Surpresa Dumoulin estragou festa portuguesa

Aplicação e vontade não chegaram para a vitória
Aplicação e vontade não chegaram para a vitória

Nélson Oliveira deu mostras de liderança no comando da Selecção Nacional – Liberty Seguros no GP Portugal – Liberty Seguros ao classificar-se no segundo lugar da corrida inaugural da Taça das Nações, suplantado pelo holandês Tom Dumoulim que o precedeu, na geral individual, em 13 segundos. O segundo lugar final de Oliveira equipara-se à posição conseguida por Ricardo Vilela na época transacta, quando a corrida foi ganha, em Felgueiras, pelo colombiano Sergio Henao. No terceiro lugar do pódio final quedou-se o croata Gregory Brenes (Selecção UCI) que destronou o protagonista das duas etapas anteriores Arkimedes “Eureka” Arguelyes, líder desde a chegada ao Sabugal.

Com a discussão da prova em aberto, Nélson Oliveira fez-se à estrada com a camisola de campeão nacional e a bicicleta oficial da Xacobeo-Galicia. Transportando a esperança lusa da reedição das vitórias anteriores de Vítor Rodrigues em 2007 e 2008, o vice-campeão mundial de contra-relógio apresenta as maiores credencias em prova e o seu esforço foi válido no risco da meta, tendo conseguido, com 24m45s, o melhor registo à altura, quando restavam chegar 11 atletas. O balde de água fria foi protagonizado por Tom Dumolin que, com a camisola de melhor jovem envergada e dispondo de um figura física longílinea, foi quem melhor tirou partido do percurso nas vias circulares da Guarda, desprotegidas do vento e proprícias a altas velocidades. Com um tempo-canhão, Dumoulin bateu em quatro segundos o registo de Nélson Oliveira.

“Tinha a obrigação de vencer mas vitória não foi possível. Não estive à altura. Fica o esforço dos meus companheiros que trabalharam ao longo das etapas. Somos um grupo unido e espero ter outras oportunidades”, reconheceu Oliveira que terá cedido os quatro segundos depois de uma prova de elevado nível na pequena mas íngreme subida de aproximação à meta.

“O resultado é bom, mas soube a pouco. Sabia que a vantagem que o russo conseguiu nas bonificações seria recuperável pelo Nelson Oliveira. Mas tinha consciência de que poderia surgir alguma surpresa, e foi o que aconteceu, com o tempo de Tom Dumoulin. Devo, no entanto, destacar o desempenho do Nelson Oliveira, que provou ser um sub-23 de nível mundial, capaz de discutir as corridas da Taça das Nações. Além disso, estou muito satisfeito com o desempenho global da equipa, que cumpriu aquilo que se lhe pediu. Todos trabalharam muito, apesar de alguns ciclistas serem ainda muito jovens e não terem experiência internacional”, salientou por sua vez José Poeira, Seleccionador Nacional.

O segundo melhor português na geral individual foi Amaro Antunes, no 16º lugar, ao passo que na classificação colectiva, Portugal A concluiu a prova na sexta posição, ao passo que a Equipa B foi 12ª entre 15 formações classificadas.

CLASSIFICAÇÃO
3ª ETAPA: Guarda – Guarda, 17.5 km
Média de 42.539 km/h
1º Tom Dumoulin (Holanda), 24m41s
2º Nelson Oliveira (Portugal A), a 4s
3º Gregory Brenes (Selecção UCI), a 9s
4º Luis Mas (Espanha), a 17s
5º Dani Teklehaimanot (Selecção UCI), a 19s
6º Sebastian Salazar (Colombia), a 31s
7º Anthont De Laplace (França), a 38s
8º Niki Ostergaard (Dinamarca), a 44s
9º Jhon Atapuma (Colombia), a 48s
10º Nairo Quintana (Colombia), a 51s
13º Joni Brandão (Portugal B), a 52s
23º Amaro Antunes (Portugal A), a 1m07s
29º Fábio Silvestre (Portugal B), a 1m11s
44º Vasco Pereira (Portugal A), a 1m38s
47º Domingos Gonçalves (Portugal A), a 1m44s
57º Diogo Nunes (Portugal A), a 2m02s
59º Guilherme Lourenço (Portugal B), a 2m04s
69º José Gonçalves (Portugal B), a 2m42s
74º Luís Afonso (Portugal B), a 2m57s

