Guia 98ª Volta à França

Mapa do 98º Tour de France.
Mapa do 98º Tour de France.
Alberto Contador vencedor de 2010.
Alberto Contador vencedor de 2010.

O TOUR

O primeiro jornal desportivo , criado em França, chamava-se Vélocipede  Illustré, exactamente  porque o ciclismo tinha sido um dos primeiros desportos nascidos no séc. XIX.

Foi praticamente um desporto que mal nasceu  se profissionalizou, dada a forte relação com as marcas de bicicleta que, ciosas de darem a conhecer as suas marcas, necessitavam de publicidade imediata. Era uma indústria em franco desenvolvimento na altura.

Para testar a fiabilidade das suas máquinas e o cariz utilitário que se pretendia para a bicicleta, através da sua mobilidade, nada melhor que a organização de competições.

Ora a imprensa desportiva tinha sido criada nestas circunstâncias, criando-se naturalmente uma forte ligação das duas componentes: imprensa e industria e bicicletas, ambas com grandes necessidades de afirmação e angariação de clientes.

Pierre Giffard era na altura o director do Vélo, uma nova publicação que, para se afirmar, criou uma corrida famosa  durante anos : Bordéus – Paris. Mas  ele queria mais e então montou o Paris-Brest-Paris (ainda hoje existente na fórmula Audax), 1,200 kms.

Pensemos bem, estávamos em 1891, para além das bicicletas pensemos nas estradas.

Giffard com as suas iniciativas, ganhava leitores e ultrapassava nas vendas todos os outros concorrentes.

Do outro lado da barricada, Henri Desgranges director do Auto-Vélo tinha grandes dificuldades: primeiro Giffard interpôs uma acção em tribunal que ganhou, contra o plágio do título  do jornal, que por força disso se passou a chamar apenas Auto e as vendas caíam em catadupa.

Reuniu os colaboradores da altura e propôs-lhes um desafio : que estudassem  a criação de uma prova ainda mais competitiva e abrangente que o Paris-Brest-Paris..

Géo Lefèvre, seu colaborador sussurrou : “ E se nós criássemos uma prova, sem interrupção, com a duração de vários dias,”

Um colaborador anónimo terá lançado , sem querer o nome à ideia:

Enfim, o que querem é fazer  é uma  volta  a França..

A ideia estava traçada assim nasceu a prova desportiva mais emblemática do mundo.

Homem de grandes ideias e de iniciativas, Desgranges consultou alguns seus associados, entre os quais  Dion Michelin, ligado á industria dos automóveis e o administrador do jornal, que era Goddet ( Victor), pai daquele que anos mais tarde seria um dos mais emblemáticos directores do Tour, Jacques Goddet e anunciou a sua ideia num título forte de primeira página:

Le Tour de France “ – a maior corrida ciclista do mundo inteiro. Uma corrida de um mês. Percorrerá as maiores cidades de França. 20.000 francos de prémios. Partida 1 de Junho. Chegada 5 de Julho, no Parque dos Princípes “.

Face à poucas inscrições recebidas Desgranges  foi obrigado a alterar o projecto inicial, que passou para 18 dias e seis etapas, num total de 2,428 kms.

Em 1 de Julho de 1903, nos arredores de Paris, junto a um café em Montgeron, Le Reveil Matin, era dada a partida da 1ª etapa aos 60 concorrentes, ou melhor aventureiros.

Para a história terminar ainda melhor. Com a sua ideia Desgranges incrementou as vendas do seu jornal. E o entusiasmo foi de tal ordem, que os concorrentes tiveram vários contratempos pelo caminho, alguns eram agredidos pelos adeptos dos participantes das terras que iam passando.

Naturalmente que este primeiro Tour teve vários episódios recambolescos. Alguns ciclistas recorriam ao combóio para aligeirar a empreitada, e houve mesmo um que recorreu a um estratagema versátil. Era puxado por uma viatura de onde saía um cordel e uma bucha que metia na boca, que mantinha serrada com os dentes.

_____________________________________________________________

Os números jornalísticos

A Volta à França foi criação de um jornal «  L’ Auto », de forma a lutar contra a concorrência de outros jornais . Modalidade de epopeia, o ciclismo proporcionou grandes reportagens, inspirando grandes jornalistas/escritores, que fizeram no Tour crónicas deliciosas,  reconhecidas como autênticas obras literárias. Antonie Blondin, Pierre Chany, foram jornalistas que acompanharam o Tour e as suas crónicas entusiasmavam os leitores.

A imprensa engrandeceu de sobremodo o Tour, mas o inverso também é verdade. Foi através do Tour que alguns jornais atingiram níveis de audiência invejáveis.

Em, 1929 , também no Tour surgiram as primeiras inovaçoes radiofónicas. A rádio fazia a sua iniciação nos diretos, tornando a prova cada vez mais popular.

Em 1948 foi a vez da Televisão  efetuar um direto, pela primeira vez no exterior, na chegada final da edição desse ano, no Parque dos Princípes.

Em 2007 a corrida foi pela primeira vez difundida em alta definição, e os números de jornais e jornalistas acreditados ultrapassam a capacidade do Tour, motivo pelo qual muitos não conseguem a sua acreditação..

Vejamos alguns números

–          650 orgãos de comunicação.

–          2500 jornalistas, fotógrafos , operadores de camara e consultores.

–          1800 técnicos e motoristas

–          Televisão – 260 operadores de câmara difundem imagens para 121 canais de televisão, das quais 60 em direto, distribuindo imagens para 186 países.

–          Fotógrafos – são 240 entre jornais e agências de informação.

–          Rádio – 72 estaçõse de rádio estão representadas no Tour.

–          Sala de imprensa – estão previstos 450 lugares na sala de imprensa para acolher os jornalistas da imprensa escrita – 350 títulos ou agências acreditadas.

_____________________________________________________________

EQUIPAS – ANÁLISE:

LIQUIGAZ – Basso o nome forte da equipa. Não tem um homem capaz de o substituir na liderança da equipa. A aposta por um lugar no pódio tem suscitado as mais diversas opiniões. O certo é que Basso, este ano, tem passado ao lado de muitas provas.

