Michael Rasmussen lidera equipa continental dinamarquesa

O dinamarquês Michael Rasmussen é o principal rosto da equipa continental patrocinada pela Christina Watches que estará na estrada em 2011. O projecto é de médio prazo, pretendendo subir patamares até permitir ao corredor regressar à Volta a França em 2016, embora ao volante do carro da equipa.

O lema do novo conjunto é “todos merecem uma segunda oportunidade”, o que deverá reflectir-se nas contratações a anunciar. Além de Rasmussen, expulso do Tour de 2007, quando vestia a camisola amarela,  espera-se a assinatura de outros ciclistas com passado nubloso. Se assim for, poderemos assistir a uma sequela da Rock Racing, que também nasceu com ambição, contratou ciclistas saídos de casos polémicos, mas acabou sem honra nem glória. Não é essa a intenção de Rasmussen e da empresa que o apoia nesta iniciativa.

A nova equipa nasce das cinzas da Team Stenca Trading M1, projecto continental dinamarquês cuja licença e equipamento logístico foi comprado pela firma Christina Watches, que vai contar com o patrocínio de outra empresa que tem marcado presença no pelotão continental, a Designa Køkken. A ideia é permanecer duas temporadas na terceira divisão e três no escalão seguinte, antes de requerer o estatuto ProTour.

Michael Rasmussen tem 36 anos e ficou com a carreira marcada pela expulsão da Volta a França de 2007, por ter mentido sobre a sua localização durante a preparação da corrida, alegadamente para dificultar a acção das brigadas de controlo surpresa. Na sequência desse caso, foi suspenso por dois anos. Regressou em 2009 pela mexicana Tecos-Trek, tendo vestido em 2010 a camisola da Miche-Silver Cross. No presente defeso negociou a entrada na Saxo Bank-Sungard. Gorada essa hipótese, aparece como rosto da Christina Watches.

Foto: GSL

10 thoughts on “Michael Rasmussen lidera equipa continental dinamarquesa”

  1. Melhor do Mundo ALBERTO CONTADOR, voces sao uns invejosos, meu deus ningem teve culta nungem lhe ofreceu nada lutou para ganhar!

    E MESMOS ciclistas de meia tijela!

  2. 1º O controlo foi confirmado pelo presidente da Agência francesa anti-dopagem, portanto não foi nenhum tablóide disfarçado. Mais uma vez, informa-te melhor. 2º A competência jurídica do teste é tão nula, que um companheiro de equipa de Rasmussen(Thomas Dekker) foi apanhado 3 meses depois do dinamarquês num controlo exactamente à mesma substância e consequentemente suspenso por 2 anos…tal como o dinamarquês(embora este último nem sequer tenha sido suspenso por isso porque já o estava).3º As tais “instâncias” competentes de que falas castigaram Rasmussen por 2 anos de suspensão, portanto esse argumento vai desde logo à vida.

    Já agora que idade tens? 5? Antes de insultar os outros(que foi a única coisa que fizeste nesse post), procura expressar a tua discordância em relação às opiniões contrãrias(que neste caso são factos, ou queres que te meta um link aqui com a entrevista do presidente da AFAD??) através de argumentos minimamente credíveis e lógicos em vez de o fazer em frases que com uma simples pesquisa na net qualquer pessoa pode facilmente provar serem falsas. Talvez aí eu te leve a sério.

  3. David, ou és mentiroso ou mal intencionado.

    “Acusar” significa que teve controlo positivo em ou fora de competição. Controlo esse regulamentado e autorizado pelas instâncias competentes. “Acusar” não é ser “controlado” por tablóides disfarçados como o L’Equipe e cuja competência jurídica é nula.

    Portanto, caro aldrabão com aspirações a manipulador de factos, informa-te melhor.

  4. Nunca acusou positivo? Informem-se melhor. Ele deu 2 controlos positivos a Dynepo no Tour de 2007.

  5. ofreceram o tour de 2007 ao contador sem que ficasse provado que este senhor tivesse acusado algo

    e agora serão eles capasses de dar o tour de 2010 ao schleck ???

  6. verdade seja dita, cumpriu dois anos mas nunca acusou positivo… tem toda a legitimidade para voltar… ainda mais com um projecto a cinco anos… tomara haver mais cinco ou seis assim…

  7. Este CR foi épico enquanto tragicomédia. Já o Rasmussen mereçe os parabéns pois parece ter olho para o negócio. Ter-se-à tornado sócio dessa Christina que faz relógios imbutidos com diamantes com grande sucesso, e agora tem dinheiro para criar a própria equipa.

  8. O verdadeiro vencedor do Tour de 2007…

    Porque paranóia não significa eficácia…

Os comentários estão fechados.