Amaro Antunes ganha etapa e sobe um lugar

O português Amaro Antunes bateu toda a concorrência na quinta e última etapa da Toscana – Terra de Ciclismo. O algarvio atacou nos últimos dez quilómetros, na companhia do suíço Sebastien Reichenbach. O duo nunca mais foi alcançado. Na luta a dois pelo triunfo parcial o ciclista da Selecção Nacional/Liberty Seguros não deu hipóteses e pôde comemorar o sucesso que lhe valeu a subida ao nono lugar da geral, ganha surpreendentemente pelo austríaco Georg Preidler.

Os derradeiros 145 quilómetros da competição, entre Subbiano e Gaiole in Chianti, incluíam cerca de 20 da chamada “strade bianche”, ou seja, troços de terra. Estas condições prometiam emoção e temia-se que qualquer infortúnio pudesse ser determinante para o resultado final. Foi o que sucedeu ao líder à partida, o italiano Fabio Aru. O corredor transalpino caiu nas últimas centenas de metros e cortou a meta a pé. Foi-lhe aplicado o mesmo tempo do grupo em que vinha integrado, mas como estava empatado em tempo com Georg Preidler, acabou por perder a corrida devido ao critério de desempate: o lugar na última etapa.

A Selecção Nacional/Liberty Seguros, com a lição bem estudada, não se deixou surpreender pelas dificuldades desta etapa épica. José Gonçalves, o atacante de serviço, envolveu-se em alguns ataques ao longo da viagem. Mas foi o chefe-de-fila, Amaro Antunes, que deu o golpe de misericórdia. O natural de Vila Real de Santo António atacou nos últimos dez quilómetros, resistiu à perseguição do que restava de pelotão na companhia de Reichenbach e ainda teve forças para se libertar do helvético nos metros finais, conseguindo um triunfo de prestígio, nesta prova da Taça das Nações.

O resultado de Amaro Antunes foi fruto do trabalho colectivo, pois o português foi um dos ciclistas que furaram num dos troços de terra. “Quando se preparava para atacar, teve um furo. Valeu-lhe o Guilherme Lourenço que lhe deu a roda e lhe permitiu reintegrar-se no grupo da frente”, conta o seleccionador nacional, José Poeira, “impressionado” com a corrida a que assistiu: “Era tanto pó, quedas, furos… Foi muito mais difícil do que poderíamos imaginar. Parecia o ciclismo dos anos 30”.

Além de ganhar a etapa, Amaro Antunes viu premiada a ousadia com a subida na classificação geral. Passou de décimo para nono. “Preparei a época a pensar nesta corrida. O senhor Poeira apostou em mim e os meus colegas ajudaram-me sempre, pois sem eles não conseguiria a vitória na etapa e o lugar no top 10. Estou muito feliz e dedico este resultado àqueles que sempre me apoiaram e não aos outros, que são mais, que me tentaram deitar abaixo”, afirmou, depois de subir ao pódio, Amaro Antunes.

“Cumprimos inteiramente os objectivos a que nos propusemos. Discutimos a corrida, conseguimos um lugar nos dez primeiros e ainda ganhámos uma tirada, feito que, a este nível, é muito difícil, já que defrontámos selecções e adversários muito poderosos”, resume José Poeira.

Finda a participação nesta corrida da Taça das Nações, a comitiva portuguesa permanece em Itália até segunda-feira, dia em que a Selecção Nacional/Liberty Seguros participa, em Roma, no GP della Liberazione. Trata-se de uma corrida comemorativa do 25 de Abril, que, em Itália como em Portugal, é o Dia da Liberdade. O GP della Liberazione corre-se em circuito, no centro de Roma, totalizando 138 quilómetros.

CLASSIFICAÇÕES
5.ª Etapa: Subbiano – Gaiole in Chianti, 145 km

1º Amaro Antunes (Portugal), 3h40m53s (Média: 39,387 km/h)
2º Sebastien Reichenbach (Suíça), a 1s
3º Larry Warabasse (EUA), a 5s
4º Salvatore Puccio (Itália), mt
5º Alexei Lutsenko (Cazaquistão), mt
28º José Gonçalves (Portugal), mt
30º Daniel Freitas (Portugal), mt
52º Guilherme Lourenço (Portugal), a 5m32s

Geral Individual
1º Georg Preidler (Áustria), 18h30m37s
2º Fabio Aru (Itália), mt
3º David De La Cruz (Espanha), a 27s
4º Salvatore Puccio (Itália), a 28s
5º Grmaytsgabu Gebremaryam (Etiópia, Equipa Mista), a 45s
9º Amaro Antunes (Portugal), a 1m23s
33º José Gonçalves (Portugal), a 8m20s
63º Guilherme Lourenço (Portugal), a 22m59s
75º Daniel Freitas (Portugal), a 32m15s

Fonte: UVP-FPC

16 comentários a “Amaro Antunes ganha etapa e sobe um lugar”

  1. Sr. Paulo Marinheiro, arranje você uma vida e deixe de viver a vida do seu filho.. Acredito que muitas vezes ele prefira que voce esteja caladinho em vez de vir por o nome dele aqui neste “lamaçal”… Tenha mas é vergonha e pense bem antes de falar, porque sem apoiantes nao ha ciclismo!