Ivan Basso, Daniel Oss, Alessandro Vanotti, Paolo Longo Borghini, Fabio Sabatini, Sylwester Szmyd, Maciej Bodnar, Maciej Paterski y Kristijan Koren

LAMPRE-ISD –  Damiano Cunego e Alessandro Petacchi os nomes fortes. Tendo feito uma excelente Volta à Suíça, Damiano Cunego entrará no Tour com algumas ilusões, mas não mais que um lugar nos dez primeiros..

A  experiência de Petacchi será de ter em linha de conta, nos momentos decisivos, que são as chegadas maciças. Boa colocação, um bom anjo da guarda ( Danilo Hondo) e Petacchi  é, quase certo, lutará por vitórias de etapa e pela camisola verde, que ganhou em 2010.

Damiano Cunego, Alessandro Petacchi, Leonardo Bertagnolli, Grega Bole, Matteo Bono, Danilo Hondo, Denis Kostyuk, David Loosli y Adriano Malori.

ASTANA –  Dois nomes de respeito : VInokourov e Roman Kreuziger  para lutar pelos primeiros lugares, mas também dois out sidders prontos para vencer uma ou duas etapas e estarem nos cortes principais da corrida. Atrevido Remy Di Gregorio terá oportunidade para não passar este Tour em branco.

Alexandre Vinokourov (KAZ), Roman Kreuziger (TCH), Rémy Di Grégorio (FRA), Dmitriy Fofonov (KAZ), Andriy Grivko (UKR), Maxim Iglinsky (KAZ), Paolo Tiralongo (ITA), Tomas Vaitkus (LIT), Andrey Zeits (KAZ).

BMC – Cadel Evans e pouco mais. Mas Cadel Evans será um nome a ter em conta para um lugar no pódio, e um dos poucos favoritos à vitória final. O australiano está a postar tudo no Tour, e o percurso convém-lhe.

Cadel Evans (AUS), Brent Bookwalter (USA), Marcus Burghardt (GER), George Hincapie (USA), Amaël Moinard (FRA), Steve Morabito (SUI), Ivan Santaromita (ITA), Manuel Quinziato (ITA), Michael Schär (SUI).

EUSKALTEL —  A Euskaltel valerá pelo conjunto. Naturalmente que Samuel Sanchez assumirá a liderança da equipa, mas  uma vitória de etapa será o grande objectivo da equipa.

Samuel Sanchez (ESP), Egoi Martinez (ESP), Gorka Verdugo (ESP), Amets Txurruka (ESP), Rubén Pérez (ESP), Ivàn Velasco (ESP), Alan Pérez (ESP), Paul Urtasun (ESP), Gorka Izagirre (ESP).

HTC-HIGHROAD — A aposta será toda em  Mark Cavendish, que parte com o objectivo de conquistar a camisola verde, tarefa para a qual terá a seu lado, Mark Renshaw . É o Tour mais importante na história da Highroad que parte para o Tour com o objectivo de encontrar… um sponsor para 2012.

Mark Cavendish (GBR), Mark Renshaw (AUS), Bernhard Eisel (AUT), Matthew Goss (AUS), Tejay Van Garderen (USA), Peter Velits (SVQ), Tony Martin (ALL), Danny Pate (USA), Lars Bak (DAN)

LEOPARD TREK — Andy e Frank Schleck apostaram tudo no Tour, rodearam-se de verdadeiros capitães de estrada: Joost Posthuma, Stuart O’Grady, Fabian Cancellara, Jens Voigt, Jakob Fuglsang, Linus Gerdemann e Maxime Monfort. Para a equipa luxemburguesa o segundo lugar poderá saber a pouco.

MOVISTAR —  David Arroyo e Intxausti os dois nomes mais sonantes da equipa, que lutará para não passar despercebida, Os espanhóis de uma assentada perderam desde o início de época : Ruben Plaza, o malogrado Xavier Tondo e , agora Mauricio Soler. Demasiado para a equipa. Uma esperança de vitória de etapa poderá estar também em Rui Costa.

Ainda não confirmou os nove.

OMEGA PHARMA-LOTTO — Philippe Gilbert,  será um nome a ter em conta para a primeira semana da prova. O belga tem azar não dispõe de uma equipa para vencer o c/r por equipas e não há bonificações ,o que pode limitar o acesso ao “ maillot jaune”. Terminada a fase Gilbert, a equipa belga apostará tudo em Van den Broeck, para um lugar no pódio.

Philippe Gilbert (BEL), André Greipel (ALL), Sebastian Lang (ALL), Jurgen Roelandts (BEL), Marcel Sieberg (ALL), Jürgen Van de Broeck (BEL), Jurgen Van de Walle (BEL), Jelle Vanendert (BEL), Frederik Willems (BEL).

QUICK-STEP — Uma equipa de verdadeiros  aventureiros, Sylvain Chavanel e Pineau, contará ainda com Tom Boonen para as chegadas ? A interrogação fica no ar. Quanto ao resto não tem ciclistas para os primeiros lugares.

Tom Boonen, (BEL) Kevin De Weert (BEL), Gert Steegmans (BEL), Dries Devenyns (BEL), Niki Terpstra (HOL), Addy Engels (HOL), Gerald Ciolek (ALL), Sylvain Chavanel (FRA), Jérôme Pineau (FRA).

RADIOSHACK — Quatro galos para um poleiro. Demasiado. Será que os americanos partem com um leader definido: Jani Brajkovic, Chris Horner, Andreas Klöden e Levi Leipheimer,  qual deles dará mais garantias. Com o evoluir da prova a ssim Bruynel decidirá. Os restantes , verdadeiros  gregários, garantem uma boa retaguarda de fazer inveja a muitas equipas.

Jani Brajkovic (SLV), Chris Horner (USA), Markel Irizar (ESP), Andreas Klöden (ALL), Levi Leipheimer (USA), Dmitriy Muravyev (KAZ), Sérgio Paulinho (POR), Yaroslav Popovych (UKR), Haimar Zubeldia (ESP).

