O homem não mordeu o cão

Na gíria jornalística, diz-se que notícia “é quando o homem mordeu o cão”. Ou seja, o inesperado e o surpreendente é que são notícia, não aquilo que é normal e expectável. No mediático “caso LA-MSS” há um momento que se aproxima do homem que mordeu o cão. Não me refiro ao desfecho do processo, pois a absolvição parecia ser um final anunciado, tendo em conta a passividade do Ministério Público e a evidente inépcia da assistente da acusação (representante da Federação Portuguesa de Ciclismo).

Quando o médico Marcos Maynar disse que os ficheiros informáticos encontrados no seu computador com aquilo que o próprio Maynar definiu como planos de dopagem estavam em castelhano, porque haviam sido prescritos pelo antecessor médico na equipa, também ele castelhano, era de esperar que a acusação tentasse verificar se isso correspondia à verdade. O Jornal Ciclismo facilmente descobriu que não. Marcos Maynar substituiu o português Benjamim Carvalho, que, pelo menos oficialmente, era o único médico da equipa antes da entrada de Maynar. O mesmo arguido disse, em defesa da mesma tese, que os ficheiros continham dados com nomes de corredores que já não estavam na equipa. Pista interessante para o Ministério Público procurar averiguar se havia práticas ilícitas que vinham de trás. Nessa averiguação, poderia ser que descobrisse o óbvio: estavam nessas pastas nomes de ciclistas que apenas entraram na equipa no mesmo ano que Marcos Maynar.

Além desta passividade, o Ministério Público ainda se deixou enredar em discussões estéreis sobre as proteases fazerem parte da lista de substâncias proibidas ou não e sobre o posicionamento dos armários dentro do camião da equipa, esquecendo-se de explorar a lista de substâncias apreendidas (ver aqui a totalidade do material) e a sua origem – o tribunal deu como provado que o saco com centenas de dopantes encontrado em casa de Pedro Cardoso foi-lhe entregue por Marcos Maynar. Em nenhuma sessão do julgamento houve uma alma que perguntasse ao médico por que entregou o saco nem para que eram aqueles dopantes (alguns só existentes no mercado negro). Perante isto, “o homem que mordeu o cão” nunca poderia estar na absolvição.

O acórdão do colectivo de juízes absolveu Manuel Zeferino e Marcos Maynar, mas em nenhum momento os definiu como inocentes. Apenas não se conseguiu provar que tivessem cometido qualquer crime, pelo que não poderiam nunca ser condenados. Das palavras lidas pela juíza-presidente, percebeu-se que o tribunal ficou com a suspeita de que algo de errado se passou na equipa, mas que não percebeu muito bem o quê. Vai daí, apontou baterias para o elo mais fraco: os corredores. Se tiver havido recurso à dopagem, os ciclistas serão, em última instância, os responsáveis, concluíram os juízes. Isto porque têm informação suficiente para saber o que tomam e os perigos que isso acarreta para a saúde e até que colocam a vida em risco. Além de que os desportistas são os mais interessados em que não haja doping, pois num desporto limpo é mais fácil os melhores imporem-se. Uma conclusão que também não traz novidade. Ao longo dos momentos mais negros da história do ciclismo, os corredores são sempre a ponta por onde a corda parte, sempre os únicos culpados dos erros cometidos na modalidade.

As reacções à decisão do tribunal é que se aproximaram da novidade, do tal “homem que mordeu o cão”. Depois de apontados como culpados pela possível existência de dopagem na LA-MSS, os ex-corredores daquela extinta equipa rejubilaram, saindo da sala de audiências visivelmente felizes e aliviados. Ou seja, o tribunal profere considerações que colocam em causa a classe dos corredores profissionais de bicicleta, atirando sobre eles o ónus do cancro que é a dopagem, e os únicos representantes da classe que estavam presentes ficaram felizes e festejaram. Poderíamos dizer: “finalmente, o homem mordeu o cão”. Mas, neste caso concreto, não foi comportamento que surpreendesse. O cão não foi mordido durante este julgamento. Os suspeitos do costume foram mais uma vez enxovalhados. Mas houve festa.

20 comentários a “O homem não mordeu o cão”

  1. isto vem hoje no correio da manha, parece que nem todos andam a dormir.

