e Associações muito vocacionadas para esta modalidade em diferimento da Estrada agora pelo parecer de um comentador afinal e tudo ao contrario e o Estrada, mas afinal em que ficamos, bom quando os atletas por qualquer razão acham-se bons e tudo querem fazer para serem selecionados, não digam que o defeito e do Selecionador ! mas sim das vedetas que muito teem que fazer para se parecerem com os demais, as Razões não sei ! para melhor fazerem mas desconfia-se.

  2. Editorial, chamam a isto editorial? Com todo o respeito isto é defesa de amigos, apenas provinda do eterno mau jornalismo deste site, ou não fosse este um jornal ao serviço da federação e do Pedro Vigário como mil vezes o demonstrou. Gastaram rodos da massa que faltou a montes de provas de estrada, e ao contrário da estrada, resultados é tudo dobrado nas taças do mundo nos mesmo lugares do fim a vergonha habitual tapando os olhos ao pessoal com resultados na turquia do 3º mundo e mesmo assim nunca lá ganharam tendo ido lá mil vezes à conta do orçamento fazer férias. Resultados igual a sempre, diferença única no orçamento milionário do btt atual e no facto indiscutível de o selecionador ser vergonhosamente e despuduradamente a única pessoa profissional de btt num país que não tem um atleta profissional sequer, onde os atletas se esforçam com o dinheiro da avó e passam mal e têm qe obedecer a um tipo que recebe bem pelo pedal deles, uma formula vergonhosa e de cumpadrios agora demosntrada ineficaz pois com este falhanço que adveio de a equipa nunca se ter entendido, cada um dos atletas puxar para sí e o selecionador puxar só para um deles nítidamente o que desmotivou todos os outros e revoltados por nada ganharem e pagarem para correr e sustentarem um tipo que demosntrou além do mais não perceber nada do assunto… um falhanço milionário com custos imensos para a federação e todo o ciclismo nacional um falhanço de um profissional de btt, o único profissional de btt bem pago que se mantém vergonhosamente no lugar bem agarrado e com bom ordenado, mesmo sendo um falhado que nada nunca desmonstrou ao país do ciclismo, nunca nada fez. Pode ser boa pessoa,, pode ser até o gajo mais porreiro do mundo mas falhou, teve orçamento milionário e falhou com uma politica que pôs todos os atletas uns contra os outros com se vê nos foruns e nos facesbooks deles. Falhou tem que ser demitido e colocar lá quem saiba e de preferencia que esteja no mesmo patamar amador do ciclistas de terra e não a falar para os tesos atletas de btt, do alto do seu orndenado de milhares de euros ganhos à custa da miséria dos atletas de btt e com ciustos para todo o ciclismo, repito. Tenham coragem de colocar este post pois o que ele diz representa a maioria do pensamento quer do pessoal do btt, quer do pessoal da estrada, sejam democráticos e colquem isto, aqui não há nenhuma ofensa, apenas uma opinião forte, é feio um btt de milhares de carolas que se sacrificam para levar os filhos dos outros gratuítamente às provas (caso de todas as equipas nacionais amadoras onde os directores desportivos perdem mais que ganham, onde os atletas não ganham nada e este sr. ganha rodos de dinheiro, é vergonhoso ter um selecionador profissional num mundo do btt nacional 100% amador e pagante. Perguntem ao sr. se ele lá fica apenas com ajudas de custo como todos os outros antes, perguntem ao sr. porque ele nunca foi para selecionador quando não se ganhava nada se está no btt há 20 anos como diz. Tachos que nada de bom trouxeram ao btt nacional excepto mais provas mas as ditas provas internacionais para mandar o btt aos JO custaram rios de dinheiro também pagos como direitos de organização à UCI, agora nos próximos 2 a 3 anos verão quantas haverá.

  3. É muito fácil tecer criticas destrutivas ao seleccionador, quando os próprios atletas que estão na selecção tem rivalidades antigas. No meu entender o Pedro Vigario, fez quase uma omelete sem ovos, com poucos recursos, com poucas provas pontuáveis no nosso pais, tendo de recorrer muitas vezes ao estrangeiro para obter esses pontos, e mesmos os pontos em casa, muito voaram simplesmente para fora.
    Desde á muito que digo cada vez mais os atletas querem parecer profissionais, mas são meros fantoches nas mãos da Federação, pois grande parte dos dirigentes só tem olhos para o ciclismo de estrada, pois muitos deles não passam de Velhos do Restelo, que vem na modalidade de BTT, uma vergonha para a Federação.

  4. Caro Prof. José Santos
    Concordo consigo no que diz respeito ao facto de que existem cada vez mais provas bem organizadas, cada vez mais participantes, cada vez mais ciclistas bem treinados e cada vez mais profissionalismo. E isto resulta também de um esforço da Federação
    Mas tendo em conta tudo isto, não deveria ser sido fácil apurar os Jogos?
    Afinal de quem é a responsabilidade de termos falhado o objetivo, que era estar presente nos Jogos?
    Depois das centenas de milhares de euros gastos no BTT, e que tanto tem faltado ao ciclismo, fica tudo na mesma?

  5. Se conseguissemos o apuramento não faltariam entrevistas, fotografias, jantares, almoços, pequenos-almoços, a Federação em festa… não conseguimos e a culpa é SÓ do seleccionador nacional! É dificil estar na posição do Pedro. Embora discorde de alguns métodos e estratégias utilizadas (o que é normal!), no geral parece-me que tem feito um bom trabalho. Venham as próximas. Estou contigo.

Os comentários estão fechados.