RABOBANK — Falta Oscar Freire aos holandeses para lutarem nas vitórias de etapa ao sprint mas restam-lhe excelentes ciclistas como Lars Boom, mas sobretudo Luis León Sánchez,  e Bauke Mollema, para um lugar… entre os 15 melhores. . Uma hipótese de triunfo poderá ser o c/r por equipas. Porque não ?

Robert Gesink (HOL), Luis Leon Sanchez (ESP), Carlos Barredo (ESP), Juan Manuel Garate (ESP), Bauke Mollema (HOL), Laurens ten Dam (HOL), Lars Boom (HOL), Maarten Tjallingii (HOL), Grischa Niermann (AL

SAXO BANK -SUNGARD — Alberto Contador será o favorito nº 1, contando com o apoio dos seus  fiéis Jesus Hernandez, Dani Navarro e Benjamin Noval. O objectivo será conseguir a dupla ( Giro + Tour). O ultimo que a conseguiu já não está entre nós ( Marco Pantani em 1998).

Alberto Contador (ESP), Jesus Hernandez (ESP), Dani Navarro (ESP), Benjamn Noval (ESP), Richie Porte (AUS), Chris Anker Sorensen (DAN), Nicki Sorensen (DAN), Matteo Tosatto (ITA), Brian Vandborg (DA

SKY — Será Bradeley Wiggins capaz de  lutar por um lugar no pódio ? Essa a grande interrogação de uma equipa… rica, bem estruturada  e com ciclistas experientes, mas sem grande nomes para discutir uma etapa ao sprint, nem tão pouco para um lugar no pódio. A ver vamos.

Edvald Boassen Hagen (NOR), Juan Antonio Flecha (ESP), Simon Gerrans (AUS), Christian Knees (ALL), Ben Swift (AUS), Geraint Thomas (GBR), Rigoberto Uran (COL), Bradley Wiggins (GBR), Xabier Zandio (ESP).

VACANSOLEIL —  Talvez a equipa Pro-Tour mais fraca, sem um nome sonante, e que fará das escapadas a sua grande arma de arremesso . Feillu e Marcato os nomes mais competitivos da equipa

Romain Feillu (FRA), Thomas De Gendt (BEL), Borut Bozic (SLV), Bjorn Leukemans (BEL), Johnny Hoogerland (HOL), Rob Ruijgh (HOL), Lieuwe Westra (HOL), Wouter Poels (HOL), Marco Marcato (ITA).quipa ?

SAUR –SOJASUN – um compromisso é sempre um compromisso e nada mais que isso. Que faz esta equipa no Tour ?

Jérôme Coppel, Anthony Delaplace, Jimmy Engoulvent, Arnaud Coyot, Jérémie Galland, Jonathan Hivert, Fabrice Jeandesboz, Laurent Mangel et Yannick Talabardon (FRA).

KATUSHA – Uma equipa totalmente russa sem grandes nomes para os lugares cimeiros. Karpets  será o líder, mas Kolobnev , Ignatyev, ou mesmo Pavel Brutt vão dar nas vistas em algumas etapas.

Pavel Brutt, Denis Galimzyanov, Vladimir Gusev, Mikhail Ignatyev, Vladimir Isaychev, Vladimir Karpets, Alexander Kolobnev, Egor Silin y Yuriy Trofimov.

G2R-La Mondiale:  Uma equipa atrevida a ter em conta. Nicolas Roche, John Gadret, Hubert Dupont serão nomes a ter em conta, em especial Gadret que pensará no Prémio da Montanha.

Nicolas Roche, John Gadret, Hubert Dupont jean-Christophe Péraud, Christophe Riblon, Maxime Bouet, Sébastien Minard, Sébastien Hinault, Blel Kadri.

FRANÇAISE DES JEUXNão descortinamos um nome capaz de vencer uma etapa. Equipa caseira. Sandy Casar é o nome mais conhecido. Mas só isso.

William Bonnet, Sandy Casar, Mickael Delage, Arnold Jeannesson, Gianni Meersman, Remi Pauriol, Anthony Roux, Jerome Roy y Artur Vichot.

EUROPCAR – Viverá um pouco á custa de Voeckler, sempre combative, um homem para a Montanha, que tem em Christophe Kern um trunfo a ter em conta. É praticamente uma equipa Pro-Tour.

Thomas Voeckler, Yohann Gène, Sébastien Turgot, Vincent Jérôme, Pierrig Quémeneur, Anthony Charteau, Cyril Gautier, Christophe Kern y Pierre Roll

COFIDIS – Uma tradição no Tour. Sempre sem grandes nomes, raramente passa despercebida na corrida. Moncoutié e Dumoulin são os nomes mais fortes da equipa, e que poderão vencer uma etapa, ou pensar num triunfo no Prémio da Montanha

Samuel Dumoulin, David Moncoutié, Rein Taaramae, Leonardo Duque, Julien El Farès, Tristan Valentin, Tony Gallopin, Mickaël Buffaz y Romain Zingleand.

Garmin-Cervélo: Principal objectivo rolar de amarelo na primeira parte do Tour com Hushovd, em esoecial a partir do C/RE onde é a grande favorita. Camisola verde faz parte dos planos da equipa, a sua grande aposta.

Ryder Hesjedal, Thor Hushovd, David Millar, Thomas Danielson, David Zabriskie, Tyler Farrar, Christian Vande Velde, Julian Dean y Ramunas Navardauskas (a falta de confirmación oficial

LISTA OFICIAL :

SAXO BANK SUNGARD (SBS)
1 CONTADOR Alberto
2 HERNANDEZ BLAZQUEZ Jesus
3 NAVARRO Daniel
4 NOVAL GONZALEZ Benjamin
5 PORTE Richie
6 SORENSEN Chris Anker
7 SORENSEN Nicki
8 TOSATTO Matteo
9 VANDBORG Brian

TEAM LEOPARD-TREK (LEO)
11 SCHLECK Andy
12 CANCELLARA Fabian
13 FUGLSANG Jakob
14 GERDEMANN Linus
15 MONFORT Maxime
16 O’GRADY Stuart
17 POSTHUMA Joost
18 SCHLECK Frank
19 VOIGT Jens

