Luís Horta reafirma em tribunal que havia “estratégias de dopagem” na LA-MSS

O presidente da Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP), Luís Horta, reafirmou hoje os pareceres que havia dado no âmbito a investigação, confirmando que, de acordo com as “peritagens científicas” que realizou, existia um esquema de dopagem no seio da equipa LA-MSS. Luís Horta interveio, depois de o tribunal não ter dado provimento ao requerimento apresentado pela defesa de Marcos Maynar, que defendia que o especialista não deveria poder depor na qualidade de perito, uma vez que não seria isento, por ter participado na fase de acusação.

Luís Horta foi confrontado com as dúvidas levantadas pelas testemunhas arroladas pelo médico Marcos Maynar, que colocavam em causa os procedimentos científicos das análises. O presidente da ADoP desmontou os argumentos então aduzidos, garantindo que as amostras de urina foram conservadas a uma temperatura de acordo com as normas da Agência Mundial Antidopagem (AMA). O perito frisou ainda que só equipas suspeitas de dopagem têm centrifugadoras como a que foi encontrada num veículo da LA-MSS e desmitificou a questão de as proteases fazerem ou não parte da lista de substâncias e métodos proibidos, lembrando que a lista é aberta e que há substâncias e métodos que integram o rol sem estarem nomeados e que era neste caso que se integravam as proteases.

O médico, Marcos Maynar, e o director-desportivo, Manuel Zeferino, estão a ser julgados no Tribunal da Póvoa de Varzim, acusados, em co-autoria, de 16 crimes de corrupção de substâncias alimentares e medicinais e de dopagem na equipa LA-MSS. A audição de Luís Horta estendeu-se por mais de quatro horas, durante as quais o especialista resistiu estoicamente ao cerrado questionário dos advogados de defesa dos arguidos, cuja agressividade levou a juíza-presidente a não aceitar uma das questões do representante de Marcos Maynar.

As declarações de Horta fizeram alguma luz sobre o processo, permitindo perceber que a investigação vinha de trás. O presidente da ADoP garantiu que, por obrigação legal das funções que desempenha, se reúne frequentemente com elementos da Polícia Judiciária (PJ), que coloca a par das denúncias e suspeitas que chegam ao organismo de luta contra a dopagem. Em 2007, o então Conselho Nacional Antidopagem (CNAD) debruçou-se sobre a utilização de EPO. Nesse sentido, Horta forneceu à PJ dados relativos a suspeitas sobre diferentes equipas e modalidades. “Não me recordo se particularizei os senhores Zeferino e Maynar, mas referi a equipa LA-MSS”, revelou o especialista.

O perito fez questão de colocar a sua participação neste caso sempre no nível institucional, procurando desarmar a defesa, que o acusava de parcialidade. Luís Horta explicou que a operação conjunta da PJ e do CNAD foi uma coincidência. “A janela de detecção de algumas substâncias é muito curta. A EPO, tomada em microdoses, é totalmente indetectável ao fim de 24 horas. Alguns desportistas sabem que a probabilidade de serem controlados de surpresa é menor após uma competição, pois são controlados no decurso das provas e é improvável que sejam visitados logo no dia a seguir. Segundo informações que tínhamos, era comum o consumo de EPO após algumas corridas”, declarou o dirigente da luta antidopagem. Suspeitando da LA-MSS, o CNAD previa fazer controlos inopinados no dia a seguir a terminar o GP Paredes Rota dos Móveis de 2008. Quando essa operação já estava pensada, foi contactado pela PJ, que também iria fazer uma acção na mesma data com iguais alvos. Assim, as duas operações ocorreram em paralelo.

A partir daí, os produtos e equipamentos apreendidos pela polícia foram enviados para peritagem. Entre o “arsenal” encontrado nas buscas policiais, havia “materiais de administração endovenosa e uma máquina para medir o hematócrito, que foi possível identificar só por observação. Também eram reconhecidos alguns medicamentos, pois são de venda em farmácia, embora contendo substâncias proibidas. Além disso, existiam produtos rotulados, mas não controlados pelo Infarmed, pois não se vendem em Portugal, e havia produtos sem qualquer identificação”, avançou Horta, explicando que estas substâncias foram enviadas para análises, que detectaram, entre outros produtos, anabolizantes, uma mistura desconhecida de insulina com testosterona, seringas com EPO pronta a ser injectada e proteases. “Em alguns casos, sem qualquer rotulagem, quem fosse utilizar não fazia a mínima ideia do que estaria a ingerir”, salientou o médico, que lembrou que a EPO só pode ser encontrada no mercado negro, já que não se vende em farmácias, sendo apenas dispensada em farmácias hospitalares, habitualmente requisitada por centros de hemodiálise.

