Massimo Giunti despedido por dopagem [actualização]

O caso pode dificultar acesso da equipa ao Giro
O caso pode dificultar acesso da equipa ao Giro

O italiano Massimo Giunti foi hoje despedido pela Androni Giocattoli-Diquigiovanni, depois de ser impedido de participar na primeira etapa do Tirreno-Adriático, devido a um controlo antidopagem positivo por EPO. O corredor está suspenso preventivamente pela UCI.

A EPO sintética foi detectada num controlo surpresa, realizado no dia 23 de Fevereiro. A UCI revela que a EPO foi encontrada num teste especificamente dirigido a Giunti, devido aos valores encontrados no seu “passaporte biológico” serem considerados anormais.

Ainda antes de anunciar o despedimento, o director-desportivo da Androni Giocattoli-Diquigiovanni, Gianni Savio, não se conformava com a situação e mostrava temer os efeitos que a mesma pode ter no futuro da equipa. “É inaceitável que ainda se passem este tipo de coisas. Agora teremos de analisar como é que o positivo de Giunti afectará a equipa, o seu futuro e a sua participação em futuras competições, como a Volta a Itália”, diz o técnico, citado pelo Tuttobiciweb.

Massimo Giunti foi contratado este ano à Miche-Silvercross, tendo uma carreira com zero vitórias, mas muitas equipas representadas: Cantina Tollo, Acqua & Sapone, Domina Vacanze, Fassa Bortolo e Naturino, antes da Miche e da Androni Giocattoli.

1 comentário a “Massimo Giunti despedido por dopagem [actualização]”

Os comentários estão fechados.