EUSKALTEL – EUSKADI (EUS)
21 SANCHEZ Samuel
22 IZAGIRRE INSAUSTI Gorka
23 MARTINEZ Egoi
24 PEREZ LEZAUN Alan
25 PEREZ MORENO Ruben
26 TXURRUKA Amets
27 URTASUN PEREZ Pablo
28 VELASCO Ivan
29 VERDUGO Gorka

OMEGA PHARMA – LOTTO (OLO)
31 VAN DEN BROECK Jurgen
32 GILBERT Philippe
33 GREIPEL André
34 LANG Sebastian
35 ROELANDTS Jurgen
36 SIEBERG Marcel
37 VAN DE WALLE Jurgen
38 VANENDERT Jelle
39 WILLEMS Frederik

RABOBANK CYCLING TEAM (RAB)
41 GESINK Robert
42 BARREDO Carlos
43 BOOM Lars
44 GARATE Juan Manuel
45 MOLLEMA Bauke
46 NIERMANN Grischa Jan
47 SANCHEZ Luis-Leon
48 TEN DAM Laurens
49 TJALLINGII Maarten

TEAM GARMIN – CERVELO (GRM)

51 HUSHOVD Thor
52 DANIELSON Tom
53 DEAN Julian
54 FARRAR Tyler
55 HESJEDAL Ryder
56 MILLAR David
57 NAVARDAUSKAS Ramunas
58 VANDE VELDE Christian
59 ZABRISKIE David

PRO TEAM ASTANA (AST)
61 VINOKOUROV Alexandre
62 DI GREGORIO Rémy
63 FOFONOV Dmitriy
64 GRIVKO Andriy
65 IGLINSKIY Maxim
66 KREUZIGER Roman
67 TIRALONGO Paolo
68 VAITKUS Tomas
69 ZEITS Andrey

TEAM RADIOSHACK (RSH)
71 BRAJKOVIC Janez
72 HORNER Christopher
73 IRIZAR Markel
74 KLÖDEN Andréas
75 LEIPHEIMER Levi
76 MURAVYEV Dmitriy
77 PAULINHO Sergio
78 POPOVYCH Yaroslav
79 ZUBELDIA Haimar

MOVISTAR TEAM (MOV)
81 ARROYO David
82 AMADOR Andrey
83 FARIA DA COSTA Rui Alberto
84 ERVITI Imanol
85 GUTIERREZ José Ivan
86 INTXAUSTI Benat
87 KIRYIENKA Vasil
88 ROJAS Jose Joaquin
89 VENTOSO Francisco

LIQUIGAS-CANNONDALE (LIQ)
91 BASSO Ivan
92 BODNAR Maciej
93 KOREN Kristjan
94 LONGO BORGHINI Paolo
95 OSS Daniel
96 PATERSKI Maciej
97 SABATINI Fabio
98 SZMYD Sylvester
99 VANOTTI Alessandro

AG2R LA MONDIALE (ALM)
101 ROCHE Nicolas
102 BOUET Maxime
103 DUPONT Hubert
104 GADRET John
105 HINAULT Sébastien
106 KADRI Blel
107 MINARD Sébastien
108 PERAUD Jean-Christophe
109 RIBLON Christophe

SKY PROCYCLING (SKY)
111 WIGGINS Bradley
112 FLECHA GIANNONI Juan Antonio
113 GERRANS Simon
114 HAGEN Edvald Boasson
115 KNEES Christian
116 SWIFT Ben
117 THOMAS Geraint
118 URAN Rigoberto
119 ZANDIO Xabier

QUICK STEP CYCLING TEAM (QST)
121 CHAVANEL Sylvain
122 BOONEN Tom
123 CIOLEK Gerald
124 DE WEERT Kevin
125 DEVENYNS Dries
126 ENGELS Addy
127 PINEAU Jérôme
128 STEEGMANS Gert
129 TERPSTRA Niki

FDJ (FDJ)
131 CASAR Sandy
132 BONNET William
133 DELAGE Mickaël
134 JEANNESSON Arnold
135 MEERSMAN Gianni
136 PAURIOL Rémi
137 ROUX Anthony
138 ROY Jérémy
139 VICHOT Arthur

BMC RACING TEAM (BMC)
141 EVANS Cadel
142 BOOKWALTER Brent
143 BURGHARDT Marcus
144 HINCAPIE George
145 MOINARD Amaël
146 MORABITO Steve
147 QUINZIATO Manuel
148 SANTAROMITA Ivan
149 SCHÄR Michael

COFIDIS LE CREDIT EN LIGNE (COF)
152 BUFFAZ Mickaël
153 DUMOULIN Samuel
154 DUQUE Leonardo
155 EL FARES Julien
156 GALLOPIN Tony
157 MONCOUTIE David
158 VALENTIN Tristan
159 ZINGLE Romain

LAMPRE – ISD (LAM)

161 CUNEGO Damiano
162 BERTAGNOLLI Leonardo
163 BOLE Grega
164 BONO Matteo
165 HONDO Danilo
166 KOSTYUK Denys
167 LOOSLI David
168 MALORI Adriano
169 PETACCHI Alessandro

HTC – HIGHROAD (THR)
171 CAVENDISH Mark
172 BAK Lars
173 EISEL Bernhard
174 GOSS Matthew Harley
175 MARTIN Tony
176 PATE Danny
177 RENSHAW Mark
178 VAN GARDEREN Tejay
179 VELITS Peter

TEAM EUROPCAR (EUC)
181 VOECKLER Thomas
182 CHARTEAU Anthony
183 GAUTIER Cyril
184 GENE Yohann
185 JEROME Vincent
186 KERN Christophe
187 QUEMENEUR Perrig
188 ROLLAND Pierre
189 TURGOT Sébastien

KATUSHA TEAM (KAT)

191 KARPETS Vladimir
192 BRUTT Pavel
193 GALIMZYANOV Denis
194 GUSEV Vladimir
195 IGNATYEV Mikhail
196 ISAICHEV Vladimir
197 KOLOBNEV Alexandr
198 SILIN Egor
199 TROFIMOV Yury

VACANSOLEIL-DCM (VCD)
201 FEILLU Romain
202 BOZIC Borut
203 DE GENDT Thomas
204 HOOGERLAND Johnny
205 LEUKEMANS Bjorn
206 MARCATO Marco
207 POELS Wouter
208 RUIJGH Rob
209 WESTRA Lieuwe

SAUR-SOJASUN (SAU)
211 COPPEL Jérôme
212 COYOT Arnaud
213 DELAPLACE Anthony
214 ENGOULVENT Jimmy
215 GALLAND Jeremie
216 HIVERT Jonathan
217 JEANDESBOZ Fabrice
218 MANGEL Laurent
219 TALABARDON Yannick

_____________________________________________________________

PERCURSO – DETALHE

De 2 a 24 de Julho a 98ª edição da Volta à França compreenderá 21 etapas, numa distancia de  3.430,5 kms.

