Vulcão islandês trava favoritos na Amstel

Modus operandi de acesso às corridas condicionado pela falta de aviões
Modus operandi de acesso às corridas condicionado pela falta de aviões

Com os aviões no solo, cancelados pela nuven de cinzas do vulcão islandês que tem lanaço o caos nas ligações aéreas por toda a Europa a mobilidade dos ciclistas para viajarem até Maastricht, local de partida da Amstel Gold Race, ficou severamente reduzida e, com isso, são já várias as ausência confirmadas da prova que amanhã se disputa. Entre os ausentes citados pela organização contam-se alguns nomes de peso como os espanhois Alejandro Valverde ou Luis Leon Sanchez – a Caisse d’Epargne alinhará mesmo com apenas três corredores mercê de uma excepção regulamentar – Carlos Sastre, Bradley Wiggins e, até, o português Sérgio Paulinho (RadioShack) que ficou em terra com voo cancelado.

Se os aviões não voam a alternativa é procurar meios de transporte alternativos, solução encontrada, por exemplo, por Joaquin Rodriguez e Filippo Pozatto que, depois de uma primeira ligação até Zurique efectuaram 600 quilómetros numa viatura alugada. Se Paulinho fica de fora, o mesmo não se pode dizer de Manuel Cardoso. O pacense, juntamente com grande parte da equipa, viajou em autocarro da equipa para a Holanda.
Outro condicionamento sério à competição prende-se com a possível ausência de transmissão televisiva, dependente do sinal aéreo.

Foto: RadioShack