José Martins: “Ocorreu-me deixar o ciclismo”

A vitória na Volta a Portugal do Futuro pode ter valido a José Martins a continuidade no ciclismo. Mas nem esse sucesso o livrou da incerteza quanto ao futuro. Em entrevista ao Jornal Ciclismo, o corredor natural de Fafe, onde nasceu há 24 anos, revela: “Ocorreu-me várias vezes deixar a modalidade, mas a paixão falou mais alto”. A ausência de convites para a nova temporada, depois de conhecida a saída da equipa de Sobrado, devido ao impedimento de corredores de elite participarem na Volta do Futuro e na Taça de Portugal em 2009, chegou a desesperar o sobrinho do homónimo que deu cartas na década de 1970.

O convite de Mário Rocha para o plantel do Paredes Rota dos Móveis acabou por cair do céu e por impedir o abandono do ciclismo. Agora há que agradecer a oportunidade. “Vou tentar dignificar a camisola que irei envergar e tentarei ganhar uma ou outra etapa e estar em bom nível nas corridas”, promete o minhoto.

Dos quatro ciclistas que em 2008 deixaram as equipas do escalão Continental para competirem entre as Equipas de Clube, apenas Martins regressa ao escalão superior no próximo ano. “É um pouco triste que esses companheiros de pelotão não estejam colocados para a temporada que aí vem, pois todos eles arriscaram baixar de escalão no sentido de relançarem a carreira. A situação que estão a viver deriva da crise e não de falta de qualidades”, avalia José Martins.

Após três anos de profissional, ao serviço da ASC, a aposta pela Casactiva-Quinta das Arcas-Aluvia não foi sentida como uma despromoção, mas como uma oportunidade. “Tive o apoio de muitas pessoas que me disseram para aproveitar o ensejo de relançar a carreira para voltar ao profissionalismo. O balanço que faço é positivo. Custou um pouco dar um passo atrás, mas, feitas as contas, compensou porque me permitiu regressar ao pelotão profissional”, resume José Martins.

Foto: PAD/JLS

1 comentário a “José Martins: “Ocorreu-me deixar o ciclismo””

  1. É uma boa notícia! O que dizer de um ciclista que vence a mais prestigiada competição do seu escalão e não passa a profissional? Que futuro seria este?

Os comentários estão fechados.