Pelotão português de 2011 visto à lupa

O Jornal Ciclismo apresenta-lhe o pelotão nacional de 2011, composto – por enquanto – por 44 corredores, divididos proporcionalmente pelas quatro equipas continentais lusas. Mantém-se a tendência para a diminuição do número de equipas e da quantidade de ciclistas profissionais, assim como continua a aumentar o peso percentual dos ciclistas portugueses face aos forasteiros.

José Carlos Gomes

O pelotão profissional português de 2011 tem menos 12 elementos do que o do ano anterior, reflexo da saída de cena da equipa de Loulé, que baixou ao escalão das equipas de clube.

Os corredores estão em maioria, o que, aliás, é uma obrigação regulamentar. Mantém-se a tendência para recorrer ao “produto nacional”, que se verifica nas últimas quatro épocas. Em 2008, a percentagem de ciclistas lusos sobre o total dos corredores das equipas portuguesas não ia além dos 67 por cento. Subiu para 71 por cento em 2009, cresceu para 80 por cento em 2010 e colocou-se nos 81,8 por cento em 2011. O Tavira-Prio e a LA-Antarte-Rota dos Móveis, com um estrangeiro cada, são os blocos mais nacionalistas, em contraste com a Onda-Boavista, em que só 63,6 por centos dos efectivos nasceram aquém-fronteiras.

A média etária do pelotão nacional será em 2011 de 26,9 anos. A equipa mais jovem é a boavisteira – média de 26,3 anos – logo seguida pelos tavirenses. O corredor mais jovem é Daniel Freitas (Barbot-Efapel), que tem 20 anos e ganha em juventude a Bruno Borges (Onda-Boavista) por 40 dias. No pólo oposto, Nelson Vitorino (Tavira-Prio) herda de Joaquim Sampaio, que abandonou a bicicleta, o estatuto de mais experiente, já somando 36 primaveras. O algarvio pode perder a “honra” um colega de equipa, caso se confirme a renovação de contrato com Cândido Barbosa.

Barbot-Efapel
Média de Idades: 27,4 anos
Percentagem de portugueses: 81,8%

António Amorim, 26 anos
Bruno Pinto, 26 anos, ex-CC Loulé-Louletano-Orbitur-Aquashow
Carlos Baltazar, 24 anos
César Fonte, 25 anos
Daniel Freitas, 20 anos, Suspenso em 2010
Filipe Cardoso, 27 anos, ex-LA-Paredes Rota dos Móveis
Raul Alarcón, 25 anos, ex-Asfaltos Guerola
Rui Sousa, 35 anos
Santiago Pérez, 34 anos, ex-CC Loulé-Louletano-Orbitur-Aquashow
Sérgio Ribeiro, 31 anos
Sérgio Sousa, 28 anos, ex-Madeinox-Boavista

LA-Antarte-Paredes Rota dos Móveis
Média de Idades: 27,3 anos
Percentagem de portugueses: 90,9%

Amaro Antunes, 21 anos, ex-LIberty Seguros/SM Feira
Bruno Sancho, 26 anos
Bruno Silva, 23 anos, ex-Aluvia/Valongo
Edgar Pinto, 26 anos,
Hernâni Broco, 30 anos,
Hugo Sabido, 32 anos
Hugo Sancho, 29 anos, ex-Mortágua/Basi
Márcio Barbosa, 25 anos
Miguel Ángel Candil, 28 anos
Rui Vinhas, 25 anos, ex-Aluvia/Valongo
Vergílio Santos, 35 anos

Onda-Boavista
Média de Idades: 26,3 anos
Percentagem de portugueses: 63,6%

Alberto Morrás, 24 anos
Alejandro Marque, 30 anos, ex-Palmeiras Resort-Prio-Tavira
Bruno Borges, 20 anos, ex-ASC/VItória/RTL
Bruno Lima, 26 anos, ex-Barbot-Siper
Célio Sousa, 34 anos
Daniel Silva, 26 anos, ex-CC Loulé-Louletano-Orbitur-Aquashow
Delio Fernández, 25 anos, ex-Xacobeo Galicia
Hélder Oliveira, 28 anos, ex-Barbot-Siper
Jon Pardo, 23 anos, ex-Seguros Bilbao
João Cabreira, 29 anos, Suspenso em 2010
Ricardo Vilela, 24 anos

Tavira-Prio
Média de Idades: 26,7 anos anos
Percentagem de portugueses: 90,9%

André Cardoso, 27 anos
Daniel Mestre, 25 anos
David Livramento, 28 anos
Diogo Nunes, 22 anos, ex-CC Tavira sub-23
Henrique Casimiro, 25 anos
João M. Pereira, 22 anos, ex-CC Tavira sub-23
Luís Silva, 27 anos
Ricardo Mestre, 28 anos
Nelson Vitorino, 36 anos
Samuel Caldeira, 26 anos
Tomás Swift-Metcalfe, 28 anos

Nota: As idades dos corredores são aquelas que a UCI considera para efeitos regulamentares. Ou seja, cada ciclista é apresentado com a idade que completa em 2011.

Foto: Paulo Cunha/PAD-JLS

11 comentários a “Pelotão português de 2011 visto à lupa”

  1. este ano as coisas vao ser diferentes para o tavira vai estar mais atentos para entrar nas fugas alguem vai ter de trabalhar e levar a corrida agora nao vao estar no sofa as outras equipas este ano vao ter que dar ao pedal se querem ganhar corridas

  2. OH mmpm!! o chefe de fila do Tavira – Prio vai ser o Ricardo Mestre ele é bom trepador e bom contra-relogista.

  3. ò mpnm….o cardoso como chefe de fila…vamos ver o k???vitoria na torre???o cabreira ganhava na torre se o ribeiro nao tivesse dopado….se nao fosse o dopado do nuno ribeiro quem ganhava a volta era o cabreira…..

  4. desculpa la bruno mas a melhor e a tavira-prui
    tem o melhor ciclista na montanha a correr em portugal andre cardozo
    se nao fosse ele o david blanco nao tinha ganho a volta a portugal
    este aon todos vao ver o verdadeiro andre cardozo
    como chefe de fila

  5. a melhor equipa é a onda!!joao cabreira,delio fernandez e daniel silva para atacar a montanha sendo apoiados por helder oliveira e alejandro marque!!!

Os comentários estão fechados.