As etapas têm as seguintes caraterísticas :

–          10 etapas planas

–          6 etapas de montanha, com quatro chegadas em alto.

–          3 etapas com grandes desníveis.

–          1 etapa c/relógio individual

–          1 etapa c/relógio por equipas.

  • Duas passagens no Galibier
  • 2 dias de repouso
  • ,23 contagens do PM classificadas de 2ª, 1ª e HC
  • Não existem bonificações.

Em 1911 os corredores subiram pela primeira vez o Galibier. Para assinalar o seu CVentenário a organização do Tour entendeu passar por duas vezes, com intervalo de 24 horas esta lendária escalada francesa.

A chegada da 18ª etapa será efetuada nesta montanha, a 2645 metros de altitude, a chegada mais alta da história do Tour.

15 vilas inéditas

Blaye-les-Mines, Cap Fréhel, Carhaix, Carmaux, Cugnaux, Galibier Serre-Chevalier, Limoux, Modane – Valfréjus, Mont des Alouettes Les Herbiers, Mûr-de-Bretagne, Olonne-sur-Mer, Passage du Gois La Barre-de-Monts, Pinerolo (Italie), Redon, Saint-Paul-Trois-Châteaux

ETAPAS

1ª Etapa:
Passage du Gois La Barre-de-Monts – Mont des Alouettes Les Herbiers (191km)

Tour - 1ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Começando normalmente com um prólogo o Tour quis alargar o naipe de possíveis vencedores. Enquanto com um prólogo o triunfo ficava resumido a maia dúzia de ciclistas, com esta fórmula o naipe alarga-se consideravelmente, dando possibilidades aos sprinters de brilhar, ou quem sabe a qualquer um dos 198 ciclistas em prova.
Com a chegada no alto de uma pequena encosta, pontuável para o Prémio de Montanha como 4ª categoria, é uma chegada para ciclistas possantes, como Thor Hushovd,  atrevidos como Voeckler, ou especialistas como Gilbert.

2ª Etapa:
Les Essarts – C/R Equipas – (23km)

Tour - 2ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

O c/relógio por equipas, embora curto e totalmente plano não dará grandes diferenças no final. Os tempos reais serão tidos em linha de conta, em relação ao quinto ciclista de cada equipa.
Como trabalho de grupo terá de existir uma interacção grande entre os especialistas do c/relógio e os restantes companheiros, de forma a não quebrar a homogeneidade da equipa. Tendo em linha as características dos ciclistas, as equipas anglo- americanas poderão ter alguma vantagem.

3ª Etapa:
Olonne-sur-Mer – Redon (198km)

Tour - 3ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Uma verdadeira etapa para sprinters, que terão de aproveitar ao máximo,porque as oportunidades neste Tour não serão muitas. Cuidados redobrados a ter por todos, será o vento que sopra dos lados marítimos, capaz de provocar as tão famigeradas “ bordures”.

4ª Etapa:
Lorient – Mûr-de-Bretagne (172km)

Tour - 4ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Uma chegada dura no Mur de Bretagne, com dois kms sempre a empinar, daquelas subidas muito ao estilo de Philippe Gilbert, que terá aqui a grande oportunidade para vencer uma etapa. Ele que quer fazer uma primeira semana de arromba.
Será um bom espectáculo de se ver, com constantes sobes e desces, tão características das clássicas belgas. Não será, com quase toda a certeza uma chegada para os puros sprinters.

5ª Etapa:
Carhaix – Cap Fréhel (158km)

Tour - 5ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Aqui está uma etapa excelente para os sprinters. Sem grandes dificuldades, inflectindo para o interior da Bretanha, fugindo dos ventos do mar, proporcionará uma chance, para assistirmos a um duelo a três: Cav, Petacchi e Husvhod?

6ª Etapa:
Dinan – Lisieux (226km)

Tour - 6ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

A etapa mais longa deste Tour, propícia a fugas lançadas de longe, num percurso algo valonado, em que a Normandia, é fértil. A grande dificuldade está centrada a 1,5 km da linha de chegada com uma dura subida de 10% de inclinação, que poderá dar nova oportunidade, porque não a Gilbert, ou mesmo a Andy?

7ª Etapa:
Le Mans – Châteauroux (215km)

Tour - 7 ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

É a etapa mais plana do Tour, numa transição para os Pirinéus. O portador da camisola amarela pertencerá, com alguma lógica a um ciclista de uma boa equipa, altura ideal para começar a desembaraçar-se deste fardo. É que o C/relógio por equipas do 2º dia fêz a selecção natural.
Os sprinters aproveitarão agora, pois aproxima-se um longo jejum a seguir. Com bonificações, Gilbert poderia ter chegada ao final desta fase com o maillot jaune, mas assim, a lógica aponta para um ciclista da Garmin, ou mesmo da HTC, de ter na sua possa o tão cobiçado símbolo.

8ª Etapa:
Aigurande – Super-Besse Sancy (190km)

Tour - 8ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Aqui começam as dificuldades, nada que possa atrasar algum favorito, mas as pernas vão começar a pesar. Os sprinters , esses, começarão o seu calvário, enquanto os trepadores e os ousados estarão como os peixes na água.
Uma montanha de 2ª categoria antecede a meta, deslumbrando-se o início da assunção das responsabilidades por parte dos favoritos.