“Qualquer atleta ou qualquer elemento de apoio de uma equipa não dispõe de conhecimentos para fazer os manipulados, que não têm, de forma alguma, qualquer aplicação terapêutica. Foram concebidos apenas com um propósito: estratégias de dopagem”, precisou o perito. Depois analisar as substâncias apreendidas, a PJ solicitou a Luís Horta que se detivesse nos ficheiros informáticos encontrados no computador pessoal de Marcos Maynar. “Foi-me pedido pela PJ que verificasse se havia correlação entre os produtos apreendidos e o conteúdo dos documentos. A quase totalidade dos documentos tinha algo a ver com as substâncias encontradas”, esclarece o presidente da ADoP. Apesar de a maior parte dos documentos estar escrita em código, surgiam nos textos nomes de dois produtos que integram a lista de substâncias proibidas. Aliás, colocado perante estes mesmos ficheiros, Marcos Maynar admitiu perante o tribunal, na primeira sessão do julgamento, que eram planos de dopagem. Na altura disse que teriam sido prescritos pelo compatriota Jesus Losa, apontando-o como antecessor no cargo de médico das equipas de Manuel Zeferino, justificando, assim, o facto de os planos de dopagem estarem redigidos em castelhano. Acontece que, como o Jornal Ciclismo apurou, Maynar não substituiu Losa na LA-MSS, mas o português Benjamim Carvalho, que assegura nada saber de planos de infracção às regras. Num desses documentos haveria uma inscrição potencialmente incriminatória para Manuel Zeferino, já que o corredor a quem se destinaria o plano de dopagem era instruído para solicitar ao director-desportivo “aquilo das três semanas”.

Após explicar o processo, Luís Horta foi confrontado com as acusações, feitas por testemunhas indicadas por Marcos Maynar na sessão anterior do julgamento, segundo as quais o processo não teria cumprido os requisitos científicos. “A AMA deu aval a todo o processo”, lembrou amiúde o perito, que frisou terem sido cumpridos todas as normas dos protocolos da AMA. Sobre a temperatura de conservação das amostras de urina, Luís Horta esclareceu que “as normas internacionais não exigem a refrigeração”, podendo as colheitas ser mantidas à temperatura ambiente. No entanto, anuiu, é comum refrigerar-se a urina, pois trata-se de uma recomendação da federação internacional de atletismo, que é uma das pioneiras na luta contra o doping. Com o recurso a esta norma, o especialista português deitou por terra a obrigatoriedade de congelamento da urina, alegada por um dos especialistas espanhóis que testemunharam por iniciativa de Marcos Maynar.

Muitas das testemunhas arrolada pela defesa dos dois arguidos, sobretudo corredores no activo e antigos ciclistas, disseram ao tribunal que é normal as equipas usarem centrifugadoras. “É normal haver esse aparelho nas equipas que usam estratégias de dopagem”, acusou Luís Horta, concretizando a sua afirmação com um dado: “O estado de saúde de um atleta não é controlado pelo hematócrito, mas por hemograma. O equipamento que nos chegou [centrifugadora] não faz análises”, apenas mede o hematócrito. Como um dos produtos apreendidos é uma substância usada para diluir o sangue, permitindo baixar a concentração de glóbulos vermelhos para menos de 50 por cento, Horta acredita que a LA-MSS usava a centrifugadora para ver se, apesar de se doparem, os ciclistas se mantinham dentro dos limites legais. Para corroborar a tese de que estas máquinas colocam sob suspeita as equipas que as tenham, o especialista revelou: “Chegam-me informações de equipas que têm centrifugadoras. A partir desse momento ficam sob suspeita”, o que significa controlos mais apertados. Aliás, num momento da sessão de hoje, em resposta a uma pergunta da advogada de Manuel Zeferino, que também é a defensora do corredor Nuno Ribeiro no processo disciplinar por ter acusado CERA, Luís Horta revelou que o controlo que apanhou Ribeiro, Héctor Guerra e Isidro Nozal não foi obra do acaso, tendo acontecido nos moldes e na data em que sucedeu por algum motivo, que se escusou a explicar, a menos que o tribunal a isso o obrigasse.

