Operação Puerto volta a ser reaberta

O processo judicial da chamada Operação Puerto voltou a ser reaberto pela Audiência Provincial de Madrid, noticiou o El Pais. É a segunda vez que o caso é reaberto, mas, desta feita, a decisão que vier a ser tomada não será passível de recurso junto da mesma instância judicial. Ainda se desconhece quem irá a julgamento, mas sabe-se que nenhum dos ciclistas que constavam da lista de clientes da rede de dopagem será chamado a tribunal na qualidade de arguido, embora possam ser notificados para deporem como testemunhas. Findo o processo, as autoridades desportivas poderão actuar disciplinarmente contra os corredores que se prove terem estado envolvidos na rede de dopagem organizada.

O processo, em que acusação irá basear-se num delito contra a saúde pública, visa os médicos Eufemiano Fuentes, Yolanda Fuentes e Alfredo Cordova, o hematólogo Merino Batres, os directores-desportivos Manolo Saiz, Vicente Belda e Ignacio Labarta e o auxiliar Alberto Léon. O juiz ainda irá decidir se todas estas pessoas serão julgadas ou se apenas algumas de entre elas.