9ª Etapa:
Issoire – Saint-Flour (208km)

Tour - 9ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Um etapa acidentada do princípio ao fim. Óptima para um ciclista possante, atrevido e que ouse afrontar os kms sem medo. Se for bem atacada, a selecção poderá iniciar-se, com alguns a perderem o combóio.
Chavanel, Voeckler, ou mesmo Rui Costa terão aqui uma oportunidade para tentarem chegar isolados à meta. É que para controlar esta etapa não será fácil só para uma equipa.

DIA DE DESCANSO

10ª Etapa:
Aurillac – Carmaux (161km)

Tour - 10ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Depois do descanso, os ciclistas costumam acusar a paragem. Nada melhor que uma etapa sem dificuldades, para permitir a entrada de novo no ritmo competitivo. Após dez dias de prova, o calor e o cansaço começam a dar os primeiros sinais de fadiga. É uma oportunidade, para aqueles que falharam o primeiro terço da prova aproveitarem. Mas as facilidades não irão ser muitas, pois s equipas com sprinters irão procurar jogar numa chegada ao sprint.

11ª Etapa:
Blaye-les-Mines – Lavaur (168km)

Tour - 11ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

O vaticínio será o mesmo da etapa anterior. Uma chegada ao sprint.

12ª Etapa:
Cugnaux – Luz-Ardiden (209km)

Tour - 12ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Uma chegada mítica a Luz Ardiden. Uma passagem pelo Tourmalet, para além de uma novidade no Tour: a inclusão de uma nova montanha, Hourquette d’Ancizan permitirão a grande selecção. Foi na chegada a Luz Ardiden que Armstrong caiu conjuntamente com Iban Mayo, em 2003 levantou-se e foi por ali fora, num autêntico espectáculo desportivo e de fair play, quando Ulrich vendo o seu rival por terra abrandou o ritmo. Um grande momento de ciclismo esse.
Mas não vivamos de saudosismos. Não tenhamos duvidas: no final de etapa os favoritos estarão no topo classificativo.

13ª Etapa:
Pau – Lourdes (156km)

Tour - 13ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

O Aubisque a cerca de 40 kms da meta. Não será pera doce. A mínima distracção poderá ser fatal para qualquer favorito. É uma etapa para aventureiros, para ciclistas de barba rija, que pode ser útil para afastar os mais incautos.
Poderá constituir um momento alto do Tour, a fisionomia da etapa poderá enganar muita gente, pois depois de passar o Aubisque, o percurso é praticamente a descer, rápido, sem grandes possibilidades de recuperação.

14ª Etapa:
Saint-Gaudens – Plateau de Beille (168km)

Tour - 14ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

É a etapa da despedida dos Pirenéus e dos bascos, que aos milhares vêm assistir á passagem do Tour. Seis contagens de montanha é um menu de primeira qualidade, para quem está sentado no sofá, de copo em punho, bem aconchegado. Diria mesmo um regalo. Não são montanhas com o esplendor de um Aubisque ou dum Tourmalet mas, são sempre seis contagens de montanha.
Será uma etapa, por isso, decisiva para os candidatos ao Prémio da Montanha mostrarem ousadia e aventurarem-se na conquista dos pontos.
Tem um atractivo suplementar: é curta e por via disso mais competitiva.

15ª Etapa:
Limoux – Montpellier (187km)

Tour - 15ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

É preciso, agora chegar rápido aos Alpes. Pelo meio do caminho fica mais uma etapa para os sprinters, a penúltima da prova e um descanso para os trepadores e os equipeirs do camisola amarela. Nesta etapa, serão os gregários dos sprinters que terão de trabalhar.

DIA DE DESCANSO

16ª Etapa:
Saint-Paul-Trois-Châteaux – Gap (163km)

Tour - 16ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Avançamos para a última semana e aproximamo-nos rapidamente dos Alpes, por uma estrada acidentada, sem grandes montanhas. As pernas essas começam a não obedecer. O sono torna-se cada vez mais pesado e inconstante, em especial nos ciclistas com menores capacidades de recuperação, que acusam o toque, também nas refeições, onde cada vez comem menos.
É uma etapa para ciclistas experientes, já com grande capacidade de sofrimento. Nesta chegada em 2003, Armstrong evitou a queda, quando Beloki caíu à sua frente, numa grande demonstração de “cross country”.

17ª Etapa:
Gap – Pinerolo (179km)

Tour - 17ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

Uma etapa dura, com uma chegada de 2ª categoria, e uma incursão em Itália, junto á fronteira em Pinerolo. Faltam poucas jornadas para o fim, as oportunidades vão escasseando, principalmente para aqueles tipos de ciclistas que nem são peixe nem são carne, isto é: não discutem um lugar nos dez primeiros mas andam a rondar por lá perto.

18ª Etapa:
Pinerolo – Galibier Serre-Chevalier (189km)

Tour - 18ªEtapa - Gráfico

Análise da etapa:

Aí temos talvez a etapa rainha. 200 km com três contagens “HC” todas acima dos 2.300 metros, finalizando na chegada mais alta de sempre na história do Tour. O mítico Galibier com os seus 2.645 metros de altitude, festejando os seus 100 anos de envolvimento com esta grande manifestação desportiva.
Nesta etapa campeões épicos irão ceder, desfalecimentos serão visíveis, e os melhores não perderão oportunidade para atacar. Um duelo Contador – Schleck em perspectiva, com mais intervenientes, mas quais: Gesink, Cadel Evans, Kloden, van den Broeck Wiggins, Gadret?

19ª Etapa:
Modane – Alpe-d’Huez (109km)

Tour - 19ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

É mesmo percurso do dia anterior mas em sentido inverso, com metada da extensão (100 kms). Mais três montanhas lendárias na história do Tour: Le Télégraphe, le Galibier e le Alpe d’ Huez. Os perigos vêm de todos os lados: os mais fracos têm pouca margem para entrar dentro do controlo e os favoritos não podem ter um momento mau nem de distracção. Etapa ideal para os trepadores que não perderão oportunidade de atacar logo de bandeirada.
Esta será, talvez, a etapa mais perigosa e traiçoeira do Tour.