Uma das testemunhas de Maynar colocara em causa a capacidade do método do Laboratório de Colónia para a detecção de proteases, afirmando que o método do laboratório alemão ainda seria recente, carecendo de confrontação científica por outros laboratórios e de mais experiência para poder ser tido como um método fiável. Luís Horta recordou, mais uma vez, que os métodos foram avalizados pela AMA, de tal maneira que foi aquela agência que recorreu no caso de João Cabreira para o Tribunal Arbitral do Desporto, que acabaria por também dar como válidos os métodos, quando condenou o corredor por recurso a proteases para destruição da amostra antidopagem. Por outro lado, Luís Horta lembrou que o método de detecção de proteases já não é novo, o que é inovador é recorrer a ele para efeitos de luta contra a dopagem.

A defesa foi usando, ao longo de anteriores sessões do julgamento, o argumento de que as proteases não faziam parte da lista de substâncias proibidas. Ainda ninguém contradissera essa tese. Até ao depoimento de hoje de Luís Horta. “Há secções da lista de métodos e substâncias proibidos que são abertas. As proteases faziam parte das substâncias não descritas, mas englobadas em todas aquelas que permitem atingir determinado fim”, disse o presidente da ADoP. Ou seja, as proteases integravam-se no secção dos métodos químicos e físicos de destruição de amostras antidopagem cuja designação particular não estava especificada. “Fruto da experiência com este caso, a AMA achou por bem mencionar especificamente estas substâncias na lista em vigor desde 1 de Janeiro de 2010”, sublinhou o rosto da luta contra o doping em Portugal.

Devido ao tempo gasto na diligência desta tarde, as alegações finais, que estavam marcadas para hoje, ficaram adiadas para as 14h00 de dia 16 de Junho. Será então conhecida a pena que o Ministério Público irá pedir para os arguidos, esperando-se que as defesas dos dois acusados recorra aos argumentos pelos quais entendem que Zeferino e Maynar devem ser absolvidos.

Zeferino em silêncio, Maynar ao ataque
Manuel Zeferino optou pelo silêncio desde o início do julgamento e ainda não mudou de estratégia. Já Marcos Maynar tem vindo a revelar-se muito impulsivo. Hoje pediu mais uma vez para intervir para contraditar Luís Horta. Como os arguidos não podem interpelar as testemunhas e os peritos, Horta saiu e Maynar teve de contra-atacar na ausência do especialista português.

O médico espanhol afirmou duvidar da existência da mistura de testosterona com insulina referida por Luís Horta, alegando que aquelas duas substâncias são “como a água e o azeite”, não se misturando. Maynar usou este argumento para questionar os métodos usados na determinação da substâncias apreendidas. “Que metodologias foram usadas? Ponho em dúvida, porque nunca foram apresentadas. Este senhor [Luís Horta] não apresenta relatórios técnicos, só palavras. Não sei quais foram as técnicas, não posso defender-me. Isto é atirar a pedra e esconder a mão”, disse.

“Para ele tudo é dopagem. Não duvido da honestidade de Luís Horta, mas ele não pode duvidar da honestidade dos outros”, concluiu Marcos Maynar.

28 comentários a “Luís Horta reafirma em tribunal que havia “estratégias de dopagem” na LA-MSS”

  1. Em 2007 e 2008 houve gente a passar à frente nos controlo anti-doping em campeonatos nacionais porque os dirgentes eram amigos de amigos de familiares dos comissarios…..Houve campeoes nacionais de treta em todas as categorias, cadetes, juniores, femininas, sub-23 e elites……..

  2. senhores é obvio que custa ver uma modalidade que tanto gosto ser abalada constantemente por mais casos de doping. deviam tambem investigar exaustivamente outras modalidades mas a bicicleta nao enche barrigas a muita gente como por exemplo o futebol por isso ninguem mexe nos meninos bonitos.atletas de topo seja em que modalidade for dificilmente se apanha um com o chassi limpo.bifes ,massinha,treinos e descanso isso nao chega para chegarem ao topo.é preçiso combustivel extra.

