Nelson Oliveira já é quinto na Volta a França do Futuro

O português Nelson Oliveira aproveitou a segunda etapa da Volta a França do Futuro para subir à quinta posição da geral individual, a 21 segundos do britânico Alex Dowsett, que é o novo camisola amarela. Oliveira foi o 29.º na tirada, ganha pelo francês Anthony Delaplace, ao cabo dos 150,5 quilómetros, percorridos entre Saint-Amand-Montrond e Cusset. Queda atira Taylor Phinney (EUA) da primeira para a última posição da geral.

A tirada ficou marcada pela chuva e por uma fuga madrugadora que deu frutos. Com apenas dez quilómetros percorridos, três corredores abalaram do pelotão. Anthony Delaplace (França A), Bert-jan Lindeman (Holanda) e Jorgensen (Dinamarca) arriscaram e lutaram contra o mau tempo, as dificuldades da estrada e a perseguição movida pelas selecções dos Estados Unidos e da Austrália.

Com cinco prémios de montanha – todos de terceira e de quarta categoria – nos últimos 45 quilómetros, previa-se vida difícil para os fugitivos, que chegaram a ter 2m45s. O dinamarquês acabou mesmo por não ter pernas para seguir com Delaplace e com Lindeman, devido a uma queda. Mas o francês e o holandês conseguiram manter uma ligeira vantagem que lhes permitiu adiantados, com destaque para o homem da casa, que se impôs com cinco segundos de vantagem sobre o companheiro de aventura.

O sucesso da fuga esteve intimamente ligado às muitas quedas que se sucederam nas estreitas e sujas estradas de montanha dos últimos quilómetros. A estrada molhada e as folhas tombadas fizeram do asfalto uma armadilha. O mais prejudicado foi o camisola amarela à partida. Taylor Phinney caiu, foi o último na tirada, cedendo 19m10s, e desceu de primeiro para lanterna vermelha da competição. O português Bruno Silva, que já ontem batera com o corpo no chão, também tombou. Mais sorte teve Amaro Antunes, que furou já dentro dos derradeiros três quilómetros, sendo-lhe atribuído o tempo do grupo principal.

“Esta etapa teve muitas quedas. Além da colocação e da capacidade física, estar na frente dependeu da sorte. Em estradas estreitas, se alguém vai ao chão, os que estão próximos não conseguem desviar-se e acabam também por sofrer acidentes ou, no mínimo, por ficar presos nos ‘cortes’. O Bruno Silva está num bom momento, mas o azar persegue-o. Caiu ontem e hoje também. O Amaro Antunes está bem colocado e o Nelson Oliveira tem correspondido às expectativas, conseguindo manter-se na frente nos momentos decisivos”, avalia o seleccionador nacional, José Poeira.

Amanhã corre-se a terceira etapa, primeira com final em alto. A caravana vai deslocar-se de Saint-Pourçain-sur-Sioule para o Col du Béal, numa estirada de 157 quilómetros. Duas contagens de montanha de terceira categoria sensivelmente a meio da jornada não deverão fazer mossa, ao contrário das duas subidas finais. As escaladas decisivas são o Col du Chansert (2.ª categoria, km 129), que está separado por uma sinuosa descida du Col du Béal, primeira categoria, coincidente com a chegada.

“Vai ser um dia muito duro, até porque a chuva voltará a marcar presença, prevendo-se até que com maior intensidade do que hoje e ontem. A fase final vai estabelecer as primeiras diferenças significativas. Os nossos corredores estão bem. Acredito que sairemos desta jornada na luta pelos postos cimeiros. A selecção colombiana aparenta ter ambições e amanhã é de crer que ataque a corrida. Para nós seria bom que chegassem à camisola amarela. Desse modo queimariam energia nos dias seguintes, defendendo a liderança, acabando por ficar mais fragilizados para as duas últimas etapas”, afirma José Poeira.