20ª Etapa:
Grenoble – C/R – (41km)

Tour - 20ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

O único c/relógio individual do Tour, servirá para decidir o vencedor? Talvez não seja necessário chegar a tanto, pois a antecede-lo as dificuldades foram muitas. Um c/ relógio para especialistas? Nesta fase da prova, há muito em jogo: poderá estar o primeiro lugar, o prémio da juventude ou a classificação por equipas.
Cancellar será o favorito, mas tudo depende como as coisas estiverem. Pois numa prova por etapas, há interesses mais altos que uma simples vitória de etapa. Aqui tudo pode estar em jogo.

21ª Etapa:
Créteil – Paris Champs-Élysées (160km)

Tour - 21 ª Etapa - Gráfico

Análise da etapa:

É o dia da consagração. Felizmente curto, para que todos terminem em euforia. Será um prémio merecido: o esplendor de ter o coração de Paris ali, só para eles, os atores do maior espectáculo do mundo.
Maltratados ao longo do ano pela Imprensa e por aqueles que os deviam defender, os ciclistas recebem o apreço do público, a admiração de todos aqueles que amam o desporto e o epicismo de uma aventura de mais de 3.000 kms, tudo por causa de uma camisola amarela.

_____________________________________________________________

CURIOSIDADES

PALMARÉS :

2010 CONTADOR Alberto
2009 CONTADOR Alberto
2008 SASTRE Carlos
2007 CONTADOR Alberto
2006 PEREIRO Oscar
2005 ARMSTRONG Lance
2004 ARMSTRONG Lance
2003 ARMSTRONG Lance
2002 ARMSTRONG Lance
2001 ARMSTRONG Lance
2000 ARMSTRONG Lance
1999 ARMSTRONG Lance
1998 PANTANI Marco
1997 ULLRICH Jan
1996 RIIS Bjarne
1995 INDURAIN Miguel
1994 INDURAIN Miguel
1993 INDURAIN Miguel
1992 INDURAIN Miguel
1991 INDURAIN Miguel
1990 LEMOND Greg
1989 LEMOND Greg
1988 DELGADO Pedro
1987 ROCHE Stephen
1986 LEMOND Greg
1985 HINAULT Bernard
1984 FIGNON Laurent
1983 FIGNON Laurent
1982 HINAULT Bernard
1981 HINAULT Bernard
1980 ZOETEMELK Joop
1979 HINAULT Bernard
1978 HINAULT Bernard
1977 THEVENET Bernard
1976 VAN IMPE Lucien
1975 THEVENET Bernard
1974 MERCKX Eddy
1973 OCANA Luis
1972 MERCKX Eddy
1971 MERCKX Eddy
1970 MERCKX Eddy
1969 MERCKX Eddy
1968 JANSSEN Jan
1967 PINGEON Roger
1966 AIMAR Lucien
1965 GIMONDI Felice
1964 ANQUETIL Jacques
1963 ANQUETIL Jacques
1962 ANQUETIL Jacques
1961 ANQUETIL Jacques
1960 NENCINI Gastone
1959 BAHAMONTES Federico
1958 GAUL Charly
1957 ANQUETIL Jacques
1956 WALKOWIAK Roger
1955 BOBET Louison
1954 BOBET Louison
1953 BOBET Louison
1952 COPPI Fausto
1951 KOBLET Hugo
1950 KUBLER Ferdi
1949 COPPI Fausto
1948 BARTALI Gino
1947 ROBIC Jean
1939 MAES Sylvere
1938 BARTALI Gino
1937 LAPEBIE Roger
1936 MAES Sylvere
1935 MAES Romain
1934 MAGNE Antonin
1933 SPEICHER Georges
1932 LEDUCQ André
1931 MAGNE Antonin
1930 LEDUCQ André
1929 DEWAELE Maurice
1928 FRANTZ Nicolas
1927 FRANTZ Nicolas
1926 BUYSSE Lucien
1925 BOTTECCHIA Ottavio
1924 BOTTECCHIA Ottavio
1923 PELISSIER Henri
1922 LAMBOT Firmin
1921 SCIEUR Léon
1920 THYS Philippe
1919 LAMBOT Firmin
1914 THYS Philippe
1913 THYS Philippe
1912 DEFRAYE Odiel
1911 GARRIGOU Gustave
1910 LAPIZE Octave
1909 FABER François
1908 PETIT-BRETON Lucien
1907 PETIT-BRETON Lucien
1906 POTTIER René
1905 TROUSSELIER André
1904 CORNET (JARDY) Henri
1903 GARIN Maurice

Participação de ciclistas por nacionalidade

França 548
Itália 410
Espanha 353
Bélgica 328
Holanda 233
Alemanha 97
Suíça 84
Colômbia 68
USA 38
Russia 36
Dinamarca 35
Austrália 32
Reino Unido 30
Portugal 23
Luxemburgo 19
Polónia 16
Austria 15
Eslovénia 12
Suécia 12
Noruega 12
Irlanda 9
Kazaquistão 9
Rep.Checa 8
NovaZelândia 7
Ucrânia 7
Lituânia 6
Brasil 5
Canadá 5
Belarus 5
Latvia 5
Venezuela 4
Estonia 4
Finland 3
Japan 3
Uzbekistan 3
Mexico 3
Moldavia 2
Yugoslavia 2
South Africa 2
Argentina 1
Costa Rica 1
Kenya 1
Slovakia 1
Croatia 1

22 comentários a “Guia 98ª Volta à França”

  1. o contador se vier a melhorar o jooelho vai dar show, e estas ultimas etapas vao ser excelentes, muita emoção com 7 ciclistas aind na luta pelo tour.
    nestas 2 etapas que acabam com descidas o samuel sanchez vai atacar e o contador tbm podera faze lo para ganhar temp
    e nas chegadas em alto vai ser espetaculo com todos a querer ganhar tempo este tour apesar das quedas esta a ser muito renhido, no ano passado os duelos eram entre contador e andy.

  2. novas apostas:

    1ºAndy
    2ºCadel Evans
    3ºFrank Schleck
    4ºAlberto Contador
    5ºIvan Basso
    6ºDamiano Cunego
    7ºSamuel Sanchez
    8ºKevin De Weert
    9ºThomas Danielson
    10ºPeter Velits

    este tour é marcado por quedas sobretudo.Jeanneson para a branca

    grande Hoogerland,espero k nao desista….