  3. estes comentario e para aqueles intelegentes.que os jogadores de futebol so presicao de bons pezinhos.ate vos andao sempre dopados ou com alcool ou com os medicamentos que tomao para curar gripes ou pequenas infecoes,todo o ateleta presica tomar algo para combater a fadiga

  4. De uma vez por todas: não existe doping no futebol! Existe é um intervalo ao fim de 45min onde o organismo recupera toda a energia que perdeu nesses 45min e carrega o dobro dessa energia pelos ouvidos com os berros dos treinadores…. É obvio que estou a ser irónico (para quem não percebeu)…

    Doping existe, infelizmente, em todas as modalidades ditas profissionais. Umas são mais controladas que outras, e o ciclismo até não é o desporto onde se registam mais casos por número de praticantes. É talvez a modalidade onde são aplicados os métodos mais eficazes de detecção. Todos nos devemos lembrar do caso Balto que estudava e implementava programas de doping para atletas americanos do atletismo.

    Estas medidas aplicadas a ciclistas que, não acusando, são penalizados como se estivessem dopados são quase um método de profilaxia que a par do passaporte biológico, não conseguirão acabar definitivamente com o doping no ciclismo mas irão reduzir drásticamente o número de casos no futuro. É o que espero a bem da modalidade de que tanto gosto…

  5. Tanto frustado com inveja dos “chulos da bola”!!!!…Meu Deus,porque é que em vez de tão lindo,não me fizes-te uns pezinhos bons para po futebol…!!!Tb gostava de ser vedeta gostava….e de ter milhares de invejosos da minha vidinha a “cortarem-me na casaca”!!!!…Não trabalhes não Joca…passas fome!!!…Falem de ciclismo aqui por favor….isso da suposta “igualdade de tratamentos” é unicamente para abrir liberdade á(vossa) transgressão….não se enganem a vós próprios!!!

  6. V.S tem razao no que diz.. MUITA razão.. O Mutu ja é a 2 vez que acusou e anda aí , so soube pelo jornal. O Caso Valverde Vi na TV . Em concreto na TVI. Uma diferença. Portugal nao tem dinheiro nenhum mas andamos nos a pagar impostos para esses chulos do Futebol. e ainda vem assim no Jornal “Um dos carros do Ronaldo Comprou-o com o que ganha em 1 semana” 200 Mil euros.. mas que e isso??

  7. Oh, diabo, depois de tantos expert na matéria e com teses tão seguras e fundamentadas temo, sinceramente, que o culpado seja eu..

  8. Bolas…que importa o futebol???Quem lhes interessa desviar a atenção para o futebol,das duas uma,ou é atleta e tb recorre ao doping,ou está na rectaguarda no trafico,a ganhar dinheiro…se soubessem o que é treinar duro,de forma limpa,sofrer em cima da bicicleta, não estava interessado em desviar atenções….Sabem a revolta que dá correr ao lado de dopados???Vê-los a fazer a festa,que até poderia ser nossa???De certeze que não sabem…E conversa aqui tipo:… É pá dois anos de castigo,é mt,fazem falta ao ciclismo…Fazem’??Dopados fazem???Dar 2ª oportunidade???Tb a querem quando forem vocês,não é???Não vulgarizem o doping,foi Ele que reduziu para metade o numero de equipas profisionais,não foi o Luis Horta..Os patrocinadores,não querem borrar o nome com o cilismo…patrocinar quem sabe….dopados??? Vou assobiar ali para o lado,mas antes recordo para quem fala,fala e não diz nada,que esta luta ao doping não se resume ao ciclismo…há pouco tempo varreu o Benfica no futebol,no basquetebol e no rugby..e obviamente no ciclismo… Agora sim vou assobiar!!!

  9. Ó juvenal n sou papagaio. Você é que é burro e n entende o k eu digo.
    Eu defendo a igualdade de tratamentos. O que se faz a um ciclista tem e deve ser feito a kkr outro desportista federado. Você é mto esperto mas nem interpretar um texto sabe.
    E o canavaro k fez um filme a dopar-se? Qual é o castigo para uma coisa dessas, explique-me ó inteligente.
    Agr vemos exibiçoes excepcionais do assis e ngm vem chamar-lhe de batoteiro como se faz ao vinokourov e outros. Quanto ao caso de kenedy, será que foi msm o kenedy que acusou? Falas mto mas n do que sabes espertinho.
    Vou-lhe fazer o favor de explicar a minha teoria: Eu quero que haja um controlo rigoroso e apertado aos ciclistas, mas quero o mesmo aos outros desportos. Percebeu? Em vez de irem la a casa mostrar os ferraris e piscinas, etc… Que vá lá algum elemento do Cnad tocar a campainha e mande fazer o xixizinho e tirar o sangue para ser analisado. Está entendido?