  2. Apoiado Paulo Marinheiro.Aqueles que para aqui vêm dizer mal só podem ser ciclistas frustrados.

  3. afinal o Amaro Antunes também é português?!!! aguenta-te rapaz, porque agora estás a enraivecê-los…

  4. mario, com esse texto dizes tudo… representas os burros… quem NÃO SABE não fala. Aprendeste algo agora? Para a próxima é igual, fazes igual, tu e os outros “pequenitos” ou então os atletas têm que vir aqui expor os planos de picos de forma para acalmar os tipos que “não gostam deles” (como se os atletas se devessem importar com os que gostam e os que não gostam… como se cada um de nós tivesse que gostar ou não da performance laboral de cada tipo daqui do JC o da do vizinho… cada um sabe de si ou pensam que atleta é propriedade pública? Atleta é só um tipo predestinado física e mentalmente para ser mais forte que os apoiantes… cobrar andamentos e performances? Cobrar humildade para que vocês gostem deles tipo, se queres apoiantes rasteja? … acordem pá, eles fazem aquilo com o esforço deles e apenas para eles (quando vencem dão um bocadinho a quem os ajuda e nem sequer pensam em vocês pá, acordem prá vida pá, resignem-se à vossa fraca e vazia vidinha de comentadores pá, não pensem é que eles pedalam para vós pá ou para vos contentar ou conquistar pá, eles odeiam-vos pá, vocês os “exigentes comentadores” que eles nem conhecem são a parte negra do desporto deles, a parte nojenta da vida feliz que eles levam a fazer o que gostam pá!!! Deixem-nos em paz pá… vão pedalar e esforcem-se vocês, há corridas para tipos desde os 8 aos 80, pedalem pá e ganhem vocês pá, ou percam ou sejam seleccionados, ou não… ARRANJEM UMA VIDA… deixem de viver a dos outros pá…

  5. pois eu compreendo que se deve dar os louros a quem ganha . mas os 10 ou 12 melhores sub-23 que temos por ca tambem se devia dar oportunidades e são sempre para os mesmos a irem la , mesmo quando estão mal . e depois vem agradecer por os terem levado quando não mereciam la ir . este seleccionador numa equipa de sub-23 não se safava , mas a mamar e a gastar a nossa conta e a levar os amigos la vai indo .

  6. Tenho a dar os meus parabens ao Amaro, e gostei da declaração dele . . . pois como disse a uns dias nao merecia la estar atendendo aos resultados, mas pelos vistos andou.se a preparar e o seleccionador sabia, assim sendo percebo perfeitamente e orgulho-me deste grande resultado. Não sabendo disto e normal que fale pois não era correcto, mas atendendo a que se andou a preparar e compreensivel, pois preparou-se e apresentou resultados. Os meus grandes parabens Amaro. Espero que proves tambem aqui em Portugal o teu valor

  7. concordo com tudo o que se diz por ca , mas o amaro podia estar mais bem acompanhado nesta prova , ou o poeira tem medo de levar la outros que podem ser melhores que ele , e depois ele não sobresai tanto . pois temos bons valores que não vão la porque o poeira não gosta tanto deles . Luis Afonso , Frederico Figueiredo e mais como podem ver nas provas que fazem por ca com os profissionais . Ja agora os atletas tem que saber viver com aqueles que gostam deles e com aqueles que nao gostam deles , isto e ser humilde . e a humildade faz parte dos grandes atletas , porque so assim conquistamos os que nao gostam de nos . o amaro respondeu daquela maneira mas ele sabe muito bem que outros camaradas de estrada poderiam la estar e nao estao . pois eu nao o tenho como burro , mas o poeira e burrooooooooooooo , porque poderia-mos fazer melhor .

  8. Parabens Amaro, sem espinhas, eu que nunca nadei de bicicleta e estou sentado no sofa, acertei que eras um grande ciclista, parabens Poeira demonstra inteligencia e conhecimento ao convocar este jovem, parabens aos dois. Quanto aos mas linguas neste momento estão a pensar que realmenta a ma conduta e muitas outras coisas não valem mesmo a pena…

  9. MUITOS PARABÉNS, SR. AMARO ANTUNES!!!

    Como indiscutível apoiante deste ciclista, nas horas das vitórias ou nas outras todas, permito-me desfrutar um pedacinho desta sua dedicatória de vitória de etapa. Muito obrigado por se lembrar ‘da malta’ amiga nessa doce hora de saborear a vitória!

