Volta a Portugal perde audiência face a 2009

A 72.ª Volta a Portugal, que se disputou de 4 a 15 de Agosto, teve uma quebra de audiência televisiva face à edição transacta. Em média, cada etapa foi seguida por 473 mil espectadores da RTP1, uma quebra de quase 50 mil pessoas face ao ano ano anterior.

As audiências da Volta a Portugal de 2010 começaram em alta, com a corrida a ter o segundo melhor desempenho televisivo dos últimos seis anos até ao dia de descanso. No entanto, a partir da jornada de repouso, a falta de emoção e de incerteza quanto ao vencedor e a ausência de uma figura portuguesa de referência com possibilidades de chegar à camisola amarela contribuíram para que não se registasse qualquer “pico” de audiência. O facto de as tiradas serem transmitidas em simultâneo pela RTPN também poderá ter ajudada à quebra, pois dividiu a procura pelos dois canais.

A audiência média de cada tirada foi de 5 por cento, correspondentes aos 473 mil espectadores. Apesar de ter cativado menos pessoas, a Volta a Portugal foi líder de audiência todos os dias no horário em que foi para o ar. O share médio ascendeu a 33,65%, o que significa que, diariamente, um terço das pessoas que viam qualquer canal de televisão à hora do ciclismo estavam sintonizadas na RTP1.

Tanto em share como em audiência média, a corrida deste ano foi a segunda pior dos últimos seis anos. Nenhuma das etapas da edição 72 figura no ranking das tiradas mais vistas entre 2005 e 2010. O prólogo de Viseu é a segunda etapa menos vista em igual período.

Evolução ao longo dos anos
Ano Audiência média Share
2005 5,47% 34,08%
2006 5,49% 34,43%
2007 6,02% 37,69%
2008 4,82% 30,89%
2009 5,49% 36,01%
2010 5,00% 33,65%

Audiências 72.ª Volta a Portugal
4 Agosto Prólogo: Viseu – Viseu, 5,5 km – 3,1% / 25,7%
5 Agosto 1.ª Etapa: Gouveia – O. Azeméis, 188 km – 4,3% / 33,6%
6 Agosto 2.ª Etapa: Aveiro – Sr.ª Assunção, 152,3 km – 4,4% / 33,6%
7 Agosto 3.ª Etapa: Santo Tirso – Viana do Castelo, 173,7 km – 6,2% – 35,6%
8 Agosto 4.ª Etapa: Barcelos – Senhora da Graça, 175,8 km – 6,7% – 38,6%
10 Agosto 5.ª Etapa: Fafe – Lamego, 172,4 km – 4,9% – 33,8%
11 Agosto 6.ª Etapa: Moimenta da Beira – Castelo Branco, 221,1 km – 4,6% – 33,7%
12 Agosto 7.ª Etapa: Idanha-a-Nova – Torre, 122,9 km – 4,5% – 31,8%
13 Agosto 8.ª Etapa: Oliveira do Hospital – Oliveira do Bairro, 169,9 km – 4,3% – 31,8%
14 Agosto 9.ª Etapa: Pedrógão – Leiria, 32,6 km – 6,1% – 36,7%
15 Agosto 10.ª Etapa: Sintra – Lisboa, 154,6 km – 5,9% – 35,2%

Etapas mais vistas
Ranking Etapa Ano Audiência Share
1º Viseu – Viseu 2007 9,2% 46,7%
2º Viseu – Viseu 2009 9,0% 45%
3º Viseu – Viseu 2005 8,7% 43,4%
4º Celorico – Sr.ª da Graça 2007 8,2% 46,4%
5º Oliveira do Bairro – Torre 2009 8,1% 45,8%
6º Idanha-a-Nova – Torre 2008 7,6% 40,4%
7º Trancoso – Sr.ª da Graça 2009 7,1% 36,5%
8º Lixa – Gondomar 2007 6,9% 37,1%
9º Celorico – Sr.ª da Graça 2005 6,8% 37,2%
10º Idanha-a-Nova – C. Branco 2006 6,8% 35,6%

Etapas menos vistas
Ranking Etapa Ano Audiência Share
1º Portimão – Portimão 2008 2,8% 22,6%
2º Viseu – Viseu 2010 3,1% 25,7%
3º Lisboa – Lisboa 2009 3,1% 25,8%
4º Caldas da Rainha – C. Branco 2009 3,3% 29,6%
5º Oeiras – Lisboa 2005 3,5% 28,5%
6º Portimão – Beja 2008 3,5% 28,5%
7º Aveiro – Gondomar 2008 3,7% 27%
8º Vila Viçosa – C. Branco 2007 3,7% 29,7%
9º Trancoso – Fafe 2005 3,9% 28,8%
10º Gouveia – S. João da Madeira 2008 3,9% 30,4%

Fonte: Marktest/A Minha Televisão

Foto: PAD/JLS

9 comentários a “Volta a Portugal perde audiência face a 2009”

  1. Os valores audimétricos (território nacional) alcançados pelas transmissões televisivas da Volta na RTP África, em simultâneo com a RTP 1, eram irrelevantes: aud. média – 0,02%; share – 0,12% (valores médios 2004/2007) – fonte Marktest.

  2. Não é lícito tirar essas conclusões, a menos que disponha dos dados para os anos anteriores (2005 a 2007) relativos à transmissão na RTP África, também distribuída por cabo e em simultâneo com a RTP1. Não havendo esses dados, apenas podemos comparar o que temos por certo, os dados da RTP1 desde 2005 a 2010.

  3. Os dados revelados pela Marktest no link referido cingem-se à RTP 1, ignorando a (apreciável) audiência alcançada pela transmissão da Volta, em simultâneo, na RTP N. Ainda assim, com base nos valores revelados pela Marktest, não é correcto concluir-se (como já ficou demonstrado) que a “Volta a Portugal perde audiência face a 2009”. Na verdade, a Volta 2010 conseguiu reunir tantos espectadores defronte da TV como em 2009 e em 2006. Menos que em 2007, mais do que em 2005 e 2008. Em termos de quota de mercado (share) foi a segunda melhor volta televisiva desde 2005, só ultrapassada pela edição de 2007.

  4. VOLTA A PORTUGAL CONSEGUE MELHOR AUDIÊNCIA TELEVISIVA DOS ÚLTIMOS ANOS
    O Jornal Ciclismo ignora que, pela primeira vez, a Volta foi transmitida em simultaneo na RTP 1 e RTP N, entre as 16h e as 18h. Os valores de audiência correctos são a soma das audiências obtidas nos dois canais, no período em que a transmissão decorreu em simultâneo, o que dá os seguintes valores: Audiência média – 5,49% (5,00 + 0,49); Share – 36,9% (33,65 + 3,24) . Podem confirmar junto da Marktest.

  5. Se não colocassem esse programa de entretimento com o João Baião, que não vale nada, se calhar tinham mais audiência…. é preciso ter paciência para ver um parvalhão aos saltos… para isso colocavam um macaco que sempre era mais divertido…

  6. Provavelmente a audiência televisiva cansou-se da pedalada do João Baião no programa “Há Volta”. Eu fui um deles.Aliás o programa devia-se ter chamado “Há Volta, mas pimba…”

  7. Deviam juntar os telespectadores da RTP com a RTPN, pois no meu caso, começava a ver na N e depois deixava ficar por lá, se não desse na N, logicamente que veria no canal1. E a incerteza em relação ao vencedor, deveria ser positivo! Agora a praia e as etapas de montanha que foram um pouco monótonas é que não ajudaram em nada. 🙁

  8. Podemos fazer a análise simplista ou a inteligente.

    A primeira limita-se a debitar números.

    A segunda tem de recordar que este ano a Volta realizou-se no meio de uma onda de calor que tirou certamente boas dezenas de milhar de espectadores que preferiram a praia à televisão, quando ainda por cima, acompanhar uma etapa, significava ficar “preso” quase até às 18 horas. Em 2009, como todos se recordam, o Verão foi bem mais suave.

    Por último, e ainda que possam existir interesses em fazer a Volta acabar em Lisboa ao sprint, a verdade é que os contra-relógios finais davam audiências. Numa competição tão curta como é a nossa, acho um crime desperdiçar-se assim um dia, mas lá estou eu com o meu mau feitio.

    Felicidades e até qualquer dia.

Os comentários estão fechados.