Rafael Reis segundo na etapa e nono na geral

Depois de muito trabalhar, Rafael Reis não pôde vencer a etapa
Depois de muito trabalhar, Rafael Reis não pôde vencer a etapa

Rafael Reis voltou a ser o melhor elemento da Selecção Nacional/Liberty Seguros na derradeira etapa da Corrida da Paz, conseguindo a segunda posição na última etapa, resultado que lhe valeu a subida à nona posição final. O corredor português atacou na companhia do francês Romain Guyot, corredor que foi mais forte no sprint. O pelotão, onde vinha o camisola amarela e vencedor desta prova da Taça das Nações de Juniores, o russo Evgeny Shalunov, chegou 1m20s mais tarde.

“Conseguimos alcançar os objectivos que traçámos, destacando-se a vitória do Rafael Reis no contra-relógio, perante as melhores selecções do mundo. O nono lugar final está dentro do que idealizámos à partida, mas temos consciência de que o Rafael Reis trabalhou para merecer colocar-se na terceira ou na quarta posição, algo que só não foi possível devido aos azares em que o ciclismo é fértil”, explica, em jeito de balanço, o seleccionador nacional, José Poeira.

Na última etapa, além do segundo posto de Rafael Reis, assinale-se os desempenhos de Ricardo Ferreira (40º, a 2m13s), João Leal (54º, a 3m57s) e Samuel Magalhães (84º, a 15m05s). Luís Sousa e Leonel Coutinho não chegaram ao final. Na geral, Rafael Reis foi nono, a 4m47s do vencedor. Seguiram-se, em termos de representação nacional, Ricardo Ferreira (42º, a 18m49s), João Leal (64º, a 27m41s) e Samuel Magalhães (93º, a 3m52s).

Finda a Corrida da Paz, a Rússia comanda a Taça das Nações, com 79 pontos, mais um do que a Bélgica e mais quinze do que a Holanda, que estão nos lugares seguintes. A Selecção Nacional/Liberty Seguros ocupa a sétima posição, tendo já amealhado 30 pontos.

4 comentários a “Rafael Reis segundo na etapa e nono na geral”

  1. Leonel, os parabéns são extensivos a toda a equipa pois trabalharam todos mto bem; só épossível implementar uma táctica de corrida se houver elementos de qualidade que façam um trabalho de preparação eficaz, por isso, o top-10 é de todos e não só do RR. O ritmo elevado só vos benefecia e dá mais ‘calo’ e endurence para próximas provas. Bom trabalho!

  2. “Luís Sousa e Leonel Coutinho não chegaram ao final”… Para não danificar a imagem de ninguem, a verdade deveria ser dita pelas palavras mais indicadas: tanto eu como o luis furamos nesta etapa, o ritmo na corrida é tao elevado que é muito dificil colar ao grupo principal. Se podiamos acabar? podiamos, só levavamos cerca de 10 minutos para o grupo da frente no momento em que os comissários mandaram encostar quem levasse mais disso….
    Grande corrida, um ritmo muito mais elevado que em anos anteriores.
    Cumprimentos.

  3. Prestação global positiva da selecção com destaque para a vitória no CR de Rafael Reis. Parece-me que José Poeira tem razão ao afirmar que RR poderia estar uns lugares mais acima, mas classificação no top-10 é bastante bom conseguindo-se nesta etapa repôr uma classificação mais ajustada.

Os comentários estão fechados.