  10. A alta competição exige SUPLEMENTAÇÃO, TRABALHO, DESCANSO E MUITA DEDICAÇÃO. Quem se suplementa de forma errónea ou quem administra substancias que supostamente só deveriam ser usados em doentes, corre o risco de algo correr mal. Ex: Uso abusivo de anfetaminas e cocaina: deterioração das funções motoras, elevada perda da capacidade de aprendizagem, perda de comportamentos aprendidos. O
    correm invariavelmente múltiplas hemorragias cerebrais com morte extensa de neurônios e perda progressiva das funções intelectuais superiores. São comuns síndromes psiquiátricas como esquizofrenia e depressão profunda unipolar………………………………..Quem semeia ventos………………..COLHE TEMPESTADES

  11. Ò V. S:, já vi que não diz o que sabe nem sabe o que diz, provavelmente arma-se em papagaio que emprenha pelos ouvidos e repete o que alguém lhe ensinou.

    O exemplo que o senhor usa é o mesmo que o meu. Ou seja, o que o sernhor defende é que se deixe em paz os ciclistas e que se vá atrás dos futebolistas, o que quer dizer, mais coisa menos coisa: deixem em paz a raia miúda (ciclistas ou ladrões de milhões) e vão atrás dos tubarões (jogadores da bola ou ladrões maiores). Já viu que nem sabe muito bem o que anda para aqui a dizer?

    Só para lembrar mais duas coisas: alguém se lembra do Kennedy, jogador que ficou afastado do mundial ou de um europeu por acusar doping? já se esqueceram da luta do luís horta para conseguir castigar o nuno assis (e conseguiu)?

  12. Assim fala quem percebe de anatomia. Sr. Juvenal está aqui a resposta inteligente ao seu comentário estupido. É que pelo seu raciocinio eu hoje roubo uns milhões mas cm existem mts ladrões maiores que eu nada me vai acontecer. Se calhar quando eu morrer condenam-me a 20 anos de prisão.

  13. ..na asembleia da Republica fala-se em AUTISMO,,aqui há um senhor que fala em CANCRO mas pela maneira como fala percebe pouco de ONCOLOGIA e sobretudo da capacidade que a doença tem para se espalhrar pelo organismo….na realidade existe o CANCRO principal como ele fala…mas pior que o CANCRO são as METASTASES (raizes no vulgo…)sobretudo se atingem orgãos vitais, tal como o cérebro, pelo facto de poderem ,antes de matar; levar o doente a raciocinios delirantes e á perda de senso…

  14. Acho um piadão a estes comentários a falar de futebol. Pela mesma ordem de ideias – vão atrás do futebol e deixem o ciclismo em paz – a polícia só pode prender um gatuno quando conseguir prender os gatunos todos do mundo.

    O que está mal não é andarem atrás do doping no ciclismo: continuem e insistam mais porque ainda há muito batoteiro para ser apanhado, o que está mal não ter sido ainda possível desmascarar os batoteiros em outras modalidades. Mas cada coisa a seu tempo, poque ninguém duvide que o ciclismo é o principal cancro, infelizmente para todos nós que gostamos deste desporto.