CLASSIFICAÇÕES
2.ª Etapa: Saint-Amand-Montrond – Cusset, 150,5 km

1º Anthony Delaplace (França A), 3h53m21s
2º Bert-jan Lindeman (Holanda), a 5s
3º Romain Hardy (França A), a 8s
4º John Degenkolb (Alemanha), mt
5º Vicente García de Mateos (Espanha), mt
6º Pieter Serry (Bélgica), mt
7º Jonathan Fumeaux (Suíça), mt
8º Sebastian Lander (Dinamarca), mt
9º Michal Kwiatkowski (Polónia), mt
10º Yoann Barbas (França B), mt
29º Nelson Oliveira (Portugal), mt
69º Guilherme Lourenço (Portugal), a 1m09s
70º Bruno Silva (Portugal), a 1m14s
71º Amaro Antunes (Portugal), a 8s
84º Domingos Gonçalves (Portugal), a 2m24s
91º Joni Brandão (Portugal), a 3m06s

Geral Individual
1º Alex Dowsett (Grã-Bretanha), 7h39m35s
2º Miachel Matthews (Austrália), a 1s
3º Anthony Delaplace (França A), a 14s
4º John Degenkolb (Alemanha), a 15s
5º Nelson Oliveira (Portugal), a 21s
6º Jesús Herrada (Espanha), a 22s
7º Blaz Jarc (Eslovénia), a 24s
8º Geoffrey Soupe (França A), mt
9º Loic Desriac (França B), a 26s
10º Nairo Quintana (Colômbia), a 27s
53º Amaro Antunes (Portugal), a 55s
73º Bruno Silva (Portugal), a 1m50s
77º Guilherme Lourenço (Portugal), a 2m10s
82º Domingos Gonçalves (Portugal), a 3m12s
85º Joni Brandão (Portugal), a 3m41s

Foto: ASO/P. Perreve

19 comentários a “Nelson Oliveira já é quinto na Volta a França do Futuro”

  1. Nelson Oliveira é o corredor mais talentoso da geração dele e o que tem maior margem de progressão de todos os que actuam no estrangeiro.
    Já se sabe que muita gente que aqui comenta sente sp uma dor perto do cotovelo quando vêm um Português a brilhar lá fora, mas apesar de tudo isso ele mantem-se a msm pessoa humilde que era a 3 ou 4 anos.
    Abstraindo-me de todos os outros resultados, so tenho uma coisa a dizer: Vice-campeão do mundo de CRI e medalha de bronze e prata nos europeus. Isto fala por si. Fico á espera do ultimo talento Português a conseguir algo assim.

  2. Donde estao agora os que criticavam o Nelson Oliveira?por enquanto esta a dar que falar,por agora 5 na geral e melhor portugues,nao se esqueçam que na volta a portugal no crono ficou em 5 sendo ate o melhor portugues.Gostaria que a Radio Renascença falasse tb desta prova que tem bem mais portugueses e a fazer melhor que aquela que faz referencia nas noticias (Vuelta a España).

  3. RafaelB’ > Taylor Phinney caiu, foi o último na tirada, cedendo 19m10s, e caiu de primeiro para lanterna vermelha da competição.

    ninguém é imune às quedas.

  4. este ultimo ……paulo ……não é o mesmo que este –PAULO— nada me move contra o ultimo . —- paulo. mas cada um en su sitio. Sempre ao dispor pra tirar duvidas e eslarecer , um abraço

  5. ò boneco amarelo era bom , mas eu acredito mais no amaro antunes .
    pois eu fiquei contente com a derrota da seleção frente a NORUEGA . pois tenho que dar razão ao Carlian ……………………………..

  6. E ACHAM QUE ELE VAI AQUECER O LUGAR????ERA BOM ERA!!!!MAS VAI PULAR DE LÁ E BEM DEPRESSA!!!
    CARLIAN:ainda te “chateias” com os jornais???Não percas tempo!!!!

  7. Para quem falava mal do Nelson no prologo, cá está mais uma excelente resposta, pouco e pouco vai chegando ao pódio. Parabéns

  8. Os parabéns aos nossos atletas, que louvam o desporto portugues, mas mais uma vez não tem uma página do jornal abola, que tratam da merda de nojo da selecção do futebol, porque o record e a bola não mudam o nome para tv7dias e lux, pois não tratam o nosso desporto como ele merece ser tratado, e prejudicam quem merece um destaque pelo esforço e dedicação por nos portugueses

  9. Que bom para o ciclismo português!!!
    Este Nelson pode estar no Pro Tour daqui a poucos anos. Gostaria imenso que ele ficasse bem no ultimo contra relogio, que é perfeito para ele.
    Já agora queria felicitar o sr. Jose Carlos Gomes e o jornal ciclismo por todas as noticias que nos trazem.
    continuem com este excelente trabalho!
    😀

Os comentários estão fechados.