    Sendo certo que o ciclismo de estrada faz depender em muito do trabalho de equipa, mais uma vez se provou a importância duma liderança que permitiu criar neste grupo de jovens o espírito necessário à entreajuda quando ela foi mais necessária. Foi um prazer ler na notícia, a disponibilidade demonstrada pelo jovem Guilherme Lourenço em ceder de imediato uma roda ao seu colega melhor colocado na Geral, para que este lograsse continuar com o grupo da frente, facto que merece se sublinhado e devidamente agradecido. Embora seja frequente assistirmos a este tipo de apoio nas provas televisionadas, normalmente tratam-se de ciclistas duma mesma equipa profissional que treinam, convivem e procuram atingir objetivos com muito mais entrosamento do que aquele que poderia suceder num grupo destes, que se junta quase em cima do evento para representar uma seleção onde a juventude e adrenalina do momento poderia desnortear este bom critério revelado. Parabéns à equipa e seus mentores por este bem agir!
    Relativamente ao Sr. Amaro Antunes, pouco mais há a acrescentar, uma vez que os factos falaram por ele. Ainda tocado por um resfriado recente, a sua performance pela seleção corria o risco de vir a decorrer uns furos abaixo do que veio a suceder, para satisfação de todos quantos apreciam o ciclismo luso. Mas também posso permitir-me acreditar – lendo as suas declarações no final da última etapa – que as ‘bocas’ despeitadas vindas a público para denegrir a sua imagem com atleta e como pessoa, só o terão estimulado a inventar forças para além dos demais competidores e assim ganhar com todo o brilho e glória a derradeira etapa desta prova onde todos os países gostariam de ver filhos seus ganhar. Por isso, a todos quantos fizeram o favor de se expor ao ridículo falando mal do Sr. Amaro Antunes, enquanto admirador do homem e do atleta só tenho a agradecer as torpes palavras de que ele terão chegado, e que melhor resposta seria difícil imaginar.
    Já para aqueles que – como este medíocre ciclista que isto escreve – admiram a postura, o espírito de sacrifício, o ‘bom moço’ que ele é e o muito que tem para dar ao ciclismo, a esses deixo um piscar de olho cúmplice, de gentes que gostam de ver ciclismo interpretado por bons atletas e boas pessoas, que às vezes nos parecem super-heróis mas são de carne e osso como todos nós, e sentem cada apoio e cada pedrada como todo o mortal.
    Bem hajam pelo vosso apoio aos bons ciclistas, e ao Sr. Amaro Antunes em especial! Saúde e boas voltas, meus amigos!

  10. Sendo certo que o ciclismo de estrada faz depender em muito do trabalho de equipa, mais uma vez se provou a importância duma liderança que permitiu criar neste grupo de jovens o espírito necessário à entreajuda quando ela foi mais necessária. Foi um prazer ler na notícia, a disponibilidade demonstrada pelo jovem Guilherme Lourenço em ceder de imediato uma roda ao seu colega melhor colocado na Geral, para que este lograsse continuar com o grupo da frente, facto que merece se sublinhado e devidamente agradecido. Embora seja frequente assistirmos a este tipo de apoio nas provas televisionadas, normalmente tratam-se de ciclistas duma mesma equipa profissional que treinam, convivem e procuram atingir objetivos com muito mais entrosamento do que aquele que poderia suceder num grupo destes, que se junta quase em cima do evento para representar uma seleção onde a juventude e adrenalina do momento poderia desnortear este bom critério revelado. Parabéns à equipa e seus mentores por este bem agir!
    Relativamente ao Sr. Amaro Antunes, pouco mais há a acrescentar, uma vez que os factos falaram por ele. Ainda tocado por um resfriado recente, a sua performance pela seleção corria o risco de vir a decorrer uns furos abaixo do que veio a suceder, para satisfação de todos quantos apreciam o ciclismo luso. Mas também posso permitir-me acreditar – lendo as suas declarações no final da última etapa – que as ‘bocas’ despeitadas vindas a público para denegrir a sua imagem com atleta e como pessoa, só o terão estimulado a inventar forças para além dos demais competidores e assim ganhar com todo o brilho e glória a derradeira etapa desta prova onde todos os países gostariam de ver filhos seus ganhar. Por isso, a todos quantos fizeram o favor de se expor ao ridículo falando mal do Sr. Amaro Antunes, enquanto admirador do homem e do atleta só tenho a agradecer as torpes palavras de que ele terão chegado, e que melhor resposta seria difícil imaginar.
    Já para aqueles que – como este medíocre ciclista que isto escreve – admiram a postura, o espírito de sacrifício, o ‘bom moço’ que ele é e o muito que tem para dar ao ciclismo, a esses deixo um piscar de olho cúmplice, de gentes que gostam de ver ciclismo interpretado por bons atletas e boas pessoas, que às vezes nos parecem super-heróis mas são de carne e osso como todos nós, e sentem cada apoio e cada pedrada como todo o mortal.
    Bem hajam pelo vosso apoio aos bons ciclistas, e ao Sr. Amaro Antunes em especial! Saúde e boas voltas, meus amigos!

  11. É pena que nestas situações o nosso espírito latino em vez de ignorar, se lembre dos que rastejam na lama (porcos), mas entendo as declarações do jovem e admiro-as admirando-o ainda mais pela frontalidade e valentia… ele é latino e como tal não se podia esquecer de muitos tipos que por aqui rastejam. 

Os comentários estão fechados.