  15. Meus amigos k me criticaram, pois fiquem sabendo que no futebol consomem mais Epo do que os ciclistas. Correr mais n interessa? se executas uma finta em 2 segundo imagina se estiveres com capacidade para executal apenas em um ou então se no um contra um metes a bola nas costas do adversário e vais la chegar primeiro que ele. Isso n é vantagem nenhuma? O que foi feito do Ronaldinho dp do caso Puerto?
    Eu n assobio pro lado, so queria que se fizessem as msmas buscas e perseguições aos jogadores e os “controlos surpresa para a semana” na seleção. Mas esses ja não são os incriveis, pro proximo europeu vão mudar o nome do programa para os intocaveis.
    Vejam a evolução fisica que tiveram alguns jogadores que sairam de portugal.
    Pela logica do pinto quem tiver qualidades para a pratica da modalidade pode-se dopar á vontade, ele ja era bom de nascença assim sendo está a vontade pk é um predestinado.
    Amigos, o doping é utilizado no xadrez. Mas o xadrez n requer apenas inteligencia? Até eu fico confuso então.
    Deixem-se de merdas. Façam perseguições gerais e deixem os bodes expiatórios do ciclismo em paz.
    Ha 4 anos eram 12 equipas profissionais em portugal, agora são 5. Realmente estamos no bom caminho.
    Mas enfim, vou assobiar ali pro lado e volto já.

  16. Ó pinto esse futebol que não precisa de gente a correr não será mais o dos matraquilhos? O próprio Fernando Mendes comfessou que após tomar as doses tinha mais poder de impulsão, poder de choque, menos cansaço…isso não é importante no cômputo geral de uma equipa? Quanto ao estarmos aqui permanentemente a referir o futebol é porque o excessivo centralismo do CNAD no ciclismo serve, não só para justificar a sua existência, como para assobiar para o lado quando os futebolistas escrevem livros em que confessam a existência de prática organizada de dopagem dentro dos três grandes e nem um inqueritozito para amostra. Daí a indignação mas não a defesa do branqueamento.

  17. O futebol não é um desporto fisico !!!!!!
    Põe o teu cão a correr no Tour então :))

  18. Luis Horta devia saber que a insulina não existe em comprimidos.Apenas existe em injectável!..tem razão Maynar quando diz que juntar testosterona com insulina é misturar água com azeite,
    Mais devia saber que a partir do hematocrito é possivel deduzir o Hemogram.Aceita-se porque nunca exerceu medicina.
    A partir do hematocrito se dividir por 3 dá-nos o valor da hemoglobina e dividindo esta por 3 dá-nos o numero de hemácias..assim como nos dá dados acerca da evolução do treino.Por exemplo: devido ao aumento do volum,e plasmatico em quem treina de determinado modo podemos aquilatar sobre o cumprimento e eficacia do mesmo…mas isso é pra quem sabe

  19. La vem os defensores dos pobres..pessoal,existe desportos como o ciclismo,o triatlo,o atletismo que devido a estarem dependentes quase a 100% do esforço fisico,ao mais propiçios a sofrerem de dopagem pela parte dos seus praticantes..
    vêm agora falar de futebol,o futebol quer técnica,dominio de bola,sentido posisional,etc se fosse pelo correr mais ou menos qualquer abecula era jogador de futebol,até o meu cão podia jogar no real madrid porque corre qua dá medo..Os ignorantes que questionam o controlo anti-doping no ciclismo,falando do futebol,qualquer dia tambem começam a questionar a ausençia de controlo em provas de papagaios voadores ou torneios de bilhar..Caguem para o futebol,o ciclismo é uma escola de doping e uma fabrica de novos produtos e tecnicas de dopagem..Eu concordo com tudo o que se faz na luta contra o doping no ciclismo,mas fazia falta uma lei que nao permitisse a um ciclista apanhado com doping poder voltar alguma vez mais a modalidade na vertente profissional..

  20. ou.drluishorta e um espetacolo.todas equipas tem maquina,tomam epo.eu posso tomar epo e nao tenho maquina.deviam era fazer controlo ao futebol ai sim,e que combate ao donpg,mas nao fazem,como o ciclismo e do povo,e quem esta a frente das equipas nao sao doctores,e mais fazem atacar a modalidade

  21. pk é que a seleção foi para a altitude,não foi pelka paisagem´,mas sim para subir os niveis de hematocrito

  22. é facil axplicar o caso liberty eles fujiram quando souberam que o cnad os esperava no hotel dai a suspeita

  23. SR.V.S….porque é que importa tato o que os chulos da bola fazem!??!Deixem-os lá andar,aqui interessa o ciclismo,ou o que resta dele….não assobie para o lado ou interessa-lhe desviar as atenções para “a bola”?

  24. Ele devia era afirmar que existe doping no futebol e não dizer que o Epo n é utilizado pelos jogadores. Isso é treta.
    Mas como os milhares de euros são diferentes o tratamente tb é diferente.

Os comentários estão fechados.