(continua)

Geral individual
1º Tom Dumoulin (Holanda), 6h24m37s
2º Nelson Oliveira (Portugal A), a 13s
3º Gregory Brenes (Selecção UCI), a 18s
4º Arkimedes Arguelyes (Rússia), a 39s
5º Sebastian Salazar (Colombia), a 40s
6º Anthony De Laplace (França), a 46s
7º Niki Ostergaard (Dinamarca), a 53s
8º Jhon Atapuma (Colombia), a 55s
9º Sebastian Landes (Dinamarca), a 1m01s
10º Arnaud Courteille (França), mt
16º Amaro Antunes (Portugal A), a 1m16s
28º Vasco Pereira (Portugal A), a 1m47s
47º Luís Afonso (Portugal B), a 3m57s
53º Guilherme Lourenço (Portugal B), a 7m10s
63º Joni Brandão (Portugal B), a 12m40s
68º José Gonçalves (Portugal A), a 17m31s
69º Domingos Gonçalves (Portugal B), a 18m01s
76º Diogo Nunes (Portugal A), a 26m30s
80º Fábio Silvestre (Portugal B), a 36m31s

Geral equipas
1ª Selecção UCI, 19h16m05s
2ª Colombia, a 23s
3ª Espanha, a 35s

11 comentários a “Surpresa Dumoulin estragou festa portuguesa”

  1. Foi por “um bocadinho assim”, mas a prestação global do Nelson e da selecção portuguesa foi positiva, e não esquecer que o Nelson é sub-23 de 1º ou 2º ano, se não me engano. Obrigado a Luis Bompastor pela informação da vitória de Ester Alves em Espanha. Fim-de-semana positivo para o ciclismo português.

  2. ho bompastor!!!!! por amor de deus!!

    olha o clube da minha terra ganhou ao capiao distrital que fixe ves???

  3. Caro Eduardo Fonseca, segundo o que me chegou aos ouvidos o pedro paulinho foi dos ciclistas que mais trabalhou em prol do nelson, e no penultimo dia quando deixou de trabalhar optou por desistir, o seu trabalho foi cumprido, mas tambem le digo, foi muito melhor o que ele fez, do que ciclistas como o Amaro, Vasco, Luis Afonso. Pelo menos fizeram tudo pela selecção, e nao olharam para o seu resultado, os meus parabens a quem realmente trabalhou e ao Nelson Oliveira. Parabens rapaz por mais este lugar.

  4. Muitos Parabéns ao Nelson e aos restantes Portugueses em destaque este fim de semana.

    Aproveito para dar a conhecer a vitória de outra portuguesa neste fim de semana. Ester Alves ganha a primeira prova do Torneo Euskaldun, no País Basco.

    estersantosalves.blogspot.com

  5. Ainda não sei se foi o Dumoulin que ganhou, resultados futuros dirão algo mais. “Aquilo não foi tocar a vela a vento”.

  6. Não deixa de ser um bom resultado para o Nélson 🙂 Continuação de boa sorte para a Selecção 😉

  7. Parabéns ao Nélson.
    Não vamos ser extremistas e achar que o resultado não é bom. O Nelson fez segundo, é um excelente resultado. Agora andamos mal habituados e o segundo já não serve. Parabéns Nélson grande exibição, mais uma vez , de classe. Quanto aos restantes, pelo que vi , grande trabalho, grande entrega do Joni, que foi premiado com o excelente resultado no C/R e dos irmãos Gonçalves. Quanto aos outros, tenho pena. São chamados para honrar o país e só olham para o seu umbigo. Quanto ao Pedro Paulinho e ao João Correia, só demonstraram que actualmente não tinham lugar nesta selecção. O Pedro, tivesse ele outro apelido e não lá tinha entrado, e o João, pese embora o seu enorme potencial, actualmente não fazia por merecer a sua participação.

  8. Não esta mal. Agora é continuar a trabalhar. E parabens não só ao Nelson mas também a todos os outros que fizeram com fosse possivel ele ficar onde ficou

Os comentários estão fechados.