  3. Classificação Final:1ºLeipheimer 2ºContador 3ºBasso 4ºCunego
    O Van den Broeck e o Vinoukourov cairam e desistiram

  4. o Greipel já deu a receita para bater cavendish….agora é tentar….Greip o cozinheiro

  5. fico feliz por ter um SUPER Evans e um OPTIMO Kloden

    o Van Den Broeck tbm está mto bem 🙂

    acho que vou mudar a classificaçao geral:
    1º Andy
    2ºEvans
    3ºVan Den Broeck
    4ºChristian Vandevelde
    5ºRobert Gesink
    6ºAndreas Kloden
    7ºDamiano Cunego
    8ºIvan Basso
    9ºFrank Schleck
    10º(uma surpresa,só nao sei se está atrasado)Kevin De Weert

    o Vinokourov acho que vai pecar,o Kreuziger nao vai estar bem na 3ªsemana,o Sanchez nao está mto bem,o Coppel nao vai estar grande coisa nas montanhas,o Martin vai falhar ou no Galibier ou no Alpe d’Huez,o Velits ainda nao tem nivel,o Hasjedal nao repete o ano passado,o Roche só deve dar para o top-15 etc.

    nao sei quem será o vencedor na montanha mas só vejo 6 possibilidades-Kevin De Weert,Anthony Charteau,Rigoberto Uran,David Moncoutie,Sylvain Chavanel e Johnny Hoogerland

  6. 1º Andy Schleck ; 2º Alberto Contador ; 3º Andreas Kloeden ; 4º Cadel Evans ; 5º Frank Schleck ; 6º Van Den Broeck ; 7º Robert Gesink ; 8º Samuel Sanches ; 9º Iban Basso ; 10º Jakob Fulsgang 😀

  7. Classificação Final:1ºLeipheimer 2º Wiggins 3ºVan den Broeck 4ºContador 5ºBasso 6ºVinokourov 7ºCunego

    Kern Abandonou. Nova classificação final

  8. Classificação Final:1ºLeipheimer 2º Wiggins 3ºVan den Broeck 4ºKern 5ºContador 6ºBasso 7ºVinokourov 8ºCunego

  9. 1º-Andy Schleck

    2º-Alberto Contador
    3º-Andreas Kloden
    4º-Janez Brajkovic 5
    º-Frank Schlek
    6º-Cadel Evans
    7º-Bradley Wiggins
    8º-Robert Gesink
    9º-Jugen Van den Broeck
    10º- Samuel Sanches

  10. eu tbm acho patrick…pessoalmente é me muito confuso deixar o leipheimer ou o samuel sanchez fora do top-10 normal de uma grande volta…como o fiz no meu prognostico…

  11. eu acho que é muito dificil prever o top10 porque penso que entre 20 e 25 ciclistas conseguem fazer top10.

  12. Só queria referir mais uma coisa: Acho que o artigo está bom, e como é claro, não se podiam referir todos os corredores de todas as equipas, mas enfim…acho que está bom e respeito muito o vosso trabalho…

  13. Meu Prognóstico:
    1- Alberto Contador
    2-Andy Shleck
    3-Cadel Evans
    4-Samuel shánchez
    5-Van Den Broeck
    6-Ivan Basso
    7-Franck Shleck
    8-Robert Gesink
    9-Bradley Wiggins
    10-Cunego
    Apesar deste meu prognostico, penso que um dos líderes da Radioshack tambem poderá entrar neste top, se algo correr mal aos outros dez….quanto à vitória final, aposto pela segurança, no Contador, mas tudo dependerá da sua forma…mas Andy de certeza que não vai querer ficar em segundo pela terceira vez…

  14. Nao queria estar a criticar a analise mas sinceramente concordo com o bruno, esta analise esta incompleta e tem algumas falhas.

    Quanto ao Tour espero que seja emocionante como sempre.
    Teremos uma primeira semana muito boa com aquelas subidas ao estilo de Gilbert e a partir dai teremos muitas etapas de montanha que serao bastante interessantes tambem.

    Olhando a nomes penso que Andy Schleck e Contador sao favoritos claro, sendo que eu espero que o espanhol nao acuse o esforço do Giro nomeadamente na ultima semana que sera dura.

    Numa segunda linha penso que vem Gesink, Evans, Van den Broeck , Kloden e Ivan Basso que sao os candidatos ao podio a meu ver.

    De seguida temos os candidatos a top-10 como Wiggins, Kreuziger, Leipheimer, Brajkovic, Horner, Cunego, Martin , Van de Velde ou Franck Schleck.

    Tendo em conta que nem todos estes estarao no top-10 porque ha sempre desilusoes e algumas surpresas avanço com o meu top-10:
    1º Contador
    2º Andy Schleck
    3º Evans
    4º Kloden
    5º Gesink
    6º Van den Broeck
    7º Ivan Basso
    8º Franck Schleck
    9º Tony Martin
    10º Kreuziger

    E esta a minha aposta embora deixe de fora nomes importantes como Horner, Leipheimer e Brajkovic da Radioshack que ate poderao ser os lideres da equipa com o decorrer da prova embora eu ache que Kloden e mais forte, Cunego, Van de Velde, Peraud, L.L.Sanchez, Karpets ou Arroyo e Vinokourov ou Wiggins que nao me encanta.

  15. pessoalmente acho que a receita para vencer no alpe d’huez era ter 2 ciclistas da equipa em fuga e atacar no galibier…….
    aqui vai o meu prognostico:
    1º-Andy Schleck
    2º-Jurgen Van Den Broeck
    3º-Robert Gesink
    4º-Alberto Contador
    º-Ivan Basso
    6º-Christian Vandevelde
    7º-Bradley Wiggins
    8º-Damiano Cunego
    9º-Frank Schleck
    10º-Andreas Kloden

  16. vandevelde e hasjedal na garmin,taaramae na cofidis,geisnk na rabopbank,inclusivamente peraud na ag2r serao desconhecidos???fdx……lembram-se do leon sanchez e do mollema e nao se lembram do gesink que grande analise……

Os comentários estão fechados.