    Tiro e Queda
    Doping no ciclismo
    O processo ‘Doping no ciclismo’ terminou com a absolvição dos arguidos. Como explicar que depois de se ter apreendido um grande número de produtos dopantes, de se ter apreendido material tecnológico para esse fim, de os ciclistas terem esses produtos em suas casas, de ao médico se ter apreendido documentos com o plano de tomas desses produtos por parte dos ciclistas e de nesse plano haver a indicação de que os atletas em determinados momentos tinham de se ausentar de casa para não serem alvo de controlos anti-doping de surpresa?
    0h30Nº de votos (0) Comentários (0)
    Por:Carlos Anjos, Conselheiro da ASFIC

    Tudo isto valeu zero. Por vezes fica-nos a sensação que estamos todos à espera que os arguidos confessem os seus eventuais crimes que tenham cometido. Ficámos pois a saber que aquele grupo de ciclistas resolveu de forma individual ou em conjunto recorrer à auto-medicamentação, e que ninguém naquela equipa achou estranho os resultados que passaram a obter. Arrisco-me a afirmar que esta decisão foi um péssimo sinal dado ao desporto em Portugal. Foi um sinal de que tudo vale a pena, um sinal claro de que a batota pode compensar. Ao contrário do que vemos todos os dias acontecer noutros países europeus, onde a justiça é implacável com estas práticas, países onde foram feitas as análises aos produtos apreendidos, em Portugal, parece que nada queremos fazer. É pena.

  2. Se O CHEFE precisar que lhe lambam os sapatos há aqui mts candidatos…há mt gente com o rabo preso,e alguns andam aqui a tentar desviar o assunto principal!!!
    E pelo que vejo não se importam nada de serem roubados!!!!

  3. Cambada de invejosos que so querem ver pessoas serias enchuvalhadas. O Zeferino nao tem culpa de ser um dos melhores nesta modalidade em quase todos os aspectos e as pessoas com dor de cotovelo nao largam estas noticias mesquinhas para piorarem as coisas. Preocupem-se com o caso liberty tambem ou devemos esquecer ate porque eles agora sao parceidos e patrocionadores da federaçao nao e? Sabe-se la a custa do que. O jornal de ciclismo fica a perder com um jornalista como este a escrever artigos destes

  4. Sr.JUVENAL…eu não ando com as antenas trocadas! Tenho é os OLHOS BEM ABERTOS, para ver porcaria em todo o lado neste momento no ciclismo. E como estive toda a minha vida ligada ao ciclismo sei que tudo isto apenas tem uma intenção TIRO O ALVO… alvo esse que incomoda muita gente e pelos vistos continua a incomodar, deixe lá já estão habituados a pessoas como o senhor / a , passe muito bem.

  5. Tulipa e não respondeu ao seu amigo do FUTEBOL…então o NUNO ASSIS também não continua a jogar????? e só não ganha o campeonato porque não tem equipa para isso , senão podia…que parvalheira…:))))

  6. Depois de ler parte disto com um amigo amante de futebol ele perguntou-me:” -Então assim, o Sergio Ribeiro, este ano, já pode ganhar a Volta outra vez?!…” LINDA ESTA IMAGEM

  7. Corcordo consigo sr. Mouro! E com o Jornal de Ciclismo tbm: essa história do saco em casa do Pedro Cardoso está mt mal contada ou melhor, não foi esclarecida…

  8. Escrever textos tendencialmente de carácter jurídico, sem conhecimentos para tal, dá sempre mau resultado. Quem se diz jornalista, deve ter muito cuidado com o que escreve, sob pena de estar a induzir em erro, como claramente se verifica, os restantes leitores. Só se o objectivo não é informar ou comentar, mas pura e simplesmente influenciar negativamente! Podiamos escrever um texto sobre o mesmo assunto, com os mesmos intervenientes, justificá-lo juridicamente, continuar sempre a luta contra a dopagem no desporto, acrescentar uns ingredientes e colocá-lo com um sentido completamente diferente. E matéria para isso não falta…

  9. há um proverbio que diz: a justiça tarda mas não falha…

    neste caso: PARA ALÉM DE JÁ VIR TARDE AINDA FALHA!!!

