Mão pesada da justiça federativa no “caso LA-MSS”

Rogério Batista e Afonso Azevedo são dois dos seis castigados
Rogério Batista e Afonso Azevedo são dois dos seis castigados

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Ciclismo teve mão pesada no chamado “Caso LA-MSS”, castigando seis elementos da equipa, incluindo o director-desportivo, Manuel Zeferino, e o médico, Marcos Maynar. O clínico espanhol é o mais penalizado pela decisão, que lhe aplica uma pena de dez anos de afastamento do ciclismo, pois o órgão disciplinar deu como provado que Maynar prescreveu ou forneceu substâncias dopantes aos ciclistas. Manuel Zeferino foi multado em 2800 euros por não ter zelado pela saúde dos atletas. Estes dois responsáveis estão ainda sob alçada da justiça civil, pois o Ministério Público acusou-os da co-autoria de 16 crimes.

De entre os corredores, os mais penalizados foram Rogério Batista e Pedro Cardoso, ambos suspensos por dois anos, embora o “capitão” da equipa já tenha abandonado a modalidade. Batista é acusado de ter manipulado uma amostra antidopagem com recurso a uma protease que destrói os traços de EPO. Cardoso é castigado por posse de produtos dopantes, o mesmo delito que o Conselho de Disciplina dá como provado nos casos de Afonso Azevedo (um ano e oito meses de suspensão) e Cláudio Faria (um ano e dois meses).

Foram absolvidos os outros elementos envolvidos no processo: o presidente do clube, Luís Almeida, os massagistas Fernando Maia e Paulo Oliveira Silva, e os corredores Tiago Silva e João Cabreira. Este foi alvo de um processo à parte, por viciação de uma amostra antidopagem – caso similar ao de Rogério Batista – e foi condenado a dois anos de suspensão pelo Conselhos de Disciplina. Um recurso para o Conselho de Jurisdição ilibou o corredor, mas a Agência Mundial Antidopagem não se deu por convencida e recorreu para o Tribunal Arbitral do Desporto, instância onde ainda decorre o processo.

Às suspensões hoje anunciadas deve ser deduzido o ano de suspensão provisória a que estiveram sujeitos os visados e que terminou no passado mês de Junho. Os castigos do órgão disciplinar da federação são passíveis de recurso para o Conselho de Justiça, pelo que o caso ainda está longe de estar encerrado.

15 comentários a “Mão pesada da justiça federativa no “caso LA-MSS””

  1. Morreu um basketbolista este fim de semana, se fosse ciclista ja a equipa em causa tinha a judite a porta no dia a seguir, e a ovarense porque não tem a judite a porta, porque não se investiga os departamentos clinicos das outras modalidades. Nunca levanto suspeitas mas não se pode denegrir uma modalidade para proteger outras nomeadamente o futebol onde nunca ha dopados ou so qnd o rei faz anos, ou porque se fecha os olhos, porque é que o benfica nunca ngm investigou o departamento clinico apos a morte de feher, ou no porto apos a morte do pavão, ha muita podridão no desporto e querem so denegrir uma para proteger as outra é o que me parece

  2. Sr Cordial (mas pouco), ele está a ter o mesmo respeito que ele teve pela sua equipa e patrocinador aquando da apreensão de material dopante em sua posse. Se calhar ele tinha-o só para mostrar aos colegas o que não deveriam tomar, não? Aquilo que ele fez durante vinte anos não lhe serve de desculpa agora.

  3. sr.anti-doping, qual é o seu problema???? talvez dor de cotovelo não? por tudo o que o Pedro fez ao longo de 20 anos de carreira, merece mais respeito por parte das pessoas ligadas ou não ao ciclismo.

  4. Apesar do atleta Pedro Cardoso ter abandonado o ciclismo profissional, este encontra-se federado numa equipa amadora em São Miguel – Açores apoiados pela loja SportZone e que em julho correu por duas vezes. Este atleta é também o reponsável pelos planos de treinos de referida equipa!

  5. eu quero agora ver quem vai pagar os prejuizos monetários e morais causados, aos que foram totalmente absolvidos!!!! um ano sem ganhar, a serem chamados de batoteiros!!!e agora quem vai repor tudo o que perderam… se bem me lembro trataram o massagista Paulo Silva como um criminoso, não o deixando sair do hotel onde estava para ir ver uma corrida no Algarve, porque ele estava envolvido no caso la mss e então o cidadão Paulo Silva não conta? estupidez!!!!!

  6. 2800.00 euros por nao zelar pela saude dos atletas ? a vida de um ser humano vale assim tao pouco ? isto e o comulo da estupidez !

  7. tao e na vai ninguem pa cadeia? ora ai ta, essa mao pesada, kd voltarem a modalidade vai ser otra vez a mxm cantiga

  8. OSCICLISTAS DA LIBERTY VAO SER IRRADIADOS , O AMÉRICO VAI APANHAR PRISAO PREPETUA E O MÉDICO PENA DE MORTE!!!

  9. Acho que devemos deixar correr o processo e depois sim, decidir se realmente o ciclismo ganhou com isto e as pessoas aprenderam que o doping não compensa, ou se, o resultado final deste processo apenas veio confirmar o que sente no ciclismo de hoje que ás vezes arriscar compensa! Estou contra as condenações de 1 ano, 2 ou 3 anos ou meia dúzia de meses, as pessoas apanhadas com doping deveriam simplesmente ser impedidas da prática desportiva como “federados” ou seja como profissionais, e também impedidas de exercer qualquer cargo executivo ligado directamente a pratica desportiva pelas qual foram condenados. Assim acredito que o ciclismo profissional seria visto sem a conotação que todos sabemos que tem!

  10. caso LA-MSS = a mão pesada. então o caso liberty vai ser de gritos? ou será tudo mais uma fantochada politicamente correcta?…

  11. Lol, daki a dez anos kdo tivermos outra equipa do sul envolvida nestes escandalos do doping irá sair a decisão final sobre o caso LA-MSS.

Os comentários estão fechados.