    vergonhoso…

  10. Cordialmente, deixe que lhe diga que anda com as antenas trocadas. Este texto é sobre a LA e não sobre a Liberty, mas eu compreendo que haja gente à qual convém misturar as coisas, porque lançando a confusão foge-se ao essencial, não é? Mas também lhe digo mais: as suas antenas de captação da realidade andam tão trocadas que ainda não percebeu uma coisa: estamos no ano da graça de 2010 e foi julgado um caso que se passou em 2008; estava à espera que já tivesse sido julgado um caso que se passou em 2009? Isso sim seria um caso sério de justiça discriminatória. A justiça portuguesa vai devagar, devagarinho, não queria apressá-la. E além de ir devagar vai mal, como se viu no caso da LA.

  11. MMSS ENTÃO VAMOS APANHAR OS EX-LIBERTY QUE ACUSARAM DE FACTO E VAMOS ATÉ ÀS ULTIMAS CONSEQUENCIAS, QUE EXEMPLO ESTÃO A DAR AOS JOVENS , COM O EXEMPLO DA EX-LIBERTY???????ALGUÉM ME PODE INFORMAR ONDE ESTÁ O MÉDICO E O DIRECTOR DESPORTIVO DA EX-LIBERTY A SEREM JULGADOS??? ESTES FORAM JULGADOS, NÃO VIRAM MATERIA PARA PUNIR, ACABOU…DEIXEM-SE DE MARTRIZAR QUEM JÁ FOI JULGADO, AGORA PERGUNTO E OS QUE NÃO FORAM? PORQUE É QUE NÃO FORAM?

  12. manuel tiago o jornalista só disse o k s passou ……..não foi verdade?! será k já não s pode escrever a verdade?! ditadura?!!
    é uma vergonha o k s passa com o doping no ciclismo…eu bem sei k há em todas as modalidades..o k acho é k quando alguém é apanhado se deveria ir até ás ultimas consequencias………k exemplo dá a justiça aos jovens…….

  13. Sr. Jose Carlos Gomes e JORNAL DE CICLISMO, talvez não tenham percebido mas o caso terminou. Não queiram ocupar o tempo com noticias do passado. Não se esta a preparar recurso nenhum meus senhores. Saibam parar e escrever coisas do presente e que tragam novidade. Se gostam de escrever sobre doping sugiro que façam uma visita de estudo: Radio shack, Astana, Garmin, Sky…………………………………………………Se mesmo assim for dificil, visitem os balneários do FCP ou do Glorioso……..qulaquer modalidade desportiva……..ou então façam uma visita ao KASPAROV…..sabem quem é…..antigo campeão do mundo de XADREZ…..já foi em tempos apanhado num controlo anti doping com substancias relaxantes proibidas na competição desta modalidade………………………………

  14. oh jose carlos gomes …. VAI PENTEAR MACACOS!!!!! JÁ NINGUÉM TE AGUENTA !!!!!!!

  15. Acabou-se o campo de trabalho do senhor jornalista e vai dai mais um pseudo artigo de opinião para conseguir mais uns acessos e uns comentários…depois disto eu diria ao senhor jormalista o seguinte : o homem não mordeu o cão, mas há cães raivosos a persistir em morder o homem, e ainda há aqueles que não conhecem o dono.

  16. Algo me diz que já se está a preparar o recurso…
    Estranho, porquê tanto empenho neste caso, raiando mesmo a perseguição?
    E a Liberty??? Os três casos positivos, em simultâneo e com a mesma substância não passou de uma grande coincidência?
    E aí, não há o chamado “elo mais fraco”, os corredores? Que certamente foram e serão sempre os únicos culpados…
    São muitos os interesses… Nada que um bom seguro e uma grande patrocínio não resolvam muita coisa…
    Vamos lá meus senhores, façam o vosso trabalho, mas de uma forma completa. Já chega de serem parciais e injustos!!! Tenham vergonha.
    E, vamos lá a continuar a falar deste assunto, reavivando-o sempre. É uma grande estratégia. Enquanto os papalvos se entretém nisto, tudo o resto vai esquecendo. Quem será o estratega???

  17. Os ciclistas presentes mesmo depois de mais um enxovalho ainda se dirigiram ao CHEFE com um beijinho na “costa” da mão!!!!!ATRASADOS!!!!

